Cinco são presos por estupro de crianças em Esperantina e Morro do Chapéu

As vítimas são meninas que tinham entre 10 e 14 anos à época do crime; uma delas teve de deixar a escola após engravidar, aos 12 anos

30/06/2017 08:28h - Atualizado em 30/06/2017 11:28h

Compartilhar no

Uma operação coordenada pela Polícia Civil da cidade de Esperantina, na manhã de hoje (30), prendeu cinco pessoas sob acusação de estupro de vulnerável. As vítimas são meninas que tinham entre 10 e 14 anos na época do crime. Os policiais visavam cumprir sete mandados de prisão, mas dois dos alvos da operação não foram localizados. As prisões aconteceram em Esperantina e Morro do Chapéu.

O delegado Leonardo Martins, explica que os casos são diferentes, mas se relacionam entre si pelo tipo do crime. “Os presos já foram devidamente ouvidos, passaram por exame de corpo de delito e serão encaminhados para a penitenciária”, informou.

Os detalhes sobre os casos foram mantidos em sigilo para que não sejam feitas associações com as vítimas e para evitar constrangimentos, mas o delegado comentou que os agressores são pessoas próximas às meninas. “Em um dos casos era o padrasto que abusava da enteada, por exemplo. Em outro, um tio”, relata.

O delegado destaca que em todos os casos o crime foi comprovado com exames de corpo de delito das vítimas. As datas em que as agressões ocorreram também variam: algumas foram abusadas há vários anos, enquanto outras eram abusadas até agora. “Há um caso que a menina começou a ser abusada em 2015 e ainda era atualmente”, exemplifica.

Além da violência e dos traumas, os abusos prejudicam até a formação das vítimas, e altera o rumo de suas vidas de forma definitiva. O delegado destaca que duas das menores estão grávidas. “Uma delas deixou de frequentar a escola aos 12 anos, por causa disso”, comenta. Há ainda duas vítimas que fugiram da casa dos pais para morar com os agressores, e por conta disso, também pararam de estudar.

Em todos os casos, as vítimas tinham menos de 14 anos à época dos abusos. “São casos de épocas diferentes, mas que mereciam uma repressão uniforme”, comenta o delegado. 

A delegacia segue procurando os dois foragidos e tem 10 dias para concluir o inquérito. A pena para o crime de estupro de vulnerável varia de 8 a 15 anos. 

Compartilhar no
Edição: Nayara Felizardo
Por: Andrê Nascimento

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário