Caso Claudemir: acusada de participar da morte de cabo do Bope é condenada a 19 anos

A ré é acusada de ser a “olheira” do homicídio qualificado do cabo, em 06 de setembro de 2016.

21/09/2021 08:54h - Atualizado em 21/09/2021 09:12h

Compartilhar no

Thaís Monait Neris de Oliveira, acusada de participar do assassinato de Claudemir de Paula Sousa , cabo do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope), foi condenada a 19 anos e 10 dias de prisão em regime fechado. A condenação saiu na noite deste segunda-feira (20) e o julgamento aconteceu no Fórum Criminal de Teresina.

(Fotos: Reprodução/WhatsApp)

A ré é acusada de ser a “olheira” do homicídio qualificado do cabo, em 06 de setembro de 2016. Em depoimento prestado durante o julgamento, Thaís Monait negou que tenha participado do crime de execução .

Pesam ainda acusações sobre Thaís acusações de crime mediante promessa de recompensa e utilização de recurso que impossibilitou a defesa da vítima, prevista nos Artigos 121, § 2°, I e IV c.c 29, todos do Código Penal, além e associação criminosa, como consta no Artigo 288, parágrafo único, do Código Penal. O Ministério Público do Estado do Piauí foi representado pelo Promotor de Justiça, João Malato Neto.

Entenda o caso

No dia 06 de dezembro de 2016, por volta das 20h55min, nas proximidades de um estabelecimento denominado “Academia Adrenalina”, situado na Av. Doutor Luís Pires Chaves, Quadra 33, Casa 24, bairro Sacy, município de Teresina (PI). A acusada participou ativamente do assassinato da vítima Claudemir de Paula Sousa, cabo do Bope, o qual foi alvejado com 11 disparos de arma de fogo (revólver e pistola) à curta distância, por dois executores previamente combinados com a ré.

Consta dos autos, que a condenada Thaís Monait, deslocou-se até um trailer situado em frente à Academia de Ginástica que a vítima frequentava, sondando o ambiente e esperando esta sair, quando então, apontou-a à dois comparsas seus que encontravam-se em uma sorveteria situada nas proximidades.

Os acusados abordaram Claudemir de surpresa, efetuando diversos disparos, sendo que 11 destes acertaram principalmente na região das costas da vítima, impossibilitando sua defesa. A acusada evadiu-se do local dos fatos e, no dia seguinte, foi presa por agentes da polícia civil de Teresina.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário