• Canta
  • SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia

Teresina expande acesso ao contraceptivo DIU em maternidades

O contraceptivo foi implantado na Maternidade do Buenos Aires, zona Norte da capital, há mais de um ano.

12/06/2019 07:59h

O acesso das mulheres de Teresina ao DIU (dispositivo intrauterino) de cobre no Sistema Único de Saúde (SUS) vai ser possível a partir de agora também na Maternidade Municipal Professor Wall Ferraz, Dirceu II. O contraceptivo foi implantado na Maternidade do Buenos Aires, zona Norte da capital, há mais de um ano e já foram colocados 75 dispositivos intrauterinos. 

A meta é expandir para todas as maternidades municipais. “Todas as mulheres de pós -parto imediato (cesárea ou normal) e de pós-aborto poderão optar pelo método”, informa Mércia Cassandra, diretora geral da Maternidade Wall Ferraz. O DIU é um método eficaz, prático, sem hormônios, que satisfaz as necessidades contraceptivas da maioria das mulheres.

Teresina expande acesso ao contraceptivo DIU em maternidades . (Foto: Reprodução)

 Entre as vantagens do uso do DIU de cobre estão o longo tempo de ação (10 anos), baixo índice de gravidez, intervenção única para seu uso e poucos efeitos indesejados. “Durante o pré-natal as mulheres já são apresentadas e orientadas pelas Equipes de Saúde da Família, nas Unidades Básicas de Saúde, no que se refere à utilização do DIU”, explica Mércia Cassandra. 

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza para as mulheres o DIU TCu 380 (DIU de cobre). Segundo site do Ministério da Saúde, o DIU é seguro e tem eficácia de 99,3%. Ele pode ser utilizado desde a adolescência até a menopausa. Hoje já se sabe que uma mulher que nunca passou por uma gestação, mesmo adolescente, e aquela que passou por uma cirurgia cesariana, podem ser candidatas ao uso do DIU. Além disso, pode ser usado por mulheres que estão amamentando e não interfere na produção, quantidade e qualidade do leite materno.

O DIU é contraindicado para mulheres que estejam apresentando no momento: Doença Inflamatória Pélvica, Infecções sexualmente transmissíveis, miomas que distorçam a cavidade uterina, sangramento vaginal sem diagnóstico, malformações uterinas e estreitamento do canal do colo uterino, câncer do colo de útero e do endométrio.

Fonte: Da Redação

Deixe seu comentário