Atlas da Violência: Maioria das mulheres vítimas de homicídio no Piauí são negras

Ao todo, foram 52 mulheres assassinadas em 2018, destas, 43 eram negras.

27/08/2020 16:06h

Compartilhar no

Segundo o Atlas da Violência 2020, a taxa de homicídios femininos no Piauí foi a terceira menor do país em 2018, ficando atrás apenas dos estados de São Paulo e Santa Catarina. Apesar disso, os dados apontam que a situação melhorou apenas para as mulheres não negras, uma vez que a quase totalidade dos homicídios de mulheres (89,6%) tiveram como vítimas mulheres negras.


Leia mais:

Os dados foram revelados nesta quinta-feira (27), em estudo elaborado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, e evidenciam o abismo da desigualdade racial que ainda atinge as mulheres piauienses. Ao todo, foram 52 mulheres assassinadas naquele ano, destas, 43 eram negras.

Foto: Arquivo O Dia

Piauí tem 3,1 homicídios de mulheres para cada 100 mil habitantes

Segundo o levantamento, o estado do Piauí registrou 3,1 homicídios de mulheres para cada 100 mil habitantes. Embora 2018 tenha apresentado uma tendência de redução da violência letal contra as mulheres na comparação com os anos mais recentes e o Piauí figure entre os estados com menores índices, ainda é possível observar um incremento de 30,6% na taxa de homicídios femininos no estado, no período de 2008 a 2018.

Em 2008, essa taxa era de 2,4 a cada 100 mil habitantes, com o pico da década sendo no ano de 2015, quando o índice atingiu seu ápice em 4,1. Desde então, o número vem se mantendo estável, com cerca de três homicídios a cada 100 mil habitantes.

Em relação a população em geral, os números de homicídios de negros também são alarmantes. De acordo com o Atlas da Violência, na última década houve um aumento de 77,6% no número de homicídios de negros. Em 2008, 299 pessoas negras foram vítimas de homicídio no estado, já em 2018 esse número aumentou expressivamente para 531, enquanto o número de não negros ficou em 46.  O ápice do decênio ocorreu no ano de 2016, quando 606 pessoas negras foram mortas violentamente no Piauí.

O índice comprova uma realidade assustadora para a população negra,com o aprofundamento das desigualdades raciais ao longo da década. Isso reitera o fato do Piauí continua a compor a lista dos estados brasileiros em que um negro tem mais chances de ser morto do que um não negro. A única exceção no Brasil é o estado do Paraná, que em 2018 apresentou taxa de homicídios de não negros superior à denegros. 

Homicídios por arma de fogo crescem 134% em uma década

Outro dado alarmante revelado pelo Atlas da Violência, que tem como baliza o ano de 2018, aponta um crescimento exponencial do número de homicídios ocasionados por arma de fogo. Segundo o levantamento feito pelo Ipea, em dez anos, o Piauí registrou um aumento de 134% no número de mortes causadas por esse instrumento.

Em 2008, cinco anos após o Estatuto do Desarmamento, o estado chegou a registrar 159 mortes por arma de fogo. Ao longo da década, essa taxa continuou a aumentar, atingindo seu pico no ano de 2014, quando 455 pessoas foram mortas por arma de fogo. Desde então, os índices vem oscilando, com registro de 373 mortes em 2018.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Nathalia Amaral

Deixe seu comentário