Preços baixos fazem Teresina entrar no ranking das capitais mais baratas do país

São pessoas de muitas regiões que vêm estudar e morar na capital pelos preços baixos

16/08/2012 09:02h

Compartilhar no

Quem quiser viver em Teresina terá para si uma cidade que abraça os filhos e estrangeiros com aconchego. Que está projetada aos braços do sol do equador e que tem um "quê" de bondade e hospitalidade que não se encontra em qualquer lugar por aí. Teresina é uma cidade de fé, de baladas, de curtição, de turismo, e o melhor, tudo isso a um preço acessível.

São pessoas de muitas regiões que vêm estudar e morar na capital pelos preços baixos e pelo estilo de vida mais próximo do interiorano.

Em um levantamento feito pelo site "custo de vida" (www.custodevida.com.br), que funciona com informações de colaboradores, a Capital Verde não só ficou entre as em que o custo de vida é mais barato, como assumiu o primeiro lugar no ranking. Na escala Teresina ganha de capitais como Rio Branco (AC), Campo Grande (MS) e Natal (RN) ficando empatada com a capital de Roraima, Boa Vista com um índice 2.0. Na lista a cidade do Rio de Janeiro aparece como a mais cara capital do país com índice 10.0 sendo seguida por São Paulo marcando 9.5 na escala de custos de vida.

O site foi elaborado voluntariamente pelo estudante Lucas Franco com o intuito de descobrir quais as cidades em que os custos eram mais elevados. "Os preços em cada item são a média das contribuições enviadas pelos usuários. Quando o valor postado sai muito da média, vai para moderação. Depois, eu aprovo ou desaprovo manualmente", explica Franco.

O site faz uma análise bem peculiar. Para se ter ideia, um almoço estipulado como barato em Teresina custa, segundo o site, R$ 5,28 enquanto que essa mesma refeição na cidade do Rio de Janeiro custa R$ 13,20. Isto é, o valor pago pelo consumidor no Rio de Janeiro, ultrapassa em mais de duas vezes o pago em restaurantes da capital piauiense.

No quesito supermercado, um litro de leite custa em média em Teresina R$ 1,99 enquanto que na capital fluminense chega a R$ 2,40. Quando tratada a questão de moradia o aluguel de um apartamento com dois quartos sai em Teresina por, em média, R$ 416,00. Já no Rio de Janeiro a pessoa que desejar morar de aluguel terá que desembolsar R$ 1.243,43, em média.

Para o professor de Economia da Universidade Federal do Piauí Francisco Prancacio Araujo, o estudo não define a realidade. "É uma análise feita por colaboradores, sujeita a riscos, mas que pode sim ser tomada como base em alguns critérios, tendo a certeza de que não foram tomados os devidos cuidados metodológicos na apuração do conteúdo", afirma o professor. O economista ressalta que o custo de vida em Teresina pode mesmo ser o mais barato do Nordeste, mas seria preciso uma apuração maior para a seguridade das informações.

Cesta básica custa R$213 em Teresina

Segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, a cesta básica custava em média no mês passado no Rio de Janeiro R$ 290,64; enquanto que segundo dados da Fundação CEPRO é R$ 213,11 o valor pago pelos teresinenses no mês de julho pela manutenção com alimentos oriundos da cesta básica.

Foram considerados itens como açúcar, arroz, banana (fruta), café em pó, carne bovina (de 2ª), farinha de mandioca, feijão, leite pasteurizado, margarina, óleo vegetal, pão, tomate (verdura). Os itens da cesta básica foram definidos nos termos do Decreto-Lei nº 399, de 30 de abril de 1938.

Segundo a Fundação Cepro, a cesta básica foi considerado o principal elemento de avaliação do poder de compra do salário mínimo, comprometendo 34,26% de seu valor absoluto no último mês. Especialistas apontam que os preços dos alimentos costumam ter uma alta nesse período do ano devido as irregularidades climáticas.

Segundo dados da Fundação Cepro, em relação ao mês de julho de 2012, o Custo da Cesta Básica, registrou alta de 1,23%, por conta dos crescimentos de preços registrados em alguns produtos. Foi o caso da banana (5,67%), do tomate (5,10%), do óleo vegetal (0,86%), da farinha de mandioca (0,75%) e do leite pasteurizado (0,47%). Em compensação outros itens igualmente importantes tiveram variação negativa, como o açúcar cristal (-1,86%), o café em pó (-0,16%), a carne bovina de 2ª (-0,93%) e o feijão (-0,45%).

A empresa responsável pela pesquisa e divulgação dos índices de custo de vida em Teresina é o Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí, a fundação CEPRO. Mensalmente o centro divulga um boletim que relata minuciosamente como o mercado financeiro da capital tem-se comportado.

O custo de vida, calculado pela Fundação CEPRO, apontou em Teresina quando analisado o mês de junho de 2012, um crescimento médio de 0,32%, mesmo assim a capital continua sendo uma das em que menos se gasta e que pode isso tem atraído cada vez mais novos moradores.

No mês de julho os fatores como alimentação, saúde e cuidados pessoais fizeram com que a inflação tivesse um aumento de 0,33%. Segundo especialistas, esse índice eleva o acumulado durante o ano para 4,18% e o acumulado nos últimos 12 meses para 6,78%.

Capital atrai pessoas de fora por baixo custo de vida

Gustavo Rodrolli, estudante universitário, saiu de sua cidade natal, Barras, para estudar em Teresina devido os baixos custos que a cidade oferece. Gustavo divide apartamento com mais dois garotos e garante que a capital é um lugar bom de viver quando o quesito é o custo de vida. "Eu gasto com roupas, livros, comida, aluguel de apartamento, lazer e ainda tenho como me manter em outros quesitos."

Na construção dos gastos mensais há sempre aqueles que pesam mais. Para o trabalhador autônomo Izael Oliveira, estes quesitos são os mais desagradáveis na hora de comprar produtos em Teresina. "Teresina de fato é uma cidade barata, onde se pode viver bem com um salário razoável, por este motivo, e também por outros, optei morar aqui. A alimentação é relativamente barata, bem como outros quesitos. As escolas particulares e os materiais são os vilões do orçamento. No mais a vida é tranquila", afirma Izael.

Para Joana Darc, aluna do curso de computação da Universidade Federal do Piauí, o custo de vida de Teresina pode sim ser mais barato do que o das demais capitais e de algumas cidades, no entanto é muito relativo avaliar esta relação. "Eu acredito sim que o custo de vida seja realmente baixo, no entanto isto depende de inúmeros fatores. Escolhi Teresina para morar e fazer faculdade por que sabia que gastaria menos, mais ainda por que moraria com mais oito pessoas. É o que o eu acho. É de certa forma barato, mas é preciso tomar medidas para que o orçamento fique ainda mais viável", afirma a estudante.

Peso na Estrutura Orçamentária do Consumidor de Teresina

Alimentação 29,22 %

Habitação 25,40 %

Artigos de Residência 3,53 %

Vestuário 5,18 %

Transportes 10,59 %

Saúde e Cuidados Pessoais 10,81 %

Serviços Pessoais 15,27 %

ÍNDICE GERAL 100,00 %

Fonte: Fundação CEPRO/Departamento de Estatística e Informação.

Compartilhar no
Por: Francicleiton Cardoso

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário