• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Piauí reduz em quase 70% obras contratadas pelo Minha Casa Minha Vida

Neste ano, o montante no mês só girou em torno de R$ 8 milhões no Piauí, com sérios prejuízos para o projeto.

10/02/2020 08:50h

Construções do Programa Minha Casa Minha Vida estão paralisadas no Piauí desde o dia 2 de janeiro de 2020, segundo o Sindicato da Indústria de Construção Civil (Sinduscon/Piauí). O fato acontece pela falta de repasses de recursos do Governo Federal, que inviabilizam, diretamente, a efetivação de novos contratos pela Caixa Econômica Federal. Segundo o levantamento, em janeiro de 2019, o volume de investimento para novos contratos foi de R$ 25 milhões; este ano, o montante no mês só girou em torno de R$ 8 milhões no Piauí.


Leia também: Imóveis do "Minha Casa, Minha Vida" são negociados em redes sociais 


“É uma queda vertiginosa. São obras, hoje financiadas pela Caixa Econômica, por gestão do Governo Federal, que por falta de repasse não conseguimos fazer contratações. É uma preocupação por setor de construção civil porque você não consegue ter geração de contrato, você não consegue vender nada”, ressalta o vice-presidente do Sinduscon, Guilherme Fortes.

O Minha Casa Minha Vida é realizado em duas modalidades bem diferentes. Na faixa 1, destinada à população com renda mensal familiar de até R$ 1.800, as obras são bancadas 100% com recursos do OGU (Orçamento Geral da União). Nas demais faixas (1,5; 2; e 3), 90% dos recursos estão garantidos porque vêm do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e o OGU subsidia apenas 10%.


Construções do Minha Casa Minha Vida estão invibializadas - Foto: Elias Fontinele/O Dia

E é neste segundo caso, que segundo o Sinduscon, o dinheiro está chegando com atraso porque a Caixa, que gerencia o fundo, não faz repasse enquanto o governo não libera para ela os 10% de subsídio.

“Nós temos uma expectativa muito grande para o ano de 2020, porque o crescimento que está acontecendo nos grandes centros, que já é uma realidade, não chegou com a mesma pujança no resto do Brasil. Para a construção civil no Piauí, podemos dizer que mês de janeiro e fevereiro, até hoje, foi todo perdido”, destaca Guilherme Fortes.

Segundo o vice-presidente, há mobilização a níveis regional e nacional para pressionar o governo. Segundo ele, acontecerão reuniões nos dias 13 de fevereiro (quinta) e 17 (sexta-feira).

Por: Glenda Uchôa - Jornal O Dia

Deixe seu comentário