• Premium Outlet
  • Salve Maria
  • Jovens escritores 2019
  • Banner paraíba
  • AZ no rádio
  • cachoeir piaui
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner

Notícias Polícia

21 de maio de 2019

Carro colide com carreta bitrem e jovem de 23 anos acaba morrendo

Carro colide com carreta bitrem e jovem de 23 anos acaba morrendo

Batida foi tão violenta que a carreta saiu da pista e tombou e o Corolla onde estava a vítima fatal se partiu em mais de 15 pedaços.

Um grave acidente ocorrido nesta segunda-feira (20) no quilômetro 606 da BR-316, próximo a Timon-MA, deixou um jovem de apenas 23 anos morto. Identificado como Wesley Chaves, ele conduzia um veículo modelo Toyota Corolla, quando perdeu o controle da direção e acabou colidindo de frente com uma carreta bitrem. 

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal do Maranhão, o carro derrapou antes de bater no outro veículo e a colisão foi tão violenta que a carreta saiu da pista e tombou. O veículo transportava uma carga de rolos de papel. Populares relataram aos policiais que o Corolla de Wesley teria sido tocado por outro carro, o que teria provocado a perda do controle da direção por parte dele. O condutor da carreta, no entanto, relatou não ter visto nenhum outro veículo a se envolver no acidente.

Wesley foi levado para um hospital aqui em Teresina, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos. A PRF informou que ele morava em Caxias e havia vindo a Teresina para buscar o veículo que estaria em revisão. 

Por conta do acidente, a pista na BR-316 ficou bloqueada por mais de uma hora para a retirada de pedaços do veículo e limpeza do local. O Corolla onde estava Wesley, segundo a perícia da PRF, se quebrou em mais de 15 pedaços. A rodovia só foi liberada para o tráfego por volta das 18 horas.

20 de maio de 2019

Piauiense é morta a facadas pelo companheiro em São Paulo

Piauiense é morta a facadas pelo companheiro em São Paulo

O acusado teve sua prisão preventiva decretada após passar por audiência de custódia. Derlane Silva deixou uma filha pequena.

Uma piauiense, natural de Teresina, foi assassinada, neste domingo (19), com três golpes de faca pelo próprio companheiro no Centro de Morro Agudo, cidade de Ribeirão Preto, estado de São Paulo. Identificada como Derlane Silva, 21 anos, ela foi esfaqueada duas vezes no peito e uma vez nas costas e, segundo a polícia, não teve chances de se defender. O assassinato aconteceu durante uma suposta briga com o companheiro, de nome Rafael Eduardo Inácio, 27 anos.


Derlane Silva - Foto: Reprodução/Instagram

De acordo com a PM, Derlane e Inácio estariam bebendo, quando começaram a discutir. O homem, então, teria ido até a cozinha e pegado uma faca, com a qual atingiu a companheira. Ela morreu na hora. O objeto usado no crime foi encontrado dentro de um bueiro próximo à residência do casal. A polícia acrescentou ainda que os dois já tinham se separado uma vez e haviam voltado a morar juntos há pouco tempo.

Derlane deixou uma filha pequena. Já Rafael Eduardo Inácio se entregou à polícia e ainda ontem (19) passou por uma audiência de custódia na qual o juiz decretou sua prisão preventiva. Ele foi encaminhado para o Centro de Detenção Provisória de Pontal, em Ribeirão Preto.

O corpo de Derlane, após liberado pelo IML, será trazido para Teresina onde será velado e sepultado.

18 de maio de 2019

PRF resgata adolescentes durante operação contra exploração sexual infantil

PRF resgata adolescentes durante operação contra exploração sexual infantil

As jovens, que tinham 15 e 17 anos, foram encaminhadas para o Conselho Tutelar

Durante uma operação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) contra a exploração sexual infantil, realizada na noite de sexta (17) e madrugada deste sábado (18), duas adolescentes foram resgatadas e encaminhadas ao Conselho Tutelar de Teresina. As jovens, de 15 e 17 anos, estavam nas ruas, em locais de passagens de caminhoneiros e, de acordo com a PRF, a suspeita é de que elas estivessem se prostituindo.

O inspetor da PRF, Danilo Teive, contou que a primeira jovem a ser localizada é uma adolescente de apenas 15 anos. Segundo ele, a garota se encontrava em um balão próximo ao Mercado do Peixe, zona Sudeste de Teresina, e teria mentida a idade.

“Quando eu a abordei ela disse que tinha 18 anos, mas quando fiz a busca no sistema descobrimos que ela tinha apenas 15 anos. Ela também disse que suspeitava estar grávida. Ela estava em um bar próximo a um balão e negou que estivesse ali se prostituindo”, comentou o inspetor.

A segunda jovem a ser localizada tem 17 anos e foi resgada nas proximidades da Ponte Nova, zona Sul de Teresina. De acordo com a PRF, a adolescente estava entre os caminhoneiros e, segundo informações, era usuária de drogas. “Inicialmente ela negou que estivesse ali para fazer programa, mas depois confessou que, às vezes, se submetia a esta prática quando estava com fome”, comentou o inspetor Danilo Teive.

As duas adolescentes foram encaminhadas para o Conselho Tutelar onde devem receber acompanhamento no ambiente familiar após serem retiradas do ambiente de risco.

A operação contra a exploração sexual infantil, realizada pela Polícia Rodoviária Federal, faz parte de uma ação alusiva ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, celebrado anualmente em 18 de maio. Contudo, este trabalho realizado pela PRF é constante.

17 de maio de 2019

PM faz ação na Praça da Bandeira contra comércio de celulares roubados

PM faz ação na Praça da Bandeira contra comércio de celulares roubados

Segundo militar que comandou a ação, dezenas de suspeitos fugiram no momento em que os policiais chegaram à praça.

A Polícia Militar efetuou, na tarde desta sexta-feira (17), as prisões de dois homens suspeitos de comercializar celulares roubados na Praça da Bandeira, Centro de Teresina.

A ação foi realizada por policiais do 1º Batalhão da PM-PI, comandados pelo capitão Juracy Félix. Cerca de 20 aparelhos com origem suspeita foram apreendidos.

"Eles não conseguem comprovar nenhuma procedência legal, notas fiscais. Dizem, a princípio, que são para consertar, mas sempre que a Polícia Militar entra na Praça da Bandeira eles se debandam como um bando de aves. Quem corre certamente tem algo a temer", afirmou o capitão Juracy Félix.

Ainda de acordo com o militar, havia várias pessoas vendendo aparelhos com origem aparentemente ilícita, mas todas correram no momento da ação, e os PMs conseguiram interceptar apenas dois suspeitos.

"Diariamente, o 1º Batalhão é solicitado por vítimas que têm seus celulares roubados na região. Agora há pouco mesmo um cidadão teve seu iPhone roubado, e o localizador [por GPS] estava indicando que o aparelho estava na área do Shopping da Cidade e da Praça da Bandeira. E a gente sabe que lá, realmente, há o comércio de produtos de natureza ilegal. Aproveitamos pra fazer essa batida, dezenas fugiram mas conseguimos capturar esses dois", afirmou o capitão, acrescentando que as pessoas que tiveram celulares roubados podem procurar a Central de Flagrantes para verificar se algum dos aparelhos recuperados é seu. Para reaver o produto, é necessário apresentar a nota fiscal.

Polícia registra mais de 680 crimes praticados através site OLX no Piauí

Polícia registra mais de 680 crimes praticados através site OLX no Piauí

Dados são de 2013 a 2019 e foram obtidos através da análise do Sistema de Boletins de Ocorrência da Polícia Civil. 82% deles são crimes de estelionato.

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Combate aos Crimes Contra as Relações de Consumo (DECCOTERC) registrou mais de 680 crimes praticados por usuários mal intencionados no site OLX, uma plataforma de venda de produtos e de prestação de serviços pela internet. São 682 registros, mais exatamente, sendo que 82,5% deles, ou seja, 563 foram crimes de estelionato; e 119 (17,5%) são outros crimes tais como roubos, falsificações e afins.Os dados são referentes ao período entre 2013 e 2019 e foram obtidos através de uma análise junto ao Sistema de Boletins de Ocorrência da Polícia Civil do Estado.

Só este ano, de janeiro a abril, foram registrados 81 boletins de ocorrência por usuários do site, sendo que 70 deles, ou seja, 86% são por crime de estelionato e 11 (14%) foram especificados como roubo, falsificações e outras fraudes.


Foto: Assis Fernandes/O Dia

Mas o que chama atenção é o volume de estelionatos registrados pela polícia foram praticados, em sua maioria, em transações que envolviam veículos. Golpes com a compra e venda de carros e motos respondem por 44 dos 70 boletins de estelionato praticado no site OLX este ano. Outras 10 ocorrências envolviam a compra e venda de aparelhos celulares e pelo menos 16 foram praticados com a venda de produtos não especificados.

"Orientamos que as pessoas que busquem esses serviços nesses sites de venda e compra, mantenham a atenção e desconfiem de preços abaixo do que o mercado pratica, chequem as ofertas e não permitam a interferência de terceiros na negociação", alerta o delegado James Guerra, titular da DECCOTERC.


James Guerra, delegado titular da DECCOTERC - Foto: Arquivo O Dia

A Polícia Civil dá algumas orientações aos usuários destes sites para evitar que caiam em golpes:

Checar as informações referentes à existência do bem negociado e a verdadeira identidade do vendedor; desconfiar de oferta que fogem ao padrão de mercado; não ir ao encontro de vendedores dos produtos em locais desconhecidos ou pouco movimentados; evitar a interferência de terceiros na negociação; conferir a titularidade e a localidade das contas bancárias onde serão feitos os pagamentos; solicitar recibo e/ou nota fiscal no ato da compra dos produtos ou serviços/ levar ao conhecimento da Delegacia do Consumidor informações sobre falsas ofertas de produtos e/ou serviços para que sejam retiradas do site.

16 de maio de 2019

Sem Dodge, dez procuradores se candidatam para a sucessão na PGR

Sem Dodge, dez procuradores se candidatam para a sucessão na PGR

Dos candidatos, seis são subprocuradores-gerais, último nível da carreira, e quatro, procuradores regionais, que atuam na segunda instância da Justiça Federal.

Dez procuradores da República se inscreveram para disputar o comando da PGR (Procuradoria-Geral da República). As inscrições de candidaturas terminaram às 18h desta quarta-feira (15). Raquel Dodge, cujo mandato na PGR termina em setembro, não se inscreveu. Dos candidatos, seis são subprocuradores-gerais, último nível da carreira, e quatro, procuradores regionais, que atuam na segunda instância da Justiça Federal.

A eleição interna, realizada pela ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), está prevista para 18 de junho. Os três mais votados formarão uma lista tríplice que será encaminhada ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), a quem cabe indicar um nome. O escolhido precisa ser sabatinado e aprovado no Senado. Apesar da ausência de Dodge na eleição, seus pares afirmam que a atual procuradora-geral tem se movimentado para ser reconduzida ao cargo.

A novidade deste ano são os candidatos que, assumidamente, devem disputar a indicação por fora da lista tríplice, como o subprocurador-geral Augusto Aras, que hoje coordena a câmara do MPF responsável por questões econômicas.


Foto: Reprodução

Os subprocuradores-gerais que vão concorrer na eleição interna são Antônio Carlos Fonseca Silva, José Bonifácio de Andrada, Luiza Frischeisen, Mário Bonsaglia, Nivio de Freitas e Paulo Eduardo Bueno. Os procuradores regionais que se lançaram são Blal Dalloul, José Robalinho, Lauro Cardoso e Vladimir Aras. Frischeisen coordena a câmara criminal do Ministério Público Federal. Bonsaglia também tem experiência na área criminal e é visto como independente dos grupos majoritários.

Andrada foi vice-procurador-geral na gestão de Rodrigo Janot e atuou em governos do PSDB. Procuradores se disseram surpresos com sua candidatura. As candidaturas de Bueno, Silva e Freitas também eram inesperadas por colegas. Os procuradores regionais Cardoso e Dalloul foram secretários-gerais na gestão Janot. O primeiro é oriundo da carreira militar -o que, para alguns procuradores, desperta simpatia nos militares do governo Bolsonaro.

Vladimir Aras também atuou com Janot, como coordenador de cooperação internacional. Já Robalinho presidiu a ANPR até o mês passado. Consultores jurídicos do governo, que fizeram consultas com ministros do Supremo Tribunal Federal e outras autoridades, têm orientado Bolsonaro a indicar um subprocurador-geral para comandar a PGR, como tem sido a tradição. Outras alas do governo não fazem restrições quanto ao nível da carreira.

O procurador-geral é o membro do MPF que atua no Supremo e, entre outras funções, é o responsável por investigar e denunciar políticos como deputados federais, senadores, ministros de Estado e o presidente da República. A lista tríplice da ANPR vem sendo respeitada por todos os presidentes da República desde 2003, no primeiro governo Lula (PT). Bolsonaro não se comprometeu a segui-la, mas sinalizou a auxiliares jurídicos que vai esperar o resultado da eleição interna antes de escolher um nome para chefiar a PGR.

O presidente da ANPR, Fábio George Cruz da Nóbrega, defendeu a tradição da lista. "Sem o procurador-geral da República nomeado a partir da lista tríplice, não há independência real no Ministério Público. Sem Ministério Público independente, pode haver retrocesso em áreas fundamentais, como o combate à corrupção, exatamente o oposto do que clama a sociedade", afirmou.

15 de maio de 2019

México negocia para se manter no calendário da F-1 em 2020

México negocia para se manter no calendário da F-1 em 2020

O GP do México é uma das quatro provas que têm contrato apenas até 2019. Além do país, as corridas de Alemanha, Espanha e Inglaterra também têm presença incerta na temporada do ano que vem..

A confirmação da Holanda como sede de um Grande Prêmio de Fórmula 1 a partir de 2020 colocou em alerta as etapas presentes no calendário de 2019 que ainda não têm contrato para a próxima temporada. E o México está na luta para manter sua corrida.

O GP do México é uma das quatro provas que têm contrato apenas até 2019. Além do país, as corridas de Alemanha, Espanha e Inglaterra também têm presença incerta na temporada do ano que vem.

Por isso, o comitê organizador do GP do México informou hoje que negocia com o grupo Liberty Media, detentor dos direitos comerciais da F-1, a renovação de seu contrato. A organização também conversa com autoridades mexicanas em busca de apoio.


Foto: Reprodução

"Continuam as negociações com a Fórmula 1 e com as autoridades de nosso país, buscando alternativas viáveis para a permanência desta competição no México", diz a organização, segundo o jornal Récord. "Quando surgirem notícias a respeito da negociação com as autoridades, oportuna e unicamente através de canais e vozes oficiais, estaremos tornando-as de conhecimento público", acrescentou.

Ainda segundo o diário mexicano, o investimento feito para o retorno da F-1 ao país foi de US$ 363 milhões (mais de R$ 1,4 bilhão em valores atuais). Do total, o Conselho de Promoção Turística do México (CPTM), órgão do governo local, investiu US$ 213 milhões (mais de R$ 846 milhões).

O GP do México voltou ao calendário da F-1 em 2015 com um contrato para cinco provas, até 2019. Antes disso, o país recebeu a categoria em dois períodos: entre 1963 e 1970 e entre 1986 e 1992.

14 de maio de 2019

Corpo de jovem é encontrado próximo a açude em Piripiri

Corpo de jovem é encontrado próximo a açude em Piripiri

Identificado apenas como Moisés, ele foi alvejado com cerca de oito tiros. Um outro jovem, de nome Denilson, também sofreu tentativa de homicídio na mesma cidade esta madrugada.

A Polícia Militar está em diligências à procura do suspeito de ter atirado e matado um jovem em Piripiri, na madrugada desta terça-feira (14). A vítima foi identificada apenas como Moisés e seu corpo foi encontrado por volta das sete horas da manhã próximo ao açude do bairro Anajás. Segundo a polícia, Moisés foi assassinado com pelo menos oito tiros. Os motivos de sua morte ainda são desconhecidos, mas a PM fala em crime com características de execução.

“A vítima tinha passagens pela polícia e um histórico de antecedentes criminais, o que nos leva para a possibilidade de um acerto de contas. Inclusive os autores do crime o mataram, mas não levaram nada de valor material dele, o que descaracteriza, a princípio a possibilidade de morte em um assalto, por exemplo”, explicou o coronel Erisvaldo Viana, comandante do 12º BPM de Piripiri.

Além de Moisés, um outro jovem, identificado somente pelo nome de Denilson também foi atingido por disparos de arma de fogo na madrugada desta terça (14) em Piripiri. A polícia não sabe dizer se estes crimes estariam ligados, mas Denilson não chegou a vir a óbito. Ele foi socorrido e encaminhado ao pronto socorro do Hospital Regional Chagas Rodrigues.

A PM fez buscas durante a manhã, mas, até o momento, nenhuma prisão foi efetuada com relação ao caso.

13 de maio de 2019

'Muitas vezes a população quer', diz coronel sobre agressões a suspeitos

'Muitas vezes a população quer', diz coronel sobre agressões a suspeitos

Comandante-geral da PM-PI afirma que tem orientado os policiais militares a evitar "ciladas" e fazer apenas o que a lei determinada.

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Lindomar Castilho, disse nesta segunda-feira (13) que os três policiais militares que foram detidos por terem agredido um adolescente já foram colocados em liberdade pelo Poder Judiciário, mas permanecerão afastados das ruas enquanto o caso é investigado.

Lindomar também afirmou que a Corregedoria da Polícia Militar agiu prontamente, assim que foi informada sobre o episódio.

O caso ganhou grande repercussão no último fim de semana,  quando começou a circular nas redes sociais e nos aplicativos de mensagens o vídeo em que o adolescente é agredido por dois dos três policiais envolvidos na ocorrência.

"Nós tomamos conhecimento sobre esse fato no fim de semana. Tão logo tomou conhecimento, o corregedor determinou que o plantão fosse até onde estavam os policiais [envolvidos]. Eles estavam na Central de Flagrantes com o menor que havia sido apreendido. E, diante das imagens, bem como do que foi apurado no momento, não houve outra medida que não fosse realizar o flagrante dos policiais. Infelizmente, essa é uma atitude da qual nós temos reclamado com os policiais, mas continua ocorrendo. Então, a Corregedoria tomou as providências, comunicou o flagrante ao juiz plantonista, que homologou o flagrante, mas colocou os policiais em liberdade. E eles estão afastados, aguardando a solução definitiva do caso", afirma Lindomar Castilho.

O coronel Lindomar Castilho, comandante-geral da Polícia Militar do Piauí (Foto: Natanael Souza / O DIA)

Segundo o comandante, parte da sociedade incentiva os policiais militares a agredirem suspeitos de terem cometido crimes, mas sempre quem se prejudica são apenas os PMs, avalia o coronel.

"Nós temos um procedimento operacional padrão. Todo policial, em sua formação nas academias, ele aprende como deve fazer a abordagem, como deve conduzir uma ocorrência. Em qualquer excesso como esse que foi verificado, o policial sabe que está errado e que vai responder. Eu tenho dito muito para os policiais serem inteligentes e não cometerem atos como este, porque vão responder depois. Muitas vezes a população quer [que suspeitos sejam agredidos], e fica instigando os policiais a fazerem aquilo. Depois, todo mundo desaparece e ficam os policiais sozinhos respondendo aquela bronca. Então, eu tenho orientado os policiais para não caírem nessa esparrela. Eu acho que isso é uma cilada e digo que eles devem ter cuidado, devem fazer só o que manda a lei: aborda, dá voz de prisão, imobiliza, se for o caso, e conduz à autoridade. Pronto. Nosso papel é esse", conclui o comandante-geral.

Em menos de 24h, cinco homicídios são registrados no Piauí

Em menos de 24h, cinco homicídios são registrados no Piauí

Quatro casos ocorreram nas zonas Leste e Sul de Teresina e o quinto aconteceu no município de Cocal dos Alves, onde um homem matou o próprio primo.

O final de semana foi violento na capital e interior do Piauí. Isto por que em menos de 24 horas, foram registrados cinco homicídios no Estado, sendo quatro nas zonas Leste e Sul de Teresina e o quinto no município de Cocal dos Alves, que fica a cerca de 118 Km da capital. 

O caso mais recente foi registrado nas primeiras horas da manhã desta segunda-feira (13). Um homem foi encontrado morto em uma praça no Parque Mão Santa, em Teresina. A Polícia Militar ainda está no local, realizando diligências para descobrir a motivação e o suspeito.

Antes desse, na madrugada do domingo (12), um morador de rua, identificado apenas como Paulo, foi assassinado a tiros no bairro Macaúba, zona Sul de Teresina.  Segundo a Polícia Militar, o crime teria relação com o tráfico, uma vez que Paulo seria usuário de drogas e estaria em dívidas. 


Foto: Arquivo O Dia

Por volta das 10 horas da manhã de ontem (12), a PM foi acionada novamente para atender a outra ocorrência de homicídio, dessa vez no Parque Vitória. Um homem identificado como Paulo César Alves de Oliveira foi morto também a tiros, próximo a um depósito. De acordo com o capitão Paulo Silas, comandante da 2ª Companhia de Policiamento do Promorar, Paulo César era detento a Penitenciária Major César e estaria solto devido à saída temporária do Dia das Mães. 

“O crime tem características de execução e há possibilidade de ter sido praticado por algum desafeto, mas isso só a investigação vai dizer. O fato é que os tiros foram direcionados a ele e nenhum pertence de valor material foi levado, algo que poderia caracterizar o latrocínio”, explicou o capitão.

Já durante a tarde deste domingo (12). Um homem, identificado apenas como Bruno, de 21 anos, foi assassinado dentro de uma casa de eventos no bairro Pedra Mole.  De acordo com o major Marcelo Barros, o jovem chegou a ser encaminhado para um hospital, mas morreu no local. Com a vítima foi encontrado uma certa quantia de drogas. 


Foto: Arquivo O Dia

“Testemunhas relataram que o homem estava fugindo de vários homens que estavam armados, ele entrou no estabelecimento e foi alvejado com vários tiros. Não sabemos a motivação e nem quantos homens estão envolvidos neste homicídio”, disse.

As investigações das mortes na Capital ficarão a cargo da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Homem é assassinado pelo próprio primo no interior

Além dos quatro homicídios registrados em Teresina, o final de semana também foi violento no interior do Piauí. Na cidade de Cocal dos Alves, mais precisamente na localidade Carnaubal, um homem de 40 anos foi assassinado pelo próprio primo após uma discussão na saída de um bar. O caso ocorreu na noite de ontem (12). A vítima foi identificada como sendo Jair de Araújo Fontenele e foi atingida com uma facada na região do abdome.

“Nós não sabemos o paradeiro do acusado nem o que teria motivado o crime, mas acreditamos que os dois estivesse sob efeito de álcool e a briga tomou proporções fora de controle. O acusado desferiu o golpe contra o próprio primo e se evadiu do local”, explicou o soldado Dacyelson, da 2ª Cia do 2º BPM de Cocal dos Alves.

Um senhor, de 40 anos, Identificação da vítima: Jair de Araújo Fontinele. O crime ocorreu eles não souberam relatar o motivo, eles estavam juntos, deve ter ocorrido alguma discussão entre os dois. Arma branca, o acusado é primo da vítima. Localidade Carnaubal, na zona Rural. Soldado Dacyelson.

12 de maio de 2019

11 de maio de 2019

10 de maio de 2019

Dupla tenta assaltar em parada de ônibus, é alvo de atirador e um morre

Dupla tenta assaltar em parada de ônibus, é alvo de atirador e um morre

Uma terceira pessoa que estava na parada também foi baleada, mas não corre risco de morte.

Dois homens suspeitos de realizar assaltos foram baleados por volta das 13 horas desta sexta-feira (10), no bairro Mocambinho, zona norte de Teresina.

Um dos suspeitos foi identificado como Antônio Jorge de Sousa. Ele foi baleado no abdômen, mas chegou consciente e orientado ao Hospital de Urgência de Teresina Professor Zenon Rocha (HUT). Ele realizou alguns exames e deve passar por uma cirurgia.

O outro suspeito baleado não resistiu aos ferimentos e morreu no HUT. Sua identidade não havia sido revelada até a conclusão desta matéria.

Segundo a Polícia Militar, a dupla iria assaltar algumas pessoas que estavam numa parada de ônibus do bairro, mas os suspeitos teriam sido surpreendidos por um homem que estava armado e que começou a efetuar disparos contra a dupla.

Os suspeitos chegaram a empreender fuga, mas ambos foram atingidos. Um deles tombou na quadra 28, e o outro, na quadra 7.

De acordo com o tenente Barbosa, do 9º Batalhão da PM-PI, ao efetuar os disparos contra os suspeitos, o atirador acabou atingindo também uma pessoa inocente que estava na parada de ônibus. 

Os dois suspeitos estavam numa motocicleta Honda CG 125 Fan vermelha sem placa. 

Ainda segundo o tenente Barbosa, a pessoa inocente ferida foi baleada no pé direito e não corre risco de morte, tendo sido encaminhada para o Hospital do Buenos Aires, na zona norte.

Polícia recupera mais de R$ 94 mil de assalto a bancos em Campo Maior

Polícia recupera mais de R$ 94 mil de assalto a bancos em Campo Maior

A operação para desarticular a quadrilha responsável pelo ataque resultou em oito armas de fogo apreendidas, seis veículos recuperados, nove mortos e seis presos.

As Polícias Civil e Militar encerraram nesta sexta (10) a operações para desarticular a quadrilha responsável pelos ataques ás agências do Bradesco, do Banco do Brasil e da Caixa Econômica de Campo Maior. No total, foram recuperados R$ 94.120,00 dos cerca de R4 229 mil que os bancos informaram às autoridades terem sido subtraídos. Cada um dos suspeitos presos e neutralizados (mortos) guardavam em média R$ 13 mil do valor roubado. A estratégia de dividir o montante, segundo a polícia, daria menos prejuízo ao bando em casos de prisões dos participantes.


Foto: Assis Fernandes/O Dia

A ação terminou com nove pessoas mortas em abordagens policiais e mais seis pessoas presos. Os mortos foram identificados como: Antônio Paulo de França, conhecido como Paulo Madruga, natural de Uberlândia; Weverson de Oliveira Marçal, natural de Uberlândia; Anderson de Freitas Brazão, natural de Uberlândia; Jean Gustavo Silva, natural de Uberlândia; Tiago Luiz Alves, natural de Uberlândia; Maicon Humberto de Sousa Nascimento, natural de Uberlândia; Igor da Silva Lima, natural de Uberlândia; Lucas Oliveira de Brito, também de Uberlândia; e Raimundo, também mineiro da cidade de Uberlândia.


Foto: Assis Fernandes/O Dia

Já os presos foram identificados como sendo Dyego Harmando Cardoso Rocha, Hassan Rufino Borges Prado Aguiar, Emerson Souza da Silva, Vinícius Pereira da Silva Júnior, Josenverton dos Santos Sousa e Pedro Henrique Oliveira Moura. O líder do grupo foi apontado como sendo Paulo França, que foi morto na ação. De acordo com o delegado Thales Gomes, coordenador do Greco (Grupo de Repressão ao Crime Organizado), ele já atuava no Piauí desde 2003, quando praticava pequenos assaltos a residências e estabelecimentos comerciais.

“Ele atuou inclusive nos ataques seguidos a caixas eletrônicos ocorridos aqui em Teresina em 2017. Era o líder da organização criminosa e cooptava pessoas especializadas nisso para fazer ações mais robustas. Se ele tivesse permanecido preso desde quando explodiu aquelas agências em Teresina, hoje ele provavelmente já estaria no semiaberto”, explicou o delegado.

As investigações que apontaram uma possível atuação do bando de Paulo começaram ainda na Semana Santa, quando a polícia recebeu denúncias sobre a movimentação suspeitas de veículos entre as cidades nas cercanias de Campo Maior. Os policiais ainda tentaram uma abordagem na ocasião, mas a ação não foi bem sucedida. No entanto, a partir das informações colhidas, foi possível traçar uma estratégia de ação para conseguir desarticular o grupo criminoso após os ataques.


Foto: Assis Fernandes/O Dia

Outras apreensões

Além das seis prisões e nove mortes, a operação contabiliza ainda quatro veículos apreendidos pela Polícia Civil e mais dois apreendidos pela Polícia Federal; seis coletes balísticos recuperados; 411 munições, sendo a grande maioria de grosso calibre, também recuperadas; 22 carregadores de munições; três fuzis e mais cinco pistolas apreendidas.  Os agentes federais que participaram da ação conseguira apreender também cinco explosivos em metalon, aqueles fabricados especialmente para detonar caixas eletrônicos e estruturas metálicas como as dos cofres.

Populares podem responder por roubo

Com relação aos valores apreendidos, a Secretaria de Segurança fez um esclarecimento. Do montante que os bancos informaram ter sido subtraído – R$ 229 mil – foram recuperados R$ 94.120,00. O restante do dinheiro estaria escondido ainda em local desconhecido e uma outra acabou ficando embaixo dos escombros das agências bancárias após as explosões. Segundo o secretário Fábio Abreu, a polícia só conseguiu isolar as agências e preparar o espaço para perícia depois de algumas horas do ocorrido e nesse meio tempo, os populares tiveram acesso aos locais.


Secretário de Segurança Fábio Abreu - Foto: Assis Fernandes/O Dia

“As pessoas tiveram acesso inclusive ao dinheiro que ficou embaixo dos escombros nas agências e tudo aponta para que tenha havido uma subtração de valor. Isso vai ser devidamente investigado pelo Greco, mas se necessário, haverá punição pela lei quanto a isso”, disse. O coordenador do Greco, delegado Tales, acrescentou na fala do secretário que se comprovado que houve má fé e subtração de valores por parte dos populares, os responsáveis devidamente identificados poderão responder por crime de roubo.

Planejamento

A partir da operação de Campo Maior, as Polícias Civil e Militar traçarão um planejamento estratégico para atuar mais diretamente no combate a este tipo de crime. O comando da PM explicou que será feito um estudo de caso do ocorrido, seguido de treinamentos das tropas para atuar na linha de frente das abordagens de quadrilhas envolvidas em ataques a bancos no Piauí.

Irmão são presos acusados de envolvimento no roubo de Campo Maior

Irmão são presos acusados de envolvimento no roubo de Campo Maior

Delson Ferreira de Moura e Demilson Ferreira de Moura eram donos da casa onde todo o crime foi planejado. Bando usava a propriedade para preparar os explosivos.

Dando continuidade à operação para desarticular o bando que explodiu e roubou três agência bancárias em Campo Maior no último dia 29 de abril, a Polícia Militar prendeu nesta sexta-feira (10) mais duas pessoas. Trata-se dos irmãos Delson Ferreira de Moura, 29 anos, e Demilson Ferreira de Moura, 26 anos. Eles estavam escondidos na casa de uma tia na cidade de Inhuma e, segundo a polícia, teria parentesco com o líder da organização criminosa, Paulo França, que foi morto durante abordagem policial em Barras.

Delson e Demilson chegaram a Inhuma após fugirem da localidade Conceição, na zona Rural de São João da Canabrava. As investigações apontaram que eles são os proprietários da chácara onde toda a ação em Campo Maior foi planejada e Demilson chegou a confessar que receberia uma compensação financeira pela cessão da casa e ajuda na logística do crime.


Os irmão Delson e Demilson foram presos em Inhuma - Foto: Divulgação/SSP-PI

Após a prisão, a polícia fez uma diligência na propriedade dos irmãos, situada na localidade Sítio Velho, e lá encontraram explosivos, rádios comunicadores, cordéis detonantes e rojões. Para a PM, ficou constatado que o local era onde os criminosos retiravam a pólvora para a montagem dos explosivos usados nos caixas eletrônicos e cofres.


Material apreendido na casa onde o crime foi planejado - Foto: Divulgação/SSP-PI

“Após localizarmos a propriedade e apreendermos o veículo modelo Corolla roubado em Teresina e os demais artefatos utilizados para a explosão dos bancos, continuamos as diligências em busca de mais pessoas envolvidas no crime”, foi o declarou o comando da Companhia de Valença. Todo o material apreendido foi encaminhado, junto com os presos, para a Delegacia Regional do município.

Operação

Com as prisões de Delson e Demilson, sobe para oito o número de detidos na operação para desarticular a quadrilha responsável pelos ataques às agências bancárias de Campo Maior. Os outro seis presos teriam participação indireta no crime, dando apoio logístico e traçando rotas de fugas para os criminosos que agiram diretamente nas explosões aos aos bancos. Dentre os que foram presos está Hassan Prado, filho do ex-coronel e ex-comandante da Polícia Militar do Piauí, Francisco Prado, que faleceu em 2015. Além dos detidos, nove suspeitos de participarem da quadrilha foram mortos em abordagens policiais que resultaram em troca de tiros nas cidades de Cocal e Barras.


Leia também:

Bando explode três agências bancárias simultaneamente em Campo Maior 

Campo Maior: BB ficou com estrutura comprometida e pode ser demolido 

Viaturas da PM tem pneus furados durante perseguição a quadrilha 

Campo Maior: Secretaria divulga nomes dos mortos em confronto com a polícia 

Campo Maior: filho de ex-comandante da PM está entre os presos 

Campo Maior: foragidos com reféns estavam vindo para Teresina  

Polícia confirma mais uma morte de suspeito de roubo a bancos 

Seis suspeitos de assaltos a agências de Campo Maior são mortos 



Ex-militar e ex-funcionário de banco são presos por estupro no Piauí

Ex-militar e ex-funcionário de banco são presos por estupro no Piauí

Vítimas foram as filhas dos acusados. Prisões fazem parte da Operação Indignus, deflagrada pela Polícia Civil. São cumpridos 11 mandados.

A Polícia Civil deflagrou nas primeiras horas da manhã de hoje (10) uma operação para cumprir 11 mandados de prisão contra acusados de estupro na Capital e no interior. Até o momento, nove pessoas já foram detidas em Teresina e no município de Piracuruca. Até o momento, a Secretaria de Segurança divulgou o nome de sete presos: Leandro da Silva Martins, Jesus James dos Santos Gomes, Ismael da Silva, Francisco Carlos Mesquita de Morais, Francisco das Chagas Escórcio de Meneses, Francisco Darlan Sales da Silva e um conhecido como Wiliam Naguin.

De acordo com o delegado Willame Morais, titular da Divisão de Captura da Polícia Civil, entre os detidos está um ex-militar e o ex-funcionário do Banco do Brasil que já estavam inclusive sentenciados pela Justiça.


DelegadoWillame Morais, coordenador da Divisão de Capturas - Foto: Poliana Oliveira/O Dia

Segundo ele, o ex-militar é condenado pelo crime de estupro praticado contra a filha menor de idade e foi condenado a cumprir uma pena de 15 anos de prisão pelo delito. Do mesmo jeito, o ex-funcionário do Banco do Brasil , que foi preso em Piracuruca, já havia sido sentenciado e era foragido da Justiça por ter estuprado também as próprias filhas menores de idade. Com relação ao funcionário do banco, a polícia informou que ele já teria um plano de fuga da cidade de Piracuruca e, por isso, sua prisão acabou tendo que ser adiantada.


Fotos: Divulgação/Polícia Civil

“Boa parte dos crimes pelos quais os acusados respondem foram cometidos quando as vítimas ainda eram menores de idade. Trata-se de pessoas que, de certa forma, já eram conhecidas das vítimas ou que tinha algum convívio com elas. Nossas equipes estão todas em campo e a previsão é que até o final da manhã todos os 11 mandados sejam cumpridos. Queremos dar agilidade a isso, porque são mandados antigos e se trata, o estupro, de um crime hediondo”, explica o delegado.

Os presos estão sendo encaminhados para a Delegacia Geral para os procedimentos legais.

O nome da operação

O nome da operação Indignus significa "indigno de perdão" em latim. De acordo com o delegado Willame Morais, por se tratar de um crime hediondo, o estupro é considerado um ato gravíssimo e seus autores não merecem condescendência aos olhos da lei.

09 de maio de 2019

Filho do prefeito Firmino é preso pela PRF por dirigir alcoolizado

Filho do prefeito Firmino é preso pela PRF por dirigir alcoolizado

Após ser dada ordem para que o condutor desembarcasse do veículo, ele se evadiu do local, desobedecendo a determinação dos agentes.

O filho do prefeito Firmino Filho (PSDB) e da deputada Luci Soares (Progressistas) foi preso pela Polícia Rodoviária Federal pouco depois do meio-dia desta quinta-feira (9), no município de Piripiri, na altura do km 198 da BR 343.

Bruno Silveira, de 21 anos, estava num veículo modelo Jeep Renegade e foi abordado por agentes durante fiscalização de rotina. Segundo informou a PRF, por meio de nota, após ser dada ordem para que o condutor desembarcasse do veículo, ele se evadiu do local, desobedecendo a determinação dos agentes.

A PRF, então, fez o acompanhamento tático do veículo até a devida abordagem. Ainda de acordo com a PRF, o condutor apresentava indícios de ingestão de bebida alcoólica e se recusou a realizar o teste do etilômetro.

Por conta da negativa em realizar o teste, os policiais rodoviários confeccionaram um termo de constatação, e um laudo médico indicou o uso de bebidas alcoólicas.

Bruno foi enquadrado no artigo 330 do Código Penal (desobediência a ordem legal de funcionário público) e no artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro (conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa que determine dependência). 

A pena para o primeiro crime é de detenção de 15 dias a seis meses, e multa. Enquanto para o crime de trânsito citado a pena é de detenção de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor.

Bruno Silveira foi conduzido à delegacia de Polícia Civil da cidade de Piripiri.

Somente em 2019, 19.702 pessoas foram submetidas ao teste do etilômetro nas rodovias federais do estado do Piauí, sendo que 385 foram autuadas e 80 foram detidas por estar conduzindo veiculo automotor sob a influência de álcool.

Prefeito diz que não vai se manifestar

Por meio de nota, a assessoria do prefeito Firmino Filho informou que "ele não vai se pronunciar sobre o ocorrido, pois trata-se de uma questão pessoal e familiar”.

Polícia confirma mais uma morte de suspeito de roubo a bancos

Polícia confirma mais uma morte de suspeito de roubo a bancos

Identificado apenas como Raimundo, ele foi morto pela polícia durante abordagem em um sítio na BR-343. Ao todo já são seis presos e nove mortos na operação.

A Secretaria de Segurança confirmou mais uma morte de suspeito do assalto às agências bancárias de Campo Maior durante a manhã de hoje (09). Com esse óbito, sobe para nove o número de mortos na operação para desarticular a quadrilha responsável pelo crime. Em uma semana de ação, já foram presas seis pessoas acusadas de participar direta e indiretamente do roubo ocorrido no dia 29 de abril.

O suspeito que morreu na manhã de hoje foi atingido por tiros durante abordagem da Polícia Militar e da Polícia Civil ocorrida na localidade do sítio Mangaratiba, na rodovia BR-343, entre Altos e a capital Teresina.  Ele foi identificado apenas como Raimundo. Com ele, foi apreendida uma arma de fogo e uma quantia em dinheiro.

De acordo com o secretário de segurança, capitão Fábio Abreu, com todos os suspeitos mortos nas abordagens, a polícia apreendeu pelo menos R$ 10 mil. “Nós acreditamos que eles tenham dividido o montante do roubo, mas que a maior parte possa estar enterrada ou escondida em outro local”, explicou.

Ainda ontem, a polícia estava no encalço de três foragidos. Dois deles furaram uma barreira da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na BR-343, próximo a Campo Maior e levavam reféns dentro do veículo. Os cinco passageiros foram libertados, mas os suspeitos conseguiram escapar e no meio da fuga, abandonaram o veículo em que estavam e roubaram outro carro. As buscas estavam sendo feitas próximo ao povoado Cacimba Velha, na zona Rural de Teresina. 

Além destes dois, um terceiro suspeito estava sendo perseguido na região de Cocal, onde, na semana passada, a polícia atingiu e matou seis suspeitos  de participação nos roubos de Campo Maior.

08 de maio de 2019

Campo Maior: foragidos com reféns estavam vindo para Teresina

Campo Maior: foragidos com reféns estavam vindo para Teresina

Segundo o delegado-geral, a família de um deles chegou a procurar a polícia, afirmando que o suspeito estava debilitado e tinha a intenção de se entregar.

Atualizada às 12h57min

Em conversa com a reportagem de O Dia, o delegado geral de Polícia Civil, Lucci Keikko, disse que o foragido identificado como Marcelo Negão é considerado um criminoso de alta periculosidade. Marcelo, segundo o delegado, é piauiense e teria sido quem arregimentou os participantes de outros estados para participarem dos ataques às agências bancárias de Campo Maior. A polícia pediu inclusive a ajuda da população para se souber onde Marcelo Negão possa estar, que informe por denúncia que a identidade será mantida em sigilo.

Ainda segundo Lucci Keikko, ontem, a família de Marcelo chegou a procurar a Delegacia Geral, pedindo que a polícia aliviasse mais o cerco, alegando que o suspeito estaria escondido em um matagal, debilitado e que queria se entregar. "Na verdade não foi isso que aconteceu. Ele roubou um veículo, manteve reféns e rompeu uma barreira da polícia. Daí você percebe o perigo que ele representa para a sociedade", explica o delegado.


Delegado geral Lucci Keikko - Foto: Assis Fernandes/O Dia

Quem também comentou a ação de hoje com os foragidos de Campo Maior foi secretário Fábio Abreu, que afirmou que eles estariam fugindo em direção a Teresina, quando foram abordados na barreira da PRF. "Não conseguiram entrar na cidade e agora estão cercados na região da Expoapi e na região da Cacimba Velha fechando esse cerco. Há informação também de que eles tenham se divido e um tenha descido do veículo. Estamos nos dividindo para cobrir um perímetro e impedir que esses suspeitos cheguem mais perto da cidade", explica o secretário.

Iniciada às 09h33min

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) libertou cinco pessoas que estavam sendo feitas de reféns por dois suspeitos de envolvimento com o assalto aos bancos da cidade de Campo Maior, que ocorreu no último dia (30). A liberação ocorreu durante uma abordagem no Km 333, da BR-343, em Teresina, nas primeiras horas desta quarta-feira (08). 

De acordo com a PRF, havia sete pessoas dentro do veículo. Ao serem abordados, os suspeitos pararam o carro e logo após os cinco ocupantes descerem, o condutor e o passageiro fugiram do local. Na tentativa de pará-los, os agentes chegaram a atirar contra o veículo. 

Os fugitivos foram identificados como Marcelo Pimentel Cunha Nery, piauiense, também conhecido como Marcelo Negão, e um outro passageiro identificado Raimundo, do estado de Minas Gerais. 

O Inspetor da PRF, Alexsandro Lima, conta que durante a perseguição os suspeitos se separaram. "Um deles fugiu conduzindo o veículo, que foi tomado de assalto e o outro fugiu a pé pelo matagal. No momento, os reféns estão prestando depoimentos à Polícia Civil", disse. 

A PRF, em conjunto com a Polícia Civil, perseguiu os suspeitos, porém, minutos depois eles roubaram outro veículo e conseguiram empreender fuga. A polícia conseguiu recuperar o primeiro carro, que foi roubado no município de Barras, localizado na região Norte do Piauí. 




Wellington Dias destaca principais metas do governo

Wellington Dias destaca principais metas do governo

O chefe do Executivo também cobrou metas dos novos gestores e defendeu investimentos privados para projetos.

Um dia após a posse da sua nova equipe administrativa, o governador Wellington Dias (PT) realizou, na manhã desta terça-feira (7) a primeira reunião com os gestores para apresentar os principais eixos do plano de governo, bem como as metas e os desafios deste que é o seu quarto mandato à frente do Estado.

A intenção é, a partir de sete eixos estratégicos de atuação estabelecidos, agir dentro da legalidade, seguir com a capacidade de investimentos, controlar despesas e de contratação de pessoal para, ao término da sua gestão, fazer com que o Piauí alcance um melhor patamar no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

“Ao completar essas medidas, teremos como resultado as condições de equilíbrio do Estado, de olhar para frente e trabalhar as condições de investimento, tendo a perspectiva de seguir avançando com vista nesse equilíbrio. Assim, no futuro poderemos conseguir parcerias com a União, além de fazer convênios, tomar um financiamento ou um crédito e, garantir condições de investimentos com receita própria”, disse o governador.

Diante da situação financeira do governo, Wellington Dias afirmou que deve continuar apostando nas Parceria Público-Privadas (PPP) para garantir os investimentos necessários que possibilitem uma melhor qualidade de vida aos piauienses.

“Continuar atraindo investimentos puramente privados para as áreas que temos grande potencial. Então, o tom daqui para a frente é muito trabalho, gerar atividade econômica, gerar emprego e renda, fazer com que um conjunto de ações do Estado possam impactar em desenvolvimento”, destacou Wellington.

07 de maio de 2019

Motorista por aplicativo sofre abordagem truculenta de policiais à paisana

Motorista por aplicativo sofre abordagem truculenta de policiais à paisana

Com receio de estar sendo alvo de bandidos, motorista tentou fugir e foi perseguida pelos policiais, que estavam num carro descaracterizado.

Uma mulher que trabalha como motorista de transporte privado individual por aplicativo foi abordada na noite da última segunda-feira (6) de forma truculenta por policiais à paisana.

Segundo a motorista, que pediu para não ter a identidade revelada, ela começou a ser perseguida por um veículo descaracterizado modelo Gol de cor branca e sem placa, no qual estariam os policiais à paisana.

Tudo ocorreu por volta das 23 horas, quando a mulher estava trafegando pela Rua Dr. Josué Moura Santos, na altura do Residencial Nova Teresina, na região da Grande Santa Maria, zona norte da capital.

A motorista relata que pensou que os homens que estavam no Gol seriam bandidos e, por esta razão, passou por uma rotatória três vezes seguidas, para tentar despistá-los. 

Perseguição a motorista por aplicativo teve início em rotatória situada próximo ao Residencial Nova Teresina (Imagem: Google Maps)

Logo após, os policiais à paisana efetuaram um disparo, possivelmente por terem suspeitado que no carro da motorista havia criminosos, não uma trabalhadora.

Assustada com o disparo, a motorista começou a trafegar em alta velocidade, e a pedir ajuda para outros motoristas de aplicativo. Um deles, inclusive, estava nas imediações no momento do incidente, e começou a acompanhar a colega, quando eles ainda suspeitavam que havia bandidos dentro do Gol branco.

Os policiais à paisana iniciaram, então, uma perseguição aos dois motoristas, que se estendeu por cerca de oito quilômetros, e só teve fim no bairro Poti Velho, quando os motoristas encontraram uma equipe do Batalhão de Rondas Ostensivas de Natureza Especial (BPRone), esta sim num veículo caracterizado da Polícia Militar.

No trajeto entre o Residencial Nova Teresina e o bairro Poti Velho os dois motoristas por aplicativo, bem como os policiais que os perseguiram no carro descaracterizado, chegaram a trafegar acima dos 100 km/hora. Todo o trajeto foi percorrido em menos de dez minutos.

Depois de pararem seus carros, a mulher e seu colega identificaram-se como motoristas de aplicativo e, mesmo assim, receberam ordens dos policiais da BPRone para se deitarem ao chão com as mãos para trás.

A motorista relata que os policiais que estavam no carro descaracterizado ainda efetuaram um segundo disparo, que atingiu um dos pneus do seu veículo.

"Nós pensávamos que eles eram bandidos e eles pensavam que nós éramos bandidos. Mas nada justifica a forma como eles nos abordaram. Quando encontramos a outra viatura, do BPRone, achávamos que seríamos auxiliados, mas fizeram foi mandar que deitássemos no chão, mesmo depois de termos nos identificado como motoristas de aplicativo. É como irmos a um hospital porque estamos doentes e, em vez de receber cuidados, sermos agredidos", afirma a motorista, que diz estar com medo de continuar trabalhando neste tipo de serviço. "Quem é para nos proteger, ameaça!", acrescenta.

A motorista considera que a abordagem feita pelos policiais foi completamente equivocada. Ela afirma que qualquer pessoa teria medo ao trafegar numa região isolada e perceber que está sendo seguida por um veículo com vários homens em seu interior. "Eu, sozinha dentro do carro, ainda mais sendo mulher, claro que só pensei em fugir. E a sorte é que havia um colega por perto, senão meu pânico teria sido maior", afirma a trabalhadora, acrescentando que seu pavor aumentou depois que os policiais efetuaram um disparo.

Anthero Nunes, que é diretor da Associação dos Motoristas Autônomos para Transporte Privado Individual e Passageiros no Piauí (Amatepi), pondera que em casos como este os trabalhadores só podem recorrer à imprensa e á própria sociedade. "Como nós vamos registrar queixa na Polícia contra a própria Polícia?", questiona. 

Policiais à paisana deixaram local sem pedir desculpas

A mulher revela que, depois de terem constatado que ela e seu colega não eram criminosos, os policiais à paisana deixaram rapidamente o local, sem sequer pedir desculpas pela abordagem inapropriada que fizeram.

A motorista afirma que um motorista da equipe do BPRone foi quem trocou se pneu, que havia sido furado pelo disparo efetuado por um dos policiais à paisana. "Ao final de tudo, um dos policiais da Rone pediu desculpas, me cumprimentou, apertando minha mão, e foram embora", conclui.

Nave espacial da Nasa colidirá com pequena lua em 2022

Nave espacial da Nasa colidirá com pequena lua em 2022

Uma campanha internacional está agora fazendo observações, usando telescópios poderosos em todo o mundo para entender o estado do sistema de asteroide..

A agência espacial norte-americana (Nasa) revelou, nessa segunda-feira (6), detalhes sobre seu plano de atingir, com uma nave espacial, em 2022, um pequeno alvo lunar em um sistema de duplo asteroide - sua primeira missão de demonstrar uma técnica de defesa planetária.O Didymoon, ou Didymos B, é um asteroide lunar com cerca de 150 metros de altura orbitando um corpo maior, o Didymos A, o asteroide mais acessível de seu tamanho.

Uma campanha internacional está agora fazendo observações, usando telescópios poderosos em todo o mundo para entender o estado do sistema de asteroide.

"O sistema Didymos é muito pequeno e muito longe para ser visto como algo maior que um ponto de luz, mas podemos obter os dados que precisamos, medindo o brilho desse ponto de luz, que muda conforme Didymos A gira e Didymos B em órbita", disse Andy Rivkin, um dos coordenadores da equipe de investigação.

Os pesquisadores ainda não têm certeza sobre a composição do alvo: se é composto de rocha sólida, entulho solto ou areia "mais macia". Uma superfície mais macia absorveria grande parte da força de impacto e não pode ser empurrada tão drasticamente como uma nave espacial que atingisse uma superfície mais dura.


Foto: Divulgação/Nasa

A equipe da Nasa verá de perto o sistema de asteróides graças a um gerador de imagens italiano. O satélite cubo, do tamanho de uma caixa de sapatos, registrará o impacto da nave espacial e suas consequências.

A nave, chamada Teste de Redirecionamento de Asteroide Duplo (Dart, na sigla em inglês) levará um sistema de navegação ótica para capturar imagens que ajudarão a nave espacial a atingir seu alvo.

Em seu projeto mais recente, a Dart poderá se mover com o auxílio de pequenos propulsores de hidrazina, enquanto utiliza o sistema de propulsão elétrica, que empurrará o início da janela de lançamento principal para julho de 2021, encurtando o tempo de voo da missão. A previsão anterior de lançamento era dezembro de 2020.

A nave espacial Dart se chocará contra o asteroide a uma velocidade de aproximadamente seis quilômetros por segundo. A colisão mudará a velocidade da lua em sua órbita ao redor do corpo principal em uma fração de 1%, o suficiente para ser medida usando telescópios na Terra.

Campo Maior: sexto suspeito de roubo é preso com identidade falsa

Campo Maior: sexto suspeito de roubo é preso com identidade falsa

Segundo a polícia, o homem estava armado com um fuzil e fez uma família refém enquanto tentava fugir para o Ceará.

A polícia prendeu na noite desta segunda-feira (06), o sexto suspeito de envolvimento no assalto as agências bancárias do município de Campo Maior, que ocorreu na última terça-feira (30). O homem foi identificado como Pedro Henrique Oliveira Moura, que no momento da abordagem estava usando uma identidade falsa de nome Silas Teixeira. Ele foi localizado na divisa entre os estados do Piauí e Ceará.

De acordo com a Secretária de Segurança do Piauí (SSP), o suspeito que é natural de Minas Gerais, estava em posse de um fuzil e fez uma família refém enquanto tentava fugir para o estado cearense. Na operação policial, até o momento, oito pessoas morreram e seis foram presas suspeitos de assaltar o Bradesco, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica no município do Campo Maior, localizado a 83 km da capital.

Além deste, outras cinco pessoas foram presas por envolvimento no crime, um deles foi reconhecido como Hassan Rufino Borges Prado Aguiar, filho de um ex-coronel e ex-comandante da Polícia Militar do Piauí. Junto com ele estavam, Dyego Harmando Cardoso Rocha, Emerson Souza da Silva, Vinícius Pereira da Silva Júnior e Josenverton dos Santos Sousa.  Os presos foram pegos no município maranhense de Chapadinha.

Os outros seis suspeitos foram mortos durante a operação policial  nas proximidades de Cocal dos Alves, município que fica no norte do Estado, na madrugada deste domingo (05).  As outras duas mortes só foram confirmadas na manha desta segunda-feira (06). Na manhã desta terça-feira, a Secretária de Segurança do Piauí (SSP) retificou a informação anterior de que nove pessoas teriam sido mortas durante a operação policial. A SSP confirmou oito mortes até o momento. 

Ataque a outros bancos

De acordo com o coronel Márcio Oliveira, a suspeita de que os criminosos tinham outro ataque a banco em mente,  que se confirmou pela quantidade de explosivos que o grupo tinha montada e preparada para ser usada. “Haviam pelo menos oito explosivos prontos para serem detonados, tinha também dinamites com metalon, geralmente usados em caixas eletrônicos, e explosivos com ímãs, que são usados para explodir cofre fortes.  Eles estavam também fortemente armados, todos com coletes balísticos e fuzis”, explica o coronel.

Márcio Oliveira se refere ao grupo que foi desarticulado na região de Barras e Batalha. Com eles, a polícia apreendeu dois fuzis, sendo um AK47 Russo e um MK Americano, além de seis pistolas, sendo cinco nove milímetros e uma Ponto 40 e armas que disparavam automaticamente. O possível ataque que eles fariam em cidades próximas a Piracuruca foi frustrado pela ação da polícia ainda no final de semana. 


06 de maio de 2019

Polícia do Ceará enviou helicóptero e guarnições para ajudar nas buscas

Polícia do Ceará enviou helicóptero e guarnições para ajudar nas buscas

Policiais do Comando Tático Rural foram acionados para auxiliar nas prisões ocorridas na região de Cocal.

A Polícia Militar do Ceará deu apoio à Polícia Piauiense nas buscas aos suspeitos de terem explodido três agências bancárias em Campo Maior na última terça-feira (29). O estado vizinho enviou ao Piauí uma aeronave e três guarnições do COTAR (Comando Tático Rural), que é especializado em fazer incursões na mata. Os policiais cearenses auxiliaram na ação deflagrada em Cocal, quando seis criminosos acabaram mortos.

O coronel Márcio Oliveira, comandante de operações especiais da Polícia Militar do Piauí, deu detalhes da participação das forças de segurança cearenses: “Eles reforçaram a estrutura de contenção e cerco. O Comando Tático Rural trabalhou bem próximo das nossas unidades do BPE e do RONE. Enquanto as Forças Táticas faziam as contenções, quando tínhamos um local para fazer incursão na mata, entrava em ação as equipes do BOPE, do RONE e do COTAR, com apoio da aeronave que eles nos enviaram também”, explica.


Foto: Divulgação/SSP-PI

O secretário de segurança Fábio Abreu lembra que com o envio de suas guarnições, o Ceará retribuiu a ajuda dada pelo Piauí para combater a onda de violência que se abateu sobre o estado vizinho no início deste ano. É que em janeiro passado, o Governo do Estado autorizou o envio de 20 policiais militares e 20 agentes penitenciários para atuarem no reforço da segurança no Ceará. Os militares ficaram lá por 15 dias em um acordo firmado por meio de convênio entre os dois estados.

“Numa situação de precisar, fomos retribuídos. Com esse reforço, integração das instituições, conseguimos trabalhar também a inteligência pra chegar nesse grupo criminoso e desequilibrar esta organização criminosa”, finalizou o secretário.

Além do COTAR e da aeronave cearense, também atuam nas buscas aos criminosos os Batalhões de Polícia Militar de Piripiri, Campo Maior, Piracuruca, Barras e Batalha.

Campo Maior: filho de ex-comandante da PM está entre os presos

Campo Maior: filho de ex-comandante da PM está entre os presos

Hassan Borges Prado é filho do ex-coronel Francisco Prado e teria traçado as rotas de fuga para a quadrilha. Ele foi preso com armas e drogas em Chapadinha-MA.

Os ataques às agências do Banco do Brasil, Banco Bradesco e Caixa Econômica de Campo Maior tiveram a participação de pelo menos 15 pessoas, segundo o que apontam as investigações da Polícia Civil. Dessas 15, oito morreram nos confrontos com a PM, cinco foram presos e pelo menos dois seguem foragidos.

Os presos foram pegos no município maranhense de Chapadinha e dentre eles está Hassan Rufino Borges Prado Aguiar, filho do ex-coronel e ex-comandante da Polícia Militar do Piauí, Francisco Prado. Junto com ele, foram detidos também Dyego Harmando Cardoso Rocha, Emerson Souza da Silva, Vinícius Pereira da Silva Júnior e Josenverton dos Santos Sousa. Na abordagem dos cinco foram apreendidas armas, munições e aparelhos celulares, além de entorpecentes.


Foto: Divulgação/Secretaria de Segurança Pública do Piauí

Hassan Prado, segundo a polícia, não atuou diretamente nos ataques aos bancos, mas deu apoio logístico aos criminosos traçando as rotas de fuga pelo estado. Questionado a respeito do envolvimento do filho de um PM na ação, o secretário de segurança, Fábio Abreu, falou em “não isentá-lo da responsabilidade”. 

“É cumprimento da lei. Nós temos que ser isentos e imparciais nas nossas ações. A participação dela não era direta na ação criminosa, mas ele participou do resgate e da fuga e não iremos isentá-lo de suas responsabilidades enquanto cúmplice da ação criminosa”, afirmou o secretário.

Hassan já tinha ficha policial antes mesmo de sua prisão por envolvimento na fuga dos criminosos que explodiram as agências de Campo Maior. Segundo a Polícia Civil, ele já foi preso em 2013,  suspeito de ter cometido um homicídio no município de Nazária.


Leia também:
Quadrilha se preparava para fazer mais dois assaltos a bancos no Norte do PI

Quadrilha se preparava para fazer mais dois assaltos a bancos no Norte do PI

Informação foi confirmada pelo secretário de segurança e pela Polícia Militar. Cinco já foram presos, dentre eles o filho de um ex-coronel da PM. Pelo menos três seguem foragidos.

O grupo criminoso que explodiu três agências bancárias na cidade de Campo Maior na última terça-feira (29) estava se preparando para fazer pelo menos mais dois assaltos a instituições financeiras em cidade de Norte do Piauí, mais precisamente na região de Piracuruca. A informação foi repassada pelo secretário de Segurança, Fábio Abreu, e confirmada pelo Comando de Operações Especiais da PM, por meio do coronel Márcio Oliveira.

De acordo com o coronel Márcio, a suspeita de que os criminosos tinham outro ataque a banco em mente se confirmou pela quantidade de explosivos que o grupo tinha montada e preparada para ser usada. “Haviam pelo menos oito explosivos prontos para serem detonados, tinha também dinamites com metalon, geralmente usados em caixas eletrônicos, e explosivos com ímãs, que são usados para explodir cofre fortes.  Eles estavam também fortemente armados, todos com coletes balísticos e fuzis”, explica o coronel.

Márcio Oliveira se refere ao grupo que foi desarticulado na região de Barras e Batalha. Com eles, a polícia apreendeu dois fuzis, sendo um AK47 Russo e um MK Americano, além de seis pistolas, sendo cinco nove milímetros e uma Ponto 40 e armas que disparavam automaticamente.


Coronel Márcio Oliveira, comandante de operações especiais da PM-PI - Foto: Assis Fernandes/O Dia

O possível ataque que eles fariam em cidades próximas a Piracuruca foi frustrado pela ação da polícia ainda no final de semana. Segundo a Secretaria de Segurança, o grupo estaria retornado de Cocal na tarde do sábado quando foi interceptada pelas barreiras policiais. No confronto, eles perderam um veículo e se dividiram: um grupo retornou para Cocal e o outro seguiu para Barras e Batalha. Na ação, eles perderam ainda dois veículos de fuga: um, que retornava para Cocal, ficou sem combustível, e o outro, que levava o grupo para Barras e Batalha, atolou em uma estrada vicinal.

Os suspeitos, então adentraram no matagal. Pelo menos seis do grupo que seguia para Cocal foram mortos durante a abordagem. Do grupo que seguia para Batalha, dois foram mortos na madrugada desta segunda-feira (06). Com cada um dos que morreram no confronto, a polícia encontrou a quantia de R$ 10 mil.

“Em média cada um tinha R$ 10 mil, o que nos leva a crer que eles pegaram e dividiram o dinheiro total do roubo. Entendemos também que quem ficou em Batalha estava com a quantia maior, porque em nenhum dos veículos apreendidos com o outro grupo havia o montante. Não podemos descartar, no entanto, a possibilidade de eles terem enterrado parte do dinheiro”, explica o secretário Fábio Abreu.


Secretário de Segurança, capitão Fábio Abreu - Foto: Assis Fernandes/O Dia

Filho de ex-PM está entre os presos

No total, havia pelo menos 15 pessoas envolvidas na ação: os oito que morreram, cinco presos e mais dois que seguem foragidos. Entre os presos está o filho do ex-coronel da PM, Francisco Prado. Hassan Prado, segundo a polícia, não atuou diretamente nos ataques aos bancos, mas deu apoio logístico aos criminosos traçando as rotas de fuga pelo estado. Questionado a respeito do envolvimento do filho de um PM na ação, o secretário Fábio Abreu falou em “não isentá-lo da responsabilidade”.


Leia também
Campo Maior: Secretaria divulga nomes dos mortos em confronto com a polícia

Campo Maior: Secretaria divulga nomes dos mortos em confronto com a polícia

Segundo a Polícia Militar, suspeitos de realizar assaltos a agências bancárias em Campo Maior já tinham antecedentes.

Atualização às 14h30

Por volta das 14 horas desta segunda-feira, a Secretaria de Segurança Pública confirmou que mais um suspeito de participação nos assaltos a agências bancárias de Campo Maior foi morto em confronto com a Polícia Militar.

No total, o número de suspeitos assassinados já chega a nove. 

Atualizada às 12h22min

A Secretaria de Segurança Pública divulgou, ao meio dia desta segunda (6) os nomes dos integrantes da quadrilha que foram mortos pela polícia durante ação de abordagem. São oito pessoas ao todo.

Confira as identificações: Antônio Paulo de França, vulgo Paulo Madruga, Weverson de Oliveira Marçal, Anderson Freitas Barazão, Jean Gustavo Silva, Tiago Luiz Alves, Maicon Humberto de Sousa Nascimento, Igor da Silva Lima e Lucas Oliveira de Brito.

Desses oito, um é de Teresina (Paulo César dos Santos), seis são naturais de Uberlândia-MG (Weverson, Anderson, Jean, Tiago, Maicon e Igor) e um não teve a naturalidade divulgada (Lucas).

Eles foram mortos nas abordagens ocorridas na madrugada do domingo (05) em Cocal, e na madrugada de hoje (06) em Batalha.

Iniciada às 08h40min

Dois homens, suspeitos de envolvimento com o roubo a agências bancárias em Campo Maior, foram mortos no município de Batalha.

Com eles, sobe para oito o número de suspeitos assassinados em diligências da Polícia Militar do Piauí destinadas a capturar os suspeitos de assaltar o Bradesco, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica no município que fica a 83 km da capital.

A informação foi confirmada pela Secretária Estadual de Segurança Pública (SSP). O assalto ocorreu na última terça-feira (30). Além destes, outras cinco pessoas foram presas por dar apoio ao grupo criminoso. Entre os detidos está o filho de um ex-coronel. 


Material apreendido neste domingo (05). Foto: Reprodução/SSP

Os outros seis suspeitos foram mortos durante a operação policial  nas proximidades de Cocal dos Alves, município que fica no norte do Estado, na madrugada deste domingo (05).  As outras duas mortes só foram confirmadas na manha desta segunda-feira (06). 

De acordo com o secretário de segurança,Fábio Abreu, os suspeitos reagiram a abordagem da polícia. "Mediante ao poder de fogo que eles tinham, não havia outra resposta a ser dada ao não ser reagir", conta. 

Com o bando, os policiais apreenderam  uma grande quantidade de armamento, munições e explosivos. As investigações continuam para identificar se há mais pessoas envolvidas com o crime e para localizá-los. A identidade dos envolvidos no crime não foi divulgada.