Em Floriano, mãe e filha viviam em cárcere privado e escravizadas

As vítimas eram proibidas até mesmo de tomar banho. Além disso, os patrões subtraíram os documentos das duas mulheres para sacar o auxílio emergencial.

10/02/2021 11:55h

Compartilhar no

Mãe e filha, de 44 e 21 anos, foram resgatadas na manhã dessa terça-feira (09), pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), após terem sido mantidas por seis anos em cárcere privado e em condições análogas à escravidão, no município de Floriano, a 247 km de Teresina.


Leia também: PRF: madeira irregular apreendida no Piauí equivale a 4 estádios de futebol

Segundo informações da PRF, os policiais foram acionados por populares e localizaram as duas mulheres que afirmaram terem sido expulsas de um sítio nas proximidades pelo proprietário do local. 

Foto: Divulgação

De acordo com as vítimas, as mulheres trabalhavam no sítio há seis anos, a convite do proprietário, tendo sido prometido o pagamento de um salário mínimo e de uma cesta básica como retribuição pelos serviços domésticos prestados. No entanto, mãe e filha relataram que nunca receberam tais quantias e eram proibidas pelo proprietário de saírem do local.

Além disso, as mulheres eram proibidas até mesmo de tomar banho, por ser uma "exclusividade dos patrões", e sofriam constantes constrangimentos.

As vítimas denunciaram também que, ao solicitar o auxílio emergencial, tiveram seus documentos recolhidos pelo proprietário do sítio e somente foram devolvidos após finalizar o período de recebimento do recurso. Com medo de represálias do seu patrão elas pediram auxilio a uma amiga devido não possuir meios para suprir suas necessidades básicas.

Caso a denúncia seja comprovada, o proprietário poderá responder pelos crimes de sequestro, cárcere privado e trabalho escravo.

Diante dessa situação, os policiais encaminharam a mãe e a filha ao Ministério Público Estadual para que fossem tomadas as devidas providências legais para o caso. Todas as informações referente ao proprietário do sítio também foram encaminhadas para o MPE para que fossem feitas as devidas apurações. 


Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário