Caso Fernanda: PF conclui que estudante pulou de prédio

A Polícia Federal divulga neste momento o resultado das investigações

20/09/2012 09:47h

Compartilhar no

Um ano e 26 dias após o corpo da estudante Fernanda Lages ser encontrado na obra do prédio da Procuradoria Geral da República, a Polícia Federal do Piauí divulga hoje (20) o resultado das investigações. Tendo entrado no caso por conta da suspeita de que Fernanda estava envolvida no tráfico internacional de mulheres, a Polícia Federal investigou a morte da estudante partindo do princípio de que ela foi assassinada.

A coletiva da Polícia Federal foi aberta pelo superintendente no Piauí, Nivaldo Farias. Ele iniciou sua fala fazendo uma retrospectiva do caso, destacando que dois meses após a ocorrência a polícia civil fez a investigação e que o Ministério Público, não satisfeito com a conclusão do inquérito apresentado pela Polícia Civil, uniu esforços junto ao Ministério Público Federal, Governo do Estado e da Procuradoria de Justiça para, através de expedientes enviados ao ministro da justiça, solicitar a entrada da Polícia Federal na investigação do caso.

Segundo Nivaldo Farias, o mote da investigação foi a prática de tráfico de pessoas, mas que não haveria como investigar o tráfico de pessoas sem investigar a morte de Fernanda Lages, afinal, para ele, sem a investigação da morte não seria possível investigar a denúncia de tráfico de pessoas.

Fotos: Lina Magalhães/ODIA

Superintendente da PF-PI, Nivaldo Faria, abre a apresentação do resultado.

"A Polícia Federal iniciou a investigação considerando um homicídio e a PF passou por vários caminhos, utilizou tecnologia de ponta para dar uma resposta à altura. Hoje é o dia anunciar resultados", afirmou. "O que for apresentado aqui é o que sabemos e o que manteremos", disse.

Delegado Edilson Freitas, responsável pela investigação da morte de Fernanda Lages, destacou os trabalhos desenvolvidos pelo Ministério Público e pela Polícia Civil do Estado. "Há que se respeitar as investigações da Polícia Civil do estado do Piauí".

Segundo ele, não foi encontrado, durante as investigações, qualquer indício de que Fernanda Lages fazia parte do tráfico internacional ou, mesmo, interestadual de mulheres. Ele destacou estar confiante de que não haverá qualquer informação posterior que poderá contestar ou pôr à prova o resultado apresentado pela Polícia Federal.

Lesões e perícia técnica

Segundo o delegado Edilson Freitas, a PF não encontrou indícios de tráfico internacional ou interestadual de mulheres. No entanto para tanto, foi preciso investigar a morte da estudante e as pessoas que estão no entorno de Fernanda.

Inicialmente, o delegado mostra a planta do prédio do MPF, onde Fernanda foi encontrada morta e mostrou que no primeiro momento, foi colocada a versão de que a morte teria sido por pauladas, embaixo no prédio. "Cinco dias depois, depois de uma forte chuva, deram-se conta de que ela poderia ter caído do alto do prédio", disse.

Através de uma simulação em 3D, o delegado mostra como a PF acredita que ela tenha caído, considerando as lesões apresentadas pelo corpo, inclusive as unhas, afundamentos na cabeça, lesões no braço, fraturas no crânio. Ele ressaltou que nenhuma das lesões constatadas no corpo de Fernanda foram causadas antes da queda.

"A fratura óssea de batida e de queda são muito diferentes. As fraturas nas costelas foram provocadas pelo braço, que ela caiu por cima e que ficou com fratura exposta no momento em que a jovem teria tentado amenizar a queda", afirma Nivaldo.

Com relação ao dente, o delegado afirmou que o dente quebrou de dentro para fora e não de fora para dentro. O dente teria se quebrado no local em que houve a lesão no crânio. "Não há nenhuma lesão que não tenha sido feita pelo solo. Todas as costelas foram fraturadas, em grau maior ou menor, mas todas foram fraturadas a partir do contato violento com o solo", disse.

De acordo com o delegado, a marca mais evidente de que Fernanda estava em pé em cima da mureta é o vestido levantado até a metade das coxas e a perna da estudante contendo marcas de ferimentos apenas posteriores à queda. A velocidade que o corpo atingiu durante a queda mostra, de acordo com Freitas, que Fernanda não poderia ter sido jogada.

Números

Foram investigadas várias pessoas, entre suspeitos investigados e testemunhas que prestaram depoimento, tendo suas vidas profundamente analisadas. Ao todo, de acordo com o relatório, foram ouvidas mais de 150 pessoas, checadas mais de 184 horas de escutas telefônicas e 11.825 áudios foram periciados pela PF.

Delegado Edilson Freitas inicia a apresentação do resultado

Exames

O delegado apresentou uma linha do tempo sobre Fernanda Lages, em que a PF analisou o último ano de vida de Fernanda Lages até o dia de sua morte. Na linha do tempo, o último dia de vida da estudante foi descrito pelo delegado desde a manhã até a madrugada do dia 25, quando foi encontrada morta na sede do MPF.

"Segundo várias testemunhas, ela teria saído sozinha, passado pelo posto de gasolina sozinha, chegado em frente ao prédio da MPF sozinha e teria entrado sozinha na construção. Dentro da obra não há vestígio de outras pessoas", diz.

Para o delegado, o carro de Fernanda tinha um "defeitinho" no farol após uma pequena batida no carro, que diminuía o foco de iluminação de um dos faróis - precisamente o esquerdo - e que facilitou a identificação do veículo nas imagens capturadas pelas câmeras de segurança utilizadas durante a investigação.

Às 05h22, o carro de Fernanda saído do Bar Pernambuco e seguido pela avenida Miguel Rosa. Às 05h23, ela recebeu uma ligação de Daniel Said, mas não fez nenhuma outra ligação nem recebeu nova chamada.

A iluminação mostrava o veículo circulando até a obra do MPF. "Fizemos várias simulações, no mesmo local, com passageiros e sem passageiros em um veículo igual ao dela. Ela estava sozinha", disse.

Prisão de Nayra

De acordo com o delegado Edilson Freitas, Nayra Veloso foi presa por ter estado com Fernanda Lages diante do prédio do MPF momentos antes da morte da estudantel, na companhia de um homem.

Esse homem, que seria namorado de Nayra, era um conhecido traficante de Teresina, que foi morto algum tempo depois da morte de Fernanda.

Conclusão do inquérito

Com base nas investigações realizadas, o resultado apresentado pela Polícia Federal concluiu por suicídio ou queda acidental, devido aos seguintes principais indícios:

- Não havia qualquer motivação para o homicídio de Fernanda;

- A estudante estava sozinha no momento em que entrou na obra;

- Não há qualquer sinal de luta corporal;

- As evidências mostram que houve esforço próprio por parte de Fernanda para subir na mureta do prédio;

- As marcas nas pernas mostram que o vestido estava arrumado no momento da queda;

- Fernanda tomava remédios pra enxaqueca que, combinados com bebidas alcoólicas que a estudante consumia, poderiam gerar efeitos de motivações suicidas.

Coletiva

Agora, os delegados respondem às perguntas feitas pelos repórteres, em entrevista coletiva.

"Saímos dessa investigação com total certeza do dever cumprido", Alberto Ferreira Neto, delegado da PF em São Paulo que participou da investigação do caso Fernanda Lages.

Para o delegado, não houve adulteração de provas. "Foram feitas interceptações telefônicas e nada de relevante foi encontrado. Nós obtivemos judicialmente a autorização para o rastreamento das antenas e o que foi verificado foi apresentado agora", disse.

Ao ser perguntado sobre as pessoas que, ao longo do caso, tiveram seus nomes citados, o delegado afirmou que: "Tivemos que devassar diversas vidas de pessoas de bem", disse.

Segundo delegado, do ponto de vista pericial, toda e qualquer polícia poderia ter feito este trabalho e não chegaria a outra conclusão diferente da que foi apresentada pela Polícia Federal.

Pai de Fernanda e advogado da família

O advogado da família foi até a sede da Polícia Federal no início da manhã, antes da divulgação dos resultados, para requerer uma cópia do inquérito policial. Ele não acompanhou pessoalmente a coletiva de imprensa.

"Apenas aguardaremos o resultado, depois veremos o que iremos fazer", declarou ele. Villa disse que a família preferiu acompanhar o resultado em casa, de forma mais tranquila.

O pai de Fernanda, Paulo Lages, em entrevista na manhã de hoje, afirmou que há pelo menos seis meses já não acreditava na atuação da Polícia Federal na investigação da morte de Fernanda. "A expectativa é quase zero, com relação a ser positivo, de acordo com o que a gente acredita. Não temos uma expectativa boa. A família não foi informada de nada. Absolutamente nada. Estamos muito descrentes", declarou.

Compartilhar no
Por: Maria Romero

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário