Monomotor que caiu em aeroporto é o mais aconselhável para treinos

Aeronave, produzida no Brasil desde 1985, é uma das mais usadas por executivos no país

17/12/2013 12:34h - Atualizado em 17/12/2013 14:29h

Compartilhar no

O avião Cessna 172, modelo do monomotor que caiu no aeroporto Petrônio Portela em Teresina na noite de ontem (16), é o mais aconselhável para treinos e voos de instrução por sua leveza e relativa facilidade de manuseio por parte do piloto. A aeronave é produzida pela Cessna Aircraft Company, empresa norte-americana que fabrica aviões monomotores de pequeno porte e jatos executivos.

Fotos: Divulgação/Cessna Aircraft Company


Aeronave é produzida no Brasil há 28 anos

O monomotor possui uma asa alta e envergadura robusta, sendo um dos mais procurados para viagens curtas e por aspirantes a piloto no Brasil. Sua estrutura básica é pequena permite um maior controle de quem o pilota , mas também representa risco em caso de voos com clima instável e ventos fortes.

 


Modelo Cessna-172 Skyhawk produzido pela Cessna Aircraft Company

Muitos empresários brasileiros utilizam o Cessna-172 Skyhawk como meio de transporte em viagens dentro do país. A aeronave atinge uma velocidade máxima de 222 Km/h e possui curto tempo de decolagem por conta de sua leveza e reduzida envergadura. Sua potência máxima chega a cerca de 119 kW alcançando a altura máxima de 10.000 pés. Durante a subida, após uma decolagem, o Cessna-172 Skyhawk atinge 720 pés/min.

Os estudantes que procuram clubes do voo no Brasil que utilizam o Cessna-172 Skyhawk desembolsam em média R$ 400,00 por hora/aula.


Leia também:

Avião cai e quatro pessoas morrem carbonizadas 

Queda de avião: primos trancaram curso de direito para serem pilotos 

Principal contribuinte para acidente em voo é a falha no comando 


Acidente em Teresina

O fato de o avião ter 'caído de barriga' na pista do Aeroporto Petrônio Portela, pode significar uma falha técnica na aeronave, provavelmente relacionada a perda de potência do motor de acordo com representantes de aeroclubes brasileiros. "Como o exercício básico usado com essas aeronaves geralmente é o toque arremetida, uma falha de motor durante a decolagem ou pouso provocaria a perda de sustentação (no jargão conhecido como “estolar o avião”), dizem instrutores.

Outro fato mencionado é o fato de o modelo ser um monomotor. Instrutores dizem que isso é uma vantagem e um risco ao mesmo tempo. "O fato de o Cessna-172 ter apenas um motor significa que ele é leve e fácil controle, mas também se esse único motor falhar, o risco de um acidente é maior, já que não há outro que o mantenha no ar para um pouso de emergência”. No entanto o uso de bimotores em aulas de instrução acontece apenas na fase final da formatura, quando o aluno está buscando a licença de PC (Piloto Comercial) e PLA (Piloto de Linha Aérea).

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário