Miguel Leão e Santo Antônio dos Milagres têm os menores PIB do país

No contexto do Nordeste, o Piauí também se destaca com 14 municípios fazendo parte da relação dos 30 menores PIBs da região.

16/12/2020 11:08h - Atualizado em 16/12/2020 11:27h

Compartilhar no

Santo Antônio dos Milagres, no Piauí, foi o detentor do menor PIB de todos os municípios do Brasil. O segundo menor também ficou com um município piauiense, o de Miguel Leão. As duas cidades apresentaram crescimento com relação ao registrado em 2017, mas não foi o suficiente para subirem na tabela. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em parceria com a Secretaria de Planejamento do Governo do Piauí, através da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais (CEPRO), e foram divulgados nesta quarta-feira (16).

Foto: Cidade de Miguel Leão. Reprodução/Facebook

Santo Antônio dos Milagres aumentou 8,7%, tendo passado de R$ 12,9 milhões, em 2017, para R$ 14,1 milhões, em 2018. Miguel Leão cresceu 12,3%, tendo passado de R$ 14,7 milhões, em 2017, para R$ 16,5 milhões, em 2018.

Além deles, no contexto do Nordeste, o Piauí também se destaca com 14 municípios fazendo parte da relação dos 30 menores PIBs da região.

Em 2018, 70% dos municípios do Piauí estão entre os 1% de menor PIB do Brasil, ou seja, 156 cidades piauienses entre os 1.346 municípios do Brasil detinham 1% do total do PIB do país e 3,1% da população.

Mais de 90% dos municípios do Piauí têm na Administração, Defesa, Educação e Saúde públicas e Seguridade Social, a principal atividade econômica. Esse mesmo percentual de participação também é verificado nos municípios do Acre, Roraima, Amapá, Paraíba e Distrito Federal. Contudo, aquela atividade econômica é a principal em 49,2% dos municípios do país, o equivalente a 2.739 cidades. No estado de São Paulo, que tem o maior PIB do país, a Administração Pública só é a atividade mais importante para cerca de 9,6% dos municípios.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Ithyara Borges, com informações do IBGE

Deixe seu comentário