• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

PF desarticula grupo especializado em fraude previdenciária

Grupo atuava nos estados do Piauí, Maranhão e no Distrito Federal. Estão sendo cumpridos dois mandados de prisão preventiva em Parnaíba.

20/11/2019 08:30h - Atualizado em 20/11/2019 12:35h

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta-feira (20), a Operação Senes com o objetivo de desarticular uma quadrilha especializada em fraude previdenciária praticada nos estados do Piauí, Maranhão e no Distrito Federal. Ao todo, estão sendo cumpridos dois mandados de prisão preventiva em Parnaíba e outro em Valparaíso de Goiás. Além destes, também foram cumpridos nove mandados de busca em apreensão.


Objetos apreendidos durante operação. (Foto: Reprodução/PF)

De acordo com a PF, o inquérito que originou a Operação SENES foi instaurado no ano de 2018, após a prisão em flagrante de um integrante do bando, e desde então tramita entre a Polícia Federal e o Ministério Público Federal em Parnaíba.

Segundo o Núcleo de Inteligência da Coordenação Geral de Inteligência Previdenciária  e Trabalhista (CGINT) , orgânica da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, que participou das investigações, o prejuízo efetivo já remonta a R$7,6 milhões de reais com o pagamento dos benefícios identificados, obtidos de forma indevida. 


Objetos apreendidos durante operação. (Foto: Reprodução/PF)

Segundo a PF, a estimativa é de que, com a deflagração da operação, tenha sido gerada uma economia de, pelo menos, R$ 13,6 milhões de reais, apenas considerados os benefícios previdenciários identificados e suspensos nessa primeira fase da investigação.

Os investigados responderão pelos crimes de estelionato majorado, falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistemas de informação e formação de quadrilha, cujas penas podem chegar a 15 anos de reclusão.

Participam da Operação 50 policiais federais dos estados do Piauí, Ceará, e do Distrito Federal, com apoio de servidores da CGINT e IBAMA.

Por: Nathalia Amaral

Deixe seu comentário