Briga na Penitenciária de Esperantina deixa preso gravemente ferido

Inicialmente, chegou a circular a informação de que teria ocorrido um motim na unidade penal, o que foi desmentido pela Sejus.

14/07/2017 10:58h - Atualizado em 14/07/2017 12:14h

Compartilhar no

A Polícia Militar foi acionada na manhã desta sexta-feira (14) para conter uma briga entre presos na Penitenciária Regional Luiz Gonzaga Rebelo, em Esperantina, distante 188 km de Teresina.

Inicialmente, chegou a circular a informação de que teria ocorrido um motim na unidade penal, o que foi desmentido pela assessoria de comunicação da Secretaria de Justiça.

A pasta também confirmou que um dos presos ficou gravemente ferido e está sendo trazido para Teresina numa ambulância. Ele teria sido atingido por uma barra de ferro retirada da estrutura do presídio e que é usada como arma branca.

Kleiton Holanda, vice-presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí (Sinpojuspi), também confirmou a informação, e disse que o preso teria sofrido pelo menos uma perfuração. 

A Sejus disse, ainda, que "por questão de segurança" não poderia informar os nomes dos presos envolvidos na briga. Mas o Sinpoljuspi forneceu esta informação ao portal O DIA.

A vítima foi identificada como Antônio da Silva Costa Filho e o agressor chama-se Ismael das Neves Silva. Segundo o sindicato, os dois ocupavam a mesma cela, juntamente com vários outros detentos.

Kleiton Holanda afirma que Antônio da Silva só foi morto ainda no local graças à rápida intervenção dos agentes penitenciários que estavam de plantão. "Ele só não foi morto mesmo sumariamente porque os agentes, na hora do confronto, agiram rapidamente. Entraram no pavilhão e conseguiram tanto socorrer a vítima como imobilizar o agressor. Até o momento, não se sabe o que teria motivado a briga. Mas o estranho é que eles dividiam a mesma cela. Agora, cabe à Polícia e à direção da unidade investigar o crime", detalha o sindicalista.

Superlotação

O vice-presidente do Sinpoljuspi voltou a denunciar a superlotação e a falta de estrutura nas unidades penais do estado. Na Penitenciária Regional Luiz Gonzaga Rebelo, por exemplo, a capacidade máxima é de 144 vagas, mas no momento há cerca de 400 detentos no local.

Na manhã desta sexta-feira, quando a briga entre os presos ocorreu, apenas cinco agentes penitenciários estavam de plantão.

Kleiton Holanda afirma que a realização de concursos públicos para contratação de mais servidores, embora necessária, não resolve por completo os graves problemas observados no sistema penal do estado.

O vice-presidente do Sinpoljuspi afirma que a Sejus precisa realizar investimentos maciços nas estruturas dos presídios.

Hoje o Piauí conta com aproximadamente 600 agentes penitenciários, e o número de presos chega a 4.500.

O Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) recomenda uma proporção mínima de um agente para cada cinco presos nas unidades penais.

Compartilhar no
Por: Cícero Portela

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário