Um mês depois, Piauí sai da zona de risco de temporais e chuvas fortes

O Inpe retirou o estado da área de alerta meteorológico. Chuvas devem começar a abrandar a partir desta segunda. Rio diminuem ainda mais.

08/04/2019 11:25h

Compartilhar no

O Piauí saiu, nesta segunda-feira (08) da zona considerada de risco para ocorrência de tempestades, segundo o que aponta o monitoramento por satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Há quatro semanas, o estado se encontrava sob alerta para fenômenos adversos como temporais, tempestades de raio, ventos fortes e acumulado de chuva. Em dois dias chegou a chover em Teresina e no litoral mais que o esperado para todo o mês de março.

A situação parece estar dando uma mudada, conforme o relatório do Inpe. Se o Piauí encerrou a última semana com 93 municípios em alerta, nesta semana, nenhuma cidade apresenta risco de temporais e embora ainda haja uma alta probabilidade de chuva – 80% para esta segunda – as precipitações tendem a ser isoladas e sem tanta intensidade quanto foi registrado nos últimos dias.

As nuvens que se concentravam sobre o estado começaram a se dissipar em direção à região Norte do Brasil, mais precisamente sobre o Pará e uma pequena parcela do estado do Tocantins; e também para a região Sudeste, sobre Brasília, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.


Foto: Reprodução/Inpe

Com o tempo mais firme, os rios que cortam o Estado, principalmente os que passam pela Capital, como o Parnaíba e o Poti, começam a reduzir seus níveis. O Rio Poti, por exemplo, já diminuiu em quase quatro metros a altura de suas águas, chegando a 7,4 metros Às 10h30min desta segunda. Já o Rio Parnaíba chegou a 5,09 metros no mesmo horário, mesmo com o aumento da vazão da Barragem Boa Esperança de 600m³/s para 800 m³/s.

Como o acumulado de chuva sobre os dois rios não passa de 35 milímetros nas últimas 48 horas, a previsão é de que o Rio Parnaíba reduza seu nível a 5,04 metros até as 14 horas de hoje, e que o Rio Poti reduza a 7,05 metros no mesmo período.

Compartilhar no
Por: Maria Clara Estrêla

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário