• Netlux
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Procuradora pede cassação do prefeito de Marcos Parente

A procuradora alega que o gestor estaria envolvido em vários esquemas ilícitos no município.

11/10/2019 11:13h - Atualizado em 11/10/2019 11:32h

A procuradora do município de Marcos Parente, Lara da Rocha Alencar Bezerra, protocolou nesta quinta-feira (10), na Câmara Municipal de Vereadores, um pedido de afastamento imediato e cassação do prefeito Pedro Nunes de Sousa. A procuradora alega que o gestor estaria envolvido em vários esquemas ilícitos no município.


Leia também:

MPPI ingressa com ação de improbidade contra prefeito de Oeiras 


"De modo a assegurar o efetivo respeito as normas legais do Município, com o objetivo precípuo de resguardar o interesse público, uma vez que as atuações do Prefeito e de seus gestores são ilegítimas e nocivas ao Município, causando danos irreversíveis a administração pública, se faz necessário o afastamento imediato de ambos e a cassação do prefeito pela prática de infração político-administrativa e crime de responsabilidade", disse a procuradora.

Segundo documentação apresentada na denúncia, a procuradora acusa o prefeito de infrações administrativas, crime de responsabilidade, perseguição pessoal, abuso de autoridade, violação de prerrogativas profissionais, quebra de decoro, descumprimento de ordem judicial, usurpação de função publica e reiterada inobservância de leis, além de outros ilícitos.

Prefeito de Marcos Parente, Pedro Nunes de Sousa. (Foto: Divulgação)

O presidente da Câmara Municipal de Marcos Parente, Jobsom Guimarães, da base aliada do prefeito, recebeu o pedido e deverá colocar a pauta em votação aos demais vereadores. A procuradora acionou ainda o Ministério Público para que seja apurado o envolvimento do gestor nos supostos crimes.

Contraponto

A reportagem do O Dia tentou entrar em contato com o prefeito do município, mas não conseguiu localizá-lo para comentar a denúncia. O O Dia reitera que o espaço continua aberto para quaisquer esclarecimentos sobre o caso.

Por: Nathalia Amaral

Deixe seu comentário