• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

PI indenizou 260 crianças por acidente de trânsito em 2019

Números são da seguradora Líder, responsável pelo pagamento do seguro DPVAT no país.

13/10/2019 17:15h - Atualizado em 14/10/2019 07:37h

Pelo menos 260 crianças e adolescentes já foram indenizados no Piauí após sofrerem acidentes de trânsito ao longo deste ano de 2019. A média é de cerca de 32 indenizações pagas por mês, segundo os dados da Seguradora Líder, responsável pela administração do Seguro DPVAT no Brasil. Os números foram divulgados em razão de, neste fim de semana, ter sido comemorado o Dia das Crianças. 


Leia também: PI - Motocicleta lidera número de indenizações por mortes no trânsito 


Além de celebrar a infância e a preservação dos direitos das crianças, a data também serve para lembrar da necessidade de conscientização sobre os cuidados necessários nesta etapa da vida, e isso inclui garantir a salvaguarda da vida e a integridade física de crianças e jovens no trânsito. 

Pelo levantamento feito pela seguradora Líder, o Piauí, com as 260 indenizações pagas, ocupa a 17ª posição no ranking nacional de pagamento do seguro DPVAT. O estado que mais indenizou crianças e adolescentes envolvidas em acidentes de trânsito país é Minas Gerais, com 1.001 indenizações pagas; e o que menos indenizou foi o Amapá, com apenas 23 seguros DPVAT pagos este ano.


Foto: O Dia

Vale lembrar que, segundo a ONG Criança Segura, as imprudências no trânsito são a principal causa de ocorrências fatais entre crianças de zero a 14 anos. Os números do Piauí e do Brasil como um todo refletem essa realidade. Em todo o país, foram 9.865 crianças e adolescentes de zero a 17 anos indenizados em função de ocorrência durante o tráfego de veículos. A média é de 36 vítimas por dia. Os dados mostram ainda que a maioria ficou com algum tipo de sequela permanente após o acidente: cerca de 70% (6.933) dessas indenizações em todo o Brasil foram pagas por invalidez.

Em que tipos se acidentes crianças e adolescentes se envolvem

A cobertura de reembolso de despesas médicas e suplementares foi a que registrou o segundo maior número de pagamentos de indenização. De janeiro a setembro, foram 1.471 sinistros. E mais 1.461 casos de indenizações pagas por mortes no trânsito.

Além do elevado número de crianças e adolescentes que ficam com alguma invalidez permanente, os dados chamam atenção para um alto índice de atropelamentos, já que a maioria dos acidentados estava na condição de pedestre no momento do acidente, concentrando 58% dos pagamentos. Ainda assim, as estatísticas envolvendo passageiros são elevadas. As crianças que estavam dentro do veículo durante a ocorrência concentraram cerca de 42% das indenizações pagas. O percentual indica um quantitativo de 4.125 pagamentos para a faixa etária.


Foto: Elias Fontinele/O Dia

Quais são os veículos

As estatísticas por tipo de veículo mostram que as motocicletas são as principais responsáveis pelos acidentes. De janeiro a setembro, foram pagas mais de 5 mil indenizações por ocorrências envolvendo o veículo de duas rodas. Os automóveis ocupam a segunda posição, concentrando 3.461 sinistros. Os caminhões e picapes aparecem na sequência, com 572 pagamentos. Já os ônibus, micro-ônibus e vans, e os ciclomotores apresentam 345 e 49 seguros, respectivamente.

Segurança e itens obrigatórios

Para mudar esta realidade, os especialistas ressaltam os cuidados necessários quando há crianças nos veículos. "Quando o assunto é trânsito, a atenção é fundamental, principalmente quando há menores envolvidos. É importante lembrar que a cadeirinha, o cinto de segurança e o capacete, no caso das motos, são itens obrigatórios", explica Arthur Froes, superintendente de Operações da Seguradora Líder.

Arthur ainda destaca a realidade dos pedestres. Para ele, os motoristas também têm papel fundamental para alterar as estatísticas. "É necessário ter uma conduta prudente ao volante, respeitando a sinalização e o limite de velocidade, principalmente em áreas escolares e residenciais. Além disso, é importante que as crianças estejam acompanhadas dos pais ao atravessar as ruas, além de sempre utilizar as faixas de pedestre", finaliza o superintendente.

Por: Maria Clara Estrêla

Deixe seu comentário