Sem acordo, motoristas de ônibus ameaçam deflagrar greve na capital

Uma das reivindicações está o reajuste salarial de 13%,

06/05/2014 07:14h

Compartilhar no

Os motoristas e cobradores de ônibus de Teresina podem iniciar um movimento paredista nas próximas semanas. O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Piauí (Sintetro) irá buscar um diálogo com o prefeito e vereadores da capital a fim de evitar que a greve ocorra. Duas mesas de negociações estavam marcadas para o mês de abril. Porém, somente uma realmente aconteceu. 

 A entidade representante da classe patronal, o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut), propôs retornar a mesa de negociação após a abertura dos envelopes do edital de licitação e, como esta foi prorrogada para o dia 11 de junho, a conversa entre patrões e motoristas deve acontecer somente no dia 16 de junho.

Nos próximos dias, o Sintetro está programando visitas às garagens das empresas de ônibus com o intuito de mobilizar e informar toda a categoria sobre as reivindicações. “Vamos fazer um trabalho de conscientização para que o trabalhador esteja preparado para o embate, de acordo com o seus interesses e com os da sociedade”, explica o vicepresidente. 

Entre os pleitos dos motoristas ao Setut, constam as seguintes reivindicações: reajuste salarial de 13%, incluindo inflação e ganho real; unificação do ticket de alimentação; redução da carga-horária de trabalho; pagamento integral por parte das empresas do plano de saúde dos trabalhadores; dentre outras. Além disso, o sindicato afirma estar fazendo parcerias com o movimento estudantil no que se refere à gratuidade da passagem aos estudantes, que é uma proposta definida em assembleia, com a participação de entidades estudantis.

A classe pretende cobrar também algumas modificações na licitação de transporte público de Teresina, como a implantação de 40% da frota de ônibus climatizada, uma vez que o edital assegura apenas 30%. O Sintetro teme ainda pela redução de postos de trabalho. “De acordo com a nossa avaliação do edital, o formato irá permitir uma diminuição do número de ônibus. Em 2010, nós tínhamos 529 ônibus em Teresina. Ano passado, fizemos um levantamento e vimos que havia 429. Com o edital de licitação, esse número cairia para 397 ônibus, para uma média de 7 milhões de passageiros ao mês, durante esses últimos quatro anos”, contabiliza o sindicalista

Confira mais informações na edição de hoje (06) do Jornal O Dia

Compartilhar no
Fonte: Jornal O Dia / Beto Marques

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário