• show Legião Urbana
  • casa gourmet 2018
  • TV O DIA - fullbanner w3b
  • TV O Dia - fullbanner

No Piauí, 45,3% da população vive com até R$ 406 por mês

Considerando o país como um todo, segundo o IBGE, seriam necessários R$ 10,2 bilhões mensais para erradicar a pobreza.

05/12/2018 15:49h

A criança no sinal, o pedinte nas praças do Centro da cidade e os moradores das periferias da nossa cidade: eles provavelmente fazem parte do alarmante contingente de pessoas que vive em condições de pobreza, com até R$ 406 por mês, que no Brasil é formado por 54,8 milhões de pessoas. No Piauí 45,3% da população residente em domicílios particulares permanentes vive na linha da pobreza. A análise foi apresentada pelo Síntese de Indicadores Sociais (SIS) na quarta-feira (5).

O relatório indica um aumento na proporção de pessoas pobres no Brasil: em 2016, 25,7% da população estava na linha da pobreza e o percentual subiu para 26,5%, em 2017. Nesse quesito, o Nordeste aparece em posição de destaque e concentra a maior parte da população que vive com até R$ 406 mensais. Na região, 44,8% estava em situação de pobreza, o que equivale a 25,5 milhões de pessoas.

Considerando o país como um todo, segundo o IBGE, seriam necessários R$ 10,2 bilhões mensais para erradicar a pobreza. A definição de linha da pobreza é feita com base na linha de pobreza proposta pelo Banco Mundial. O Brasil não possui uma linha oficial da pobreza como parâmetro para essas análises.

No Piauí, 45,3% da população vive com até R$ 406 por mês. (Foto: Arquivo/O Dia)

De acordo com o instituto, a erradicação da pobreza é um dos temas centrais da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, e reafirma que a temática figura há anos nos esforços analíticos e de políticas públicas no Brasil. No entanto, há retrocesso, demonstrado no levantamento nacional.

Além disso, foi registrado também o aumento da população vivendo na linha de extrema pobreza global entre 2016 e 2017, que compreende a parcela que vive com um rendimento domiciliar per capita inferior a US$ 1,90 por dia, o que representa em valores atuais cerca de R$ 140 mensais. No País, em 2016 havia 6,6% da população abaixo desta linha, valor que chegou a 7,4% em 2017. Assim, mais 15 milhões de pessoas viviam abaixo da linha da pobreza nesse período. 

"Aumentar a renda dos pobres reduz a desigualdade, e aumentar a renda dos ricos faz crescer a desigualdade”, diz especialista

Ao tempo que a parcela populacional de pessoas vivendo na pobreza e extrema pobreza aumentam, o teto salarial também aumenta no Brasil, levando ao “efeito cascata” no funcionalismo público, gerando um impacto estimado de quase R$ 6 bilhões.

O aumento do salário para os onze ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, de R$ 33.780 para R$ 39.293 foi sancionado pelo presidente Michel Temer no final de novembro. 

Estima-se que o impacto do aumento nos cofres públicos, em 2019, será de R$ 1,4 bilhão. Com "efeito cascata" nos salários do funcionalismo público, espera-se um acréscimo de mais R$ 4 bilhões nos gastos.

Para especialistas, esse reajuste intensifica a desigualdade. Em entrevista à Folha de São Paulo, Rodolfo Hoffmann, que é professor da USP com estudos acerca da distribuição de renda, afirma que “aumentar a renda dos pobres reduz a desigualdade, e aumentar a renda dos ricos faz crescer a desigualdade”.

Dias antes da sanção presidencial, o presidente eleito Jair Bolsonaro chegou a se pronunciar sobre o assunto, mostrando que viu a mudança com preocupação. Para ele, esse “não é o momento” para conceder um aumento ao Judiciário.

Edição: Nathalia Amaral
Por: Ananda Oliveira

Deixe seu comentário






Enquete

Um jovem morreu ao sofrer descarga elétrica colocando celular para carregar. Quais cuidados você toma em relação a isso?

ver resultado