Piauí mantém calendário após Ministério liberar vacina para adolescentes sem comorbidades

A vacinação dos grupos de adolescentes vai avançar à medida que mais vacinas forem chegando ao Piauí

23/09/2021 10:51h

Compartilhar no

Após o Ministério da Saúde liberar a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades, Piauí mantém o cronograma inicial de vacinação e segue listas de prioridades, onde adolescentes grávidas, puérperas, lactantes e adolescentes com deficiência permanente ou  comorbidades devem ser vacinados primeiro. 

Piauí mantém o cronograma inicial de vacinação para adolescentes e segue listas de prioridades. (Foto: Divulgação)

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (Sesapi), na última sexta-feira (17), o estado recebeu cerca de 30 mil doses para distribuir entre os municípios e dar início a imunização das prioridades. “Sexta-feira foram distribuídas 30 mil doses para adolescentes com deficiência permanente”, destaca o órgão.

Além disso, a vacinação dos grupos de adolescentes vai avançar à medida que mais vacinas forem chegando ao Piauí. “O envio de dose para os grupos deve avançar com a chegada de mais vacinas”, ressalta a Secretária de Estado da Saúde. 

Imunização de adolescentes devem ser feita com vacina Pfizer 

Em nota técnica divulgada pelo Ministério da Saúde na noite desta quarta-feira (22), a orientação é de que os estados e municípios devem utilizar apenas a vacina da Pfizer, a única autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para essa faixa-etária. A orientação garante a segurança da campanha.

Segundo a recomendação do Ministério, logo após a vacinação de adolescentes grávidas, puérperas, lactantes, com deficiência permanente e comorbidades,  a prioridade deve ser dos jovens de 12 a 17 anos privados de liberdade. A lista de comorbidades está definida no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO).

A lista de comorbidades está definida no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. (Foto:Assis Fernandes/ODIA)

O Secretário-Executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, afirma que a recomendação do órgão se deu após muitos estudos e discussões técnicas. “Podemos, a partir de agora, retomar a vacinação dos adolescentes e essa decisão vem após vários estudos e discussões técnicas. Depois de muita investigação, entendendo as causas que fizeram com que se adotasse a suspensão e, depois de uma semana, decidiu-se que podemos retomar a vacinação priorizando os grupos que têm uma imunidade mais deficitária”, comunicou

Outra orientação é que a vacinação dos adolescentes sem comorbidades deva iniciar somente quando o estado ou município concluir a imunização dos grupos prioritários e dos que precisam da dose de reforço, como pessoas acima de 70 anos e imunossuprimidas. 

Nesse caso, os idosos devem receber o reforço seis meses após a conclusão do ciclo vacinal ou dose única e os imunossuprimidos devem respeitar o intervalo de 28 dias após a segunda ou dose única.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário