Piauí: Governo comemora queda na taxa de transmissão do coronavírus

O resultado da pesquisa foi considerado positivo e pode acelerar a decisão de retomada das atividades econômicas

04/06/2020 15:26h - Atualizado em 04/06/2020 15:37h

Compartilhar no

O governadorWellington Dias (PT) apresentou no início da tarde desta quinta-feira (04), através de uma live nas redes sociais, o resultado da nova pesquisa realizada para monitora a evolução dos casos de Covid-19 no Piauí. O levantamento, realizado entre os dias 30 de maio e 02 de junho pelo instituto Amostragem, trouxe resultados positivos.

A taxa de transmissibilidadedo coronavírus caiu no estado do Piauí, ficando no patamar de 0,9. O número é bem menor do que o registrado em levantamentos anteriores, quando o Piauí já chegou ao índice de 2, 8.

O resultado positivo apresentado pela pesquisa foi comemorado pelo governador Wellington Dias.

“Para exemplificar, uma pessoa no início da infecção, a pessoa infectada transmitia para três, agora uma pessoa está transmitindo para menos de uma, ou seja, o índice passou de 4 mil pessoas que transmitiram para 17 mil, de 36 mil para 66 mil e, por fim, 87 mil. Embora tenha um crescimento nominal, mas em uma proporção menor em cada pesquisa. A tendência de abril até agora é que já poderíamos ter 120 mil pessoas com o vírus”, disse o governador.

Ainda de acordo com Wellington Dias, a redução da taxa é resultado do conjunto de medidas que vem sendo adotadas ao longo dos últimos meses, como os decretos de distanciamento social.

“Somado ao isolamento social, as medidas de higiene pessoal levaram a essa diminuição. As pessoas passaram a usar máscaras, lavar as mãos, usar álcool em gel, manter o distanciamento social”, avaliou.

Retomada das atividades econômicas

A queda da taxa de transmissibilidade é um dos fatores que será levado em conta para definir o cronograma de reabertura das atividades econômicas no estado do Piauí. Segundo o governador, a questão deve continuar sendo pautada nos próximos dias pelo Comitê de Operação Emergencial (COE), que se reunirá para definir as diretrizes.

“Temos que ter um parecer cientifico, com protocolos considerando a redução da transmissibilidade, ter a redução nessa parte relacionada a ocupação de leitos de UTI e clínicos. Número abaixo de 50%. Assim a gente vai ter um ambiente para tomada de decisão que pode permitir alguma flexibilização, começar em um patamar mais reduzido, não abrir tudo ao mesmo tempo. Estamos com esperança de que tudo que estamos fazendo está dando resultado”, disse.

Compartilhar no
Por: Natanael Souza

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário