Concessionárias emitem nota ao público sobre operação 'Sorte Grande', da PF

Polícia Federal deflagrou operação para desmontar suposto esquema de sonegação fiscal em grupo empresarial do Piauí.

20/08/2014 19:29h - Atualizado em 21/08/2014 08:40h

Compartilhar no

As concessionárias Alemanha Veículos e Canadá Veículos divulgaram, no início da noite desta quarta-feira (20), uma nota de esclarecimento sobre a Operação Sorte Grande, deflagrada hoje pela Polícia Federal com o objetivo de desmantar um esquema de sonegação fiscal supostamente engendrado nas empresas do grupo empresarial de Paulo Guimarães.

Na nota, as concessionárias informam que a operação da PF foi "um grande e lamentável equívoco", e que foi deflagrada a partir de uma investigação ultrapassada, feita ainda no ano 2000, tendo como alvo as empresas "Poupa Ganha" e "Imediata", que não possuem qualquer relação com as concessionárias.

Foto: Jailson Soares/ODIA


As revendedoras de automóveis afirmam, ainda, que jamais realizaram sonegação fiscal em qualquer montante. Mas, ao contrário, "estão entre os maiores contribuintes do Estado do Piauí, seja no plano Federal, Estadual ou Municipal".

As empresas também enfatizam que a operação Sorte Grande foi deflagrada pela PF com o propósito de obter informações para um inquérito policial, e que ainda não há qualquer sentença condenatória contra as duas concessionárias. "Inquérito policial não é sentença. Até mesmo denúncia não forma convicção de culpa. Nesta fase atropelada, tais acusações não passam de hipóteses não comprovadas. Assim é a lei, assim é o direito. Todos têm direito à defesa e a nós assiste igual direito", diz o esclarecimento. 

Confira na íntegra a nota divulgada pela Alemanha e pela Canadá Veículos:

NOTA AO PÚBLICO

As empresas tidas como ligadas ao empresário Paulo Guimarães, foram alvo de estrondosa operação policial, de caráter nitidamente midiático, destinada a apurar sonegação inexistente, em montante imaginário, em cerca de 900 milhões de reais.

Com todo respeito às autoridades que determinaram a investigação e aos delegados que a conduziram, temos que afirmar, por amor à verdade, tratar-se de um grande e lamentável equívoco.

Em consulta ao inquérito policial, há relatos aos idos dos anos 2000, quando as empresas Poupa Ganha sofreram autuação fiscal fundada na suposição de que todo vendedor de cartela tinha vínculo trabalhista e que haveria, na prestação de contas, redução do número de cartelas vendidas. Isso engendrou falsa suposição de gigantesca sonegação fiscal.

As execuções foram aforadas relativas a tal caso, havendo arrolamento de bens em cautelares fiscais. Tais processos não foram ainda concluídos, mas vale notar que a Justiça já reconheceu inexistir vínculo ou solidariedade entre aquelas empresas do passado e as atuais. Na verdade, nada há que entre elas estabeleça vínculo.

Algo semelhante ocorreu com a então empresa Imediata, distribuidora de medicamentos, desativada há muitos anos. Os representantes de venda de remédios também foram vistos pela autoridade como empregados da empresa. E tal engano deu margem a autuação mirabolante.

As empresas atuais não se ligam àquelas do passado. Mas, são objetos de investigação, sem, contudo, haver qualquer relação as empresas investigadas no passado . As empresas ora investigadas, não têm qualquer relação, nem com o Poupa Ganha e nem com a Imediata, sendo incorreto pretender arrastar o passado para o presente, ou seja, que aquelas situações pretéritas sejam inspiradoras das coações ora sofridas.

Não há sonegação fiscal em qualquer montante. E ao longo do processo será demonstrada cabalmente essa afirmação.

Inquérito policial não é sentença. Até mesmo denúncia não forma convicção de culpa. Nesta fase atropelada, tais acusações não passam de hipóteses não comprovadas. Assim é a lei, assim é o direito. Todos têm direito à defesa e a nós assiste igual direito.

Os fatos serão esclarecidos sem o estrépito dessas coações, que tanto agrada às cassandras, aos abutres, àqueles que se comprazem com o sofrimento alheio, sem qualquer convicção de justiça, quer por interesses contrariados ou simplesmente por deformação de caráter.

As empresas em questão estão entre os maiores contribuintes do Estado do Piauí, seja no plano Federal, Estadual ou Municipal. Temos um histórico vitorioso de prestação de serviço à comunidade, fundado nos princípios de Verdade, Pluralidade, Respeito e Independência, atributos que certamente incomodam a detentores inviezados de qualquer tipo de poder.

Nossa resposta é o trabalho. É a contribuição social, são os empregos oferecidos. É a elevação humana, o fortalecimento de autonomias daqueles a quem servimos. Estamos ajudando a construir o Piauí e assim, também o Brasil. E nesse mister seguiremos firmes, com corágem irretocável.

Alemanha Veículos

Canadá Veículos

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário