Novembro Roxo: pré-natal pode evitar causas de prematuridade

A cada 30 segundos, um recém-nascido vai a óbito em consequência do parto antecipado no Brasil.

07/11/2020 17:24h - Atualizado em 07/11/2020 17:40h

Compartilhar no

Novembro Roxo é o mês de conscientização da prematuridade, no Brasil  a cada 30 segundos, um recém-nascido vai a óbito em consequência do parto antecipado. No ranking mundial de prematuridade, conforme dados divulgados pela organização não governamental (ONG) Prematuridade.com o país ocupa o 10° lugar, por isso é importante ressaltar  durante todo ano as medidas que podem evitar que um bebê nasça antes do tempo previsto que é de 40 semanas de gestação.

Além disso, a prematuridade é uma problema recorrente no mundo inteiro e as principais causas de prematuridade podem ser evitas, no caso de uma mãe que não tem uma gravidez planejada e não procura um médico logo no início, ela acaba não fazendo um pré-natal adequado e pode ter complicações no futuro.

"Com o pré-natal é possível evitar possíveis infecções que podem ser transmitidas para o bebê e problemas maternos que podem ocasionar uma pré-eclampse, por exemplo", afirma a médica pediatra Anenisia Andrade.

 Segundo a médica, a prematuridade pode ser classificada em três: crianças com idade gestacional de 34 a 36 semanas, é considerado uma prematuridade em grau leve, são casos que  podem acontecer em partos cesários agendados. 


Agnes prematura de 34 semanas. Foto: Arquivo Pessoal

"Muitas mulheres programa suas cesarianas e nós temos um alto risco de cesarianas que é feito um pouco antes da hora e a criança acaba nascendo pretermo, muitas vezes tem aquela falsa ideia de que está quase maduro e no final é uma criança que tem pulmão imaturo, que pode precisar de oxigênio, e se estivesse esperado um pouco mais o bebê teria nascido bem", explica Anenisia Andrade.

Já os casos mais graves a criança nasce com menos de 34 semanas, este é o caso da Aline Gomes mãe da Agnes, bebê prematura. "Nos exames periódicos de 29 semanas descobri que minha placenta já estava madura, o médico ficou me acompanhando toda semana, e com 33 semanas fiz o exame e a médica disse que eu tinha que tirar a minha bebê dentro de 72 horas, foi aquele desespero". dia Alina Gomes.


Agnes, Aline e sua família. Foto: Arquivo Pessoal

Mas mesmo em meio ao medo de Aline, a Agnes nasceu bem, pesando  1. 560 kg e precisou ficar 32 dias na maternidade para  ganhar peso, os pais iam ao hospital duas vezes ao dia para deixar leite materno. "Agora, faz uma semana que ela não quer mais leite materno e está somente na fórmula, mas está super bem, com os exames ok, e agora é só alegria", conta Aline Gomes.

Prematuro extremo

O prematuro extremo é o bebê que nasce antes de 29 semanas,  que são bebês em geral que precisam de reanimação, intubação e devem ficar na UTI, e dependendo da idade gestacional a crianças pode ficar na UTI em torno de um mês e em casos mais graves podem ficar até 6 meses em uma maternidade.

 Larissa Rodrigues é servidora pública e teve sua gestação interrompida com 29 semanas por causa de uma pré-eclampse e baixo liquido.


Maria Luiz e seus paia. Foto: Arquivo Pessoal

 "Maria Luiza que nasceu pesando 750g e com 32 centímetros ela é uma prematura extrema. Na maternidade ela foi acolhida, bem recebida e muito amada pela equipe da UTI Neonatal.  Ela ficou 2 meses e um dia no hospital e para mim foram dias terríveis eu não via a hora de pegar minha filha no colo e trazer para casa", diz Larissa Rodrigues.


Maria Luiza prematura de 29 semanas. Foto: Arquivo Pessoal

Durante este período na maternidade Maria Luiza não precisou ser intubada e não teve intercorrências, ela recebeu alta com 1.778 kg e hoje pesa 3.500 kg e está  medindo 51 centímetros "minha pequena grande guerreia", afirma Larissa Rodrigues emocionada.

Compartilhar no
Por: Sandy Swamy

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário