• Enem
  • Premium Outlet
  • Salve Maria
  • Jovens escritores 2019
  • Banner paraíba
  • AZ no rádio
  • cachoeir piaui
  • Novo app Jornal O Dia
  • TV O DIA att
  • TV O Dia - fullbanner

Motoristas por aplicativo realizam paralisação nacional nesta quarta

Categoria exige remunerações melhores e mais transparência das empresas que gerenciam o serviço.

07/05/2019 14:23h - Atualizado em 07/05/2019 15:01h

Nesta quarta-feira (8), haverá uma paralisação nacional de motoristas por aplicativo. O objetivo é exigir mais transparência por parte das empresas do setor, bem como remunerações mais justas pelo trabalho que realizam.

Em Teresina, os motoristas por aplicativos vão se concentrar na Ponte Estaiada Mestre João Isidoro França no turno da manhã. Em seguida, farão uma carreata pela cidade e, à tarde, vão até a sede da Uber em Teresina, para realizar um ato.

"As plataformas disponibilizam o aplicativo, nós instalamos e vamos trabalhar. O que elas quiserem fazer com a gente elas podem fazer. Podem nos excluir na hora que quiserem sem dar satisfação. Então, nós estamos pedindo mais transparência nessa relação", afirma Anthero Nunes, diretor da Associação dos Motoristas Autônomos para Transporte Privado Individual de Passageiros no Piauí (Amatepi).

Os motoristas também querem que as empresas passem a cobrar percentuais mais justos, que, segundo a categoria, tem aumentado de forma injustificada. "Como está muito difícil entrar no mercado de trabalho, e o transporte privado de passageiro às vezes é a única saída que muitos encontram, essas empresas estão aproveitando para escravizar a mão-de-obra dos brasileiros", acrescenta o representante dos motoristas.

Anthero Nunes, diretor da Associação dos Motoristas Autônomos para Transporte Privado Individual de Passageiros no Piauí (Amatepi)

"Queremos uma readequação nos ganhos, porque já estamos com três anos com defasagem. E isso não é porque os clientes estão pagando muito pouco. É porque quando está apertando para as empresas, elas cobram um percentual maior da gente, pra poder manter o preço pro cliente. Eles começaram cobrando 25% e hoje já chega a 40% em algumas corridas. Pelos nossos cálculos, eles estão cobrando uma média de 32,5%. E nós é que temos as despesas, com gasolina, manutenção, etc", acrescenta Anthero Nunes.

O diretor da Amatepi ressalta que a paralisação no Brasil foi inspirada em manifestações que estão sendo realizadas por motoristas dos Estados Unidos. O protesto coincide com a semana em que a Uber - maior empresa do setor - lançará suas ações na bolsa de valores de Nova York.

"A Uber vai entrar na bolsa de valores esta semana. E nós decidimos parar justamente neste momento para ela sentir a queda na bolsa, e, assim, nos ouvir", pondera o representante da categoria.

Por: Cícero Portela

Deixe seu comentário