Mototaxista mata esposa com tiros de espingarda em Campo Maior

Maria de Nazaré dos Reis Santos foi atingida com um tiro no pescoço, mas não resistiu aos ferimentos e morreu ainda no local

28/07/2021 09:07h - Atualizado em 28/07/2021 09:39h

Compartilhar no

Uma mulher de 50 anos, identificada como Maria de Nazaré dos Reis Santos, foi morta a tiros pelo próprio companheiro, na noite desta terça-feira (27), em Campo Maior. O crime ocorreu por volta das 22h, no interior de uma residência localizada no bairro de Fátima, às margens do Açude Grande. 

O mototaxista Francisco Magno Soares da Costa, conhecido como ‘Louro’, efetuou o disparo com uma espingarda, atingindo o pescoço da vítima, que não resistiu e teve óbito ainda no local. 


Leia também: Violência contra Mulher: Piauí registra aumento do número de medidas protetivas 

Segundo o major Etevaldo Silva, comandante do 15º Batalhão da Polícia Militar de Campo Maior, o casal vivia juntos há cerca de um ano e meio. “Os vizinhos informaram que o casal vivia se desentendendo. O relacionamento era permeado por muitas brigas, discussões e ciúmes”, pontua. 

(Maria de Nazaré dos Reis Santos. Foto: Reprodução/Redes Sociais)

O major informou ainda que o acusado chegou na residência visivelmente embriagado, e, ao discutir com a companheira, ele acabou efetuando o disparo. “A vítima morreu no local e o acusado se jogou na rodovia, como se estivesse desesperado. Ele fingiu-se desacordado, mas a Polícia Militar foi acionada e o homem foi preso em flagrante por feminicídio”, declara.

No local do crime foram apreendidos a espingarda utilizada, algumas munições e também a motocicleta do acusado. O homem foi encaminhado à Central de Flagrantes de Campo Maior, para cumprimento da prisão. 

O comandante Etevaldo Silva lamenta mais um caso de feminicídio no Piauí, que dessa vez vitimou uma dona de casa. Todavia, ele afirma que a polícia cumpriu o seu devido papel ao efetuar a prisão do acusado.


Violência contra mulher

Um levantamento da Secretaria de Segurança Pública divulgado em março deste ano revelou que, em média, pelo menos 17 mulheres denunciam que sofrem violência doméstica no Piauí por dia. Os números se referem ao primeiro bimestre de 2021, quando as Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAM) atenderam 1.051 mulheres em estado de vulnerabilidade doméstica. O número representa um aumento de 13,37% em relação a janeiro e fevereiro de 2020, quando a polícia atendeu a 927 registros desta natureza. 

No primeiro bimestre de 2021, a Secretaria de Segurança Pública do Estado recebeu 77 denúncias ou acionamento de casos de violência contra a mulher através do aplicativo Salve Maria. O serviço conta com um botão do pânico, que pode ser acionado a qualquer hora em qualquer lugar. O chamado de socorro é recebido pela central de monitoramento, que aciona a força policial e a encaminha para checagem da ocorrência no local onde ela está em andamento.

(Foto: Arquivo O Dia)

Denúncias

As denúncias de violência doméstica podem ser realizadas através do número 190. De acordo com dados do Anuário de Segurança Pública, apenas em Teresina, foram registradas 996 ligações no ano de 2019. Já em 2020, esse número subiu para 2161. Em comparação a 2020, a variação é de 117%.

As mulheres também conseguem realizar notificações formais de denúncia de violência pela Central de Atendimento à Mulher - 180 e podem procurar as Delegacias da Mulher em Teresina, que ficam localizadas nas regiões Centro, Sul, Sudeste e Norte, pelos respectivos telefones:

(86) 3222-2323 / (86) 3220-3858 / (86) 3216-1572 / (86) 3225-4597 

A Central de Flagrantes está realizando atendimento para crimes de violência doméstica contra a mulher, feminicídio, estupro e a critério da autoridade policial.


Compartilhar no
Edição: Isabela Lopes

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário