Peixe raro achado em praia do Piauí é tóxico e não pode ser consumido

O peixe-lua, apesar de ser apreciado em várias culturas, não pode ser consumido por possuir neurotoxinas, afirma especialista

02/07/2021 12:16h - Atualizado em 02/07/2021 15:09h

Compartilhar no

Um peixe-lua, animal das profundezas do oceano e raríssimo de ser visto, foi encontrado encalhado nesta quinta-feira (01) na praia de Luís Correia, litoral do Piauí. Conhecido cientificamente como Mola Mola, o peixe, que está ameaçado de extinção, morreu horas depois de ter sido encontrado. Em algumas culturas o animal é capturado para consumo, mas, segundo a Bióloga Geórgia Aragão, o peixe possui substâncias tóxicas que podem desencadear reações nos humanos.

(Foto: Divulgação/Internet)

De acordo com a Doutora em Sistemas Costeiros e Oceânicos, o peixe-lua possui neurotoxinas. “Ele tem algumas características importantes que faz com que a gente deva evitar o consumo. Além dele ser uma espécie ameaçada de extinção, o peixe-lua tem neurotoxinas em pequenas quantidades. Eles são considerados reservatórios de vários parasitas, então caso a pessoa venha se alimentar deste animal, ela pode estar adquirindo algumas patologias relacionadas a parasitoses”, declara. 

Geórgia Aragão também cita as mudanças climáticas que estão ocorrendo ao redor mundo como um possível fator do aparecimento deste peixe na região litoral piauiense. Ela conta que as alterações interferem em várias características das águas, tanto profundas quanto superficiais.


“Essa pode ser uma possibilidade a ser discutida. Quando falamos em mudanças climáticas, a gente fala de aumento de temperatura nas águas oceânicas e alterações nas correntes, que geralmente ocorrem por conta das mudanças dos ventos. Aqui no litoral, estamos em uma época de muito vento e, apesar disso ser atípico nesse período do ano, está acontecendo”.


Segundo a bióloga este animal não é comumente visto em regiões litorâneas. A especialista afirma que uma das hipóteses é que ele tenha sido arrastado por uma correnteza muito forte. Além disso, também pode ser que o peixe tenha sido conduzido a uma área mais próxima do litoral pelas ‘pescas de arrasto’, prática realizada pela indústria da pesca no mundo todo. 


“As rajadas de ventos estão muito fortes, então ele pode ter sido trazido pela correnteza. Também existe a possibilidade de ter sido pesca de arrasto, apesar disso não ser muito comum no nosso litoral”, complementa.


(Vídeo: Divulgação/Internet)

O peixe-lua é uma espécie que geralmente é encontrada em oceanos e mares tropicais. No Brasil, ele está na lista vermelha de animais ameaçados. Além de também ser considerado em extinção pela União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN). 

O animal possui uma estrutura óssea e, na sua forma adulta, pode chegar até três metros e meio de circunferência, além de pesar cerca de duas toneladas. Apesar dele ser grande, se alimenta basicamente de medusas, águas vivas e micro-organismos, que ele não precisa mastigar, pois não tem dentes. E, diferentemente dos outros peixes, o peixe-lua não possui cauda. 

No Piauí, o peixe foi recolhido e armazenado em uma câmara fria para servir como material didático, através do Ecomuseu.

Compartilhar no
Edição: Ithyara Borges

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário