• Banner OAB
  • Campanha da Santa Missa
  • Vencer 03
  • Vencer 02
  • Vencer 01
  • Prerrogativas da advogacia
  • Peregrinos da fé
  • Novo app Jornal O Dia

Professores municipais jogam frutas em vereadores durante protesto

O protesto aconteceu porque não houve discussão da proposta de reajuste salarial da categoria apresentada pela Prefeitura de Teresina, que atualmente é de 12,84%.

11/03/2020 16:10h - Atualizado em 11/03/2020 18:55h

A sessão plenária desta quarta-feira (11) na Câmara Municipal de Teresina terminou com professores da rede municipal de ensino atirando frutas contra os vereados da casa legislativa. O protesto aconteceu porque não houve discussão da proposta de reajuste salarial da categoria apresentada pela Prefeitura de Teresina, que atualmente é de 12,84%. (Veja vídeo abaixo). 


Os vereadores rejeitaram nesta quarta-feira a suspensão da tramitação do reajuste salarial e maior discussão do projeto com os secretários de finanças e educação. As proposições foram realizadas pela oposição. Os docentes se concentraram na Câmara Municipal para debater sobre o assunto. Sem consenso na sessão, os vereadores deixaram o plenário sob chuva de frutas arremessadas pelos servidores.

Professores arremessam bananas contra os vereadores. Foto: O Dia TV.  

Os professores deflagraram greve por tempo indeterminado na terça-feira (10) depois que a proposta de aumento pelo prefeito Firmino Filho (PSDB) foi enviada à Câmara para votação. Além disso, os servidores criticam o parcelamento do reajuste em duas vezes e sem retroativos. A Prefeitura de Teresina diz que processo é necessário devido ao Limite Prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal.

“Convocamos a categoria e apareceu muita gente. Os vereadores não querem dialogar com a categoria. O setor, inclusive, que eles consideram como excelência do município não pode falar com a gente”, conta Sinésio Soares, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (Sindserm).

O vereador Joaquim do Arroz (MDB) lamentou a postura dos vereadores. “É lamentável que os próprios vereadores, que foram eleitos para discutir as questões da sociedade, fecham a porta do diálogo. A educação é algo muito sério e é triste ver o prefeito tratando dessa forma”, afirma.

A vereadora Graça Amorim (PP), líder do prefeito na Câmara, afirmou recentemente à imprensa que em todo o país somente três prefeituras propuseram o reajuste em suas Câmaras Legislativas. Além disso, o valor proposto está acima do nacional. Ainda segundo a parlamentar, a proposta oferece o que pode ser pago sem que haja atrasos à categoria.

O vereador Edson Melo (PSDB), da base do governo, disse que nunca foi procurado pelo sindicato. “Eu nunca fui procurado. Quem foi procurado, se foi procurado, foi o vereador Dudu, do PT, que é da oposição do prefeito. Aliás, que são da base do Governador do Estado, que não deu nada para os professores estaduais”, disse

Edição: Adriana Magalhães
Por: Jorge Machado, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário