Piauí figura entre os cinco estados com mais pessoas vivendo na pobreza extrema

Quando pesquisa foi feita, cerca de 630 mil piauienses tinham renda familiar inferior a R$ 197 por pessoa, o que corresponde a 19,7% da população.

26/07/2017 11:04h - Atualizado em 26/07/2017 13:41h

Compartilhar no

Um levantamento divulgado pela Fundação Abrinq na última terça-feira (25) traz dados alarmantes sobre a situação das crianças e adolescentes brasileiros.

O Piauí continua entre as unidades da Federação com maior número de famílias em situação de pobreza extrema. No estado, 19,7% da população possuía renda domiciliar mensal per capita de até um quarto do salário-mínimo, quando a pesquisa foi feita, em 2015. Ou seja, cerca de 630 mil piauienses tinham renda familiar inferior a R$ 197 por pessoa, uma vez que naquele ano o salário-mínimo era de R$ 788.

Brasil tem cerca de 19 milhões de pessoas vivendo na pobreza extrema; 630 mil estão no Piauí (Foto: Divulgação)

Nessa faixa de renda domiciliar, uma família com cinco pessoas, por exemplo, precisava viver com menos de mil reais por mês em 2015. Se considerado o atual salário-mínimo, esta mesma família com cinco membros precisa viver com menos de R$ 1.180 ao mês.

Com este índice, o Piauí figura na quinta pior colocação entre todos os estados brasileiros, conforme apontou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - um dos indicadores presentes no levantamento da Fundação Abrinq.

Resultados piores só foram observados nos estados do Maranhão, onde 26,8% da população vive na pobreza extrema, Alagoas (22,3%), Ceará (20,7%) e Acre (19,9%).

O percentual nacional de pessoas vivendo na pobreza extrema é de 9,2%, o que corresponde a cerca de 19 milhões de brasileiros. O Nordeste lidera, disparado, o número de pessoas que vivem nesta situação precária, superando os 11 milhões; outras 3,5 milhões vivem na região Sudeste; 2,7 milhões na região Norte; um milhão na região Sul; e 550 mil no Centro-Oeste.

O relatório divulgado pela Fundação Abrinq é composto de análises sobre a situação dos indicadores nacionais que se relacionam direta e indiretamente com a infância e a adolescência no Brasil. Seu objetivo é apresentar o quadro situacional das condições de vida dos brasileiros nessas faixas etárias, de maneira a verificar se o país está conseguindo alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) firmados com a Organização das Nações Unidas (ONU).

Clique aqui para ver a íntegra do relatório da Fundação Abrinq. 

Por meio do levantamento, que possui 107 indicadores, é possível identificar quais as regiões possuem maior debilidades em relação ao restante do país. 

Mais de 4% das crianças de até cinco anos no Piauí estão abaixo do peso ideal

Outro indicador em que o Piauí figura entre os piores estados do país refere-se ao percentual de crianças menores de cinco anos abaixo do peso ideal.

Segundo o Ministério da Saúde, no Piauí há 4,4% de crianças com até cinco anos nessa situação. Com piores resultados estão apenas os estados do Maranhão (4,8%), Sergipe (4,8%), Goiás (4,7%) e Pernambuco (4,6%).

A média nacional deste indicador negativo é de 3,6%, enquanto a da região Nordeste fica em 4,3%.

Piauí tem segunda pior cobertura de imunizações no país

Outro dado preocupante presente no relatório divulgado pela Fundação Abrinq é a cobertura de vacinação, ou seja, o percentual da população vacinada em determinadas imunizações, cujos objetivos são reduzir os riscos de algumas doenças epidêmicas.

O Piauí possui a quarta pior cobertura de imunizações entre os estados brasileiros, de apenas 75,8%. Completam a lista dos cinco piores o Amapá (79,9% de cobertura), o Acre (68%), o Distrito Federal (65,4%) e o Pará (64,5%).

Na outra ponta do ranking, com os melhores resultados, estão o Mato Grosso do Sul (102,6%), Rondônia (97,5%), Ceará (94,4%), Santa Catarina (90,9%) e Minas Gerais (90,9%).

Dentre os 15 tipos de vacinas incluídas nesse cálculo, 12 são recomendadas aos menores de um ano de idade; das três restantes, duas são aplicáveis à população menor de quatro anos e uma à população maior de 60 anos. A parcela da população mais sensivelmente afetada com algum decréscimo na distribuição de vacinas e que incide sobre esse indicador, portanto, é aquela menor de quatro anos de idade.

As três metas ODS que impactam crianças e adolescentes:

1. Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas que vivem com menos de US$ 1,25 por dia.

2. Até 2030, reduzir pelo menos à metade a proporção de homens, mulheres e crianças, de todas as idades, que vivem na pobreza, em todas as suas dimensões, de acordo com as definições nacionais.

3. Implementar, em nível nacional, medidas e sistemas de proteção social adequados, para todos, incluindo pisos, e até 2030 atingir a cobertura substancial dos pobres e vulneráveis.

Compartilhar no
Por: Cícero Portela

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário