• Curta Doar
  • Teresina 167 anos
  • Casa dos salgados
  • Novo app Jornal O Dia

Tabagismo e má alimentação podem estimular crises de enxaqueca

A doença acomete 15% dos brasileiros e geralmente é acompanhada de fotofobia e fonofobia, náusea e vômito.

08/08/2019 07:12h

Caracterizada pela dor pulsátil em um dos lados da cabeça (às vezes nos dois), a enxaqueca acomete 15% dos brasileiros e geralmente é acompanhada de fotofobia e fonofobia, náusea e vômito. A duração da crise varia de quatro a 72 horas. De acordo com o neurocirurgião Jackson Daniel, existem fatores estimulantes da crise, por isso quem sofre com enxaqueca deve ficar atento para evitar uma série de comportamentos que podem desencadear o agravamento das dores. 

“Quando há fatores estimulantes da enxaqueca, a dor aumenta, como é o caso do tabagismo. Com o envelhecimento também as crises tendem a diminuir, principalmente nas mulheres, que deixam de ter a alteração no ciclo menstrual mensal, e as crises vão diminuindo após a última menstruação que é a menopausa”, explica. 

O médico também elenca alguns alimentos que podem desencadear crises, ressaltando, porém, que essa relação varia muito de pessoa para pessoa. “Todo estimulante tem uma maior tendência a desencadear a crise, os cafeinados, os achocolatados, chá escuro, podem estimular que as crises sejam desencadeadas”, aponta. 


Médico diz que não é recomendável passar muito tempo em jejum, pois a ‘fome’ pode estimular o surgimento de crises - Foto: Folhapress

O neurocirurgião revela também que não é recomendável passar muito tempo em jejum, pois a ‘fome’ pode estimular o surgimento de crises. “Quem tem enxaqueca, o aconselhável é fazer alimentações a cada 3 horas pelo menos, com alimentos leves, no intervalo das grandes refeições, para não ficar muito tempo em jejum. Então, se você tem que alguma atividade em que não possa se alimentar de forma mais adequada, tem que levar alguma barra de cereal, banana, castanha, para não ficar muito tempo em jejum”, frisa. 

Combate à doença 

Por outro lado, o médico destaca que há alimentos com propriedades anti-inflamatórias, que podem auxiliar no combate à doença. “Alguns alimentos que possuem propriedades anti-inflamatórias, como por exemplo os peixes; sabemos que os peixes, tipo salmão, tilápia, são ricos em ômega 3 e essa substância tem um efeito anti-inflamatório que ajuda a diminuir as crises de enxaqueca; frutas como abacate, assim como uma coisa que temos muito no nosso Estado: a castanha, que é rica em ômega 3. Também podemos citar o amendoim, linhaça, chia, esses alimentos têm propriedades anti-inflamatórias e ajudam a diminuir as crises de enxaqueca sim”, conclui.

Fonte: Jornal O Dia

Deixe seu comentário