• Curta Doar
  • Teresina 167 anos
  • Casa dos salgados
  • Novo app Jornal O Dia

Três são presos em agência bancária com cheques em branco

Grupo conseguia os dados bancários de correntistas com saldos elevados nas contas, falsificavam os documentos e faziam saques nos terminais.

01/08/2019 07:45h - Atualizado em 01/08/2019 17:47h

Foram presos nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (01) um grupo de estelionatários que falsificava cheques e documentos de correntistas para fazerem saques em agências bancárias de Teresina. Eles foram identificados como Maria Cristina da Silva Nunes, Moacir da Silva e Miguel Nunes da Silva. As prisões foram efetuadas pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco), em parceria com o 1º BPM.


Presos por estelionato foram pegos dentro de agência com cheques em branco - Foto: Divulgação/Polícia Civil

Os três foram detidos em flagrante dentro de uma agência bancária no Centro de Teresina, portando folhas de cheque em branco. Ao revistarem o carro que os suspeitos usavam, os policiais encontraram material usado para falsificação e clonagem dos cheques. Após ouvi-los, as equipes do Greco e do 1º BPM se dirigiram para um hotel na zona Norte da Capital, onde foi apreendida mais documentação pública falsificada e uma máquina para impressão de cheques falsos.

“As investigações apontara, que a Maria Cristina, Moacir e Miguel conseguiam os dados bancários de bancos de Teresina com saldos elevados em suas contas, falsificavam os cheques e efetuavam o saque nos caixas eletrônicos das agências após apresentação dos documentos”, detalha o delegado Daniell Pires, que presidiu o inquérito.


Foto: Divulgação/Polícia Civil

Segundo a polícia, Maria Cristina e Moacir são naturais de São Paulo, e Miguel é do estado de Goiás. Os três foram detidos e autuados por estelionato e encaminhados para o sistema prisional.

Polícia pede que as pessoas denunciem

O Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) disponibiliza o número de WhatsApp  86 99978-0749 como canal de denúncia. A identidade do denunciante é mantida sob sigilo.

Por: Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário