• Canta
  • SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia

Vinda do interior, família mora no mesmo bairro de Teresina

Pais, filhos, netos e cunhados não se desgrudam e relatam os prazeres e contratempos de morarem tão perto uns dos outros.

16/08/2019 13:06h - Atualizado em 19/08/2019 11:41h

Harmonia e boa convivência. São essas palavras que definem a família Oliveira. Com origem na cidade de União, a 65 km de Teresina, os Oliveiras se instalaram há décadas na Capital. Para se sentirem seguros e confiantes, optaram por morar em locais próximos uns dos outros.

Sidney Negreiros tem três filhos e é casado com Amparo. Para o chefe da família, morar perto dos cunhados, filhos e netos é uma honra e, mesmo que às vezes haja algumas discussões, a parceria faz com que os momentos de desentendimento se tornem insignificantes. 

“A gente já se acostumou. Não nos vemos não morando aqui. Temos uma harmonia boa, mas, de vez em quando, tem uma briguinha, mas coisa pequena e que não atrapalha em nada a convivência. Morar perto é muito útil em vários aspectos; por exemplo, quando precisa de alguma coisa, a gente grita, é um tipo de auxílio que facilita a vida”, conta Sidney Negreiros.


Foto: Jailson Soares/O Dia

Outro privilegio que Sidney conta com orgulho é poder acompanhar o crescimento dos filhos e netos. “Sidney Filho mora atrás da nossa casa e nós temos uma coisa muita boa de família que muitos pais não têm, é que nos vemos nossos três filhos e os netos todos os dias. Temos ainda o almoço dominical pelo menos uma vez por mês, fora Dia dos Pais e das Mães”, revela.

E o ponto de equilíbrio da família é Amparo Negreiros. Ela quem fica com os netos e sobrinhos quando os pais precisam resolver algum problema. “Eu agradeço muito a Deus porque nós estamos aqui juntos, meus irmãos, filhos, sobrinhos e netos. Os vejo quase todos os dias, cada um tem a sua chave para se sentir à vontade na minha casa. É um orgulho ser auxílio para eles. Hoje em dia é muito difícil as famílias se reunirem e meus filhos moram aqui próximo, sem ter problemas sérios, é meu maior orgulho”, conta emocionada. 


Parte da família mora no térreo e outra no primeiro andar da casa - Foto: Jailson Soares/O Dia

Geyza Negreiros, é filha de Amparo e Sidney e não quis sair de perto dos pais nem para trabalhar. A empreendera abriu um pet shop na esquina da casa dos pais e, quando precisa de ajuda no atendimento ou até no lanchinho da tarde, ela recorre à mãe.

“Após casar, procurei me manter perto, inclusive abri um comércio perto de casa. Eu tenho que agradecer todos os dias a Deus por estar trabalhando do lado da casa da minha mãe, pois poucos têm essa oportunidade. Eu considero uma dádiva mesmo e assim eu posso vê-la e abraçá-la todos os dias. Ela também me dá apoio com as crianças, pois, quando preciso de suporte com os meninos, a gente está sempre próximo, então nos sentimos acolhidos e isso fortalece o elo familiar”, diz Geyza.

Além dos filhos próximos e das frequentes visitas, Amparo e Sidney moram em uma casa que possui dois andares, eles moram no térreo e Osmar e Bernadete Bonfim residem na parte de cima da casa. Amparo e Osmar são irmãos e cultivaram a união da família para permanecerem sempre juntos.


Geyza Negreiros, para não sair de perto dos pais, abriu um petshop na esquina da casa dos pais - Foto: Jailson Soares/O Dia

O elo entre as cunhadas Bernadete e Amparo ultrapassa o limite familiar. Além de dividirem o mesmo quintal, elas se auxiliam na hora da doença, da alimentação e dos problemas. “Eu me sinto segura por ter as pessoas de confiança perto. Às vezes, eles gritam, ‘tia Bete tem tomate? Tem isso?’ e eu respondo ‘pega aqui na escada’. É bom, pois estamos sempre presentes em tudo, nas trocas de alimentos quando precisa ou na necessidade de saúde”, explica Bernadete Bonfim.

Seu Osmar brinca ao lembrar que até as entregas de toda família são feitas na casa dele, já que todos da comunidade sabem que a família não se desgruda. “As correspondências chegam todas juntas e os carteiros jogam em só uma casa, por saber que já é da família”, pontua.

Por: Sandy Swamy e Mayara Martins - Jornal O Dia

Deixe seu comentário