• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Mal súbito e acidentes com motos lidera atendimentos no HUT

Dados divulgados pela Prefeitura de Teresina revelam ainda que acidentes com motocicletas aparecem em segundo lugar, seguido de corpo estranho no olho. Vítimas de queda aumenta 2,2% em relação ao ano de 2018

11/02/2020 13:30h - Atualizado em 11/02/2020 15:32h

Dados divulgados pela Prefeitura de Teresina mostram que o mal súbito liderou, em 2019, o número de atendimentos realizados no Hospital de Urgência de Teresina (HUT). Segundo o hospital, foram registrados 11.174 atendimentos, o que correspondeu 19% das solicitações geral da unidade de saúde no período. Acidentes com motocicleta ficou na segunda colocação, com 9.074 (16%), seguido de corpo estranho no olho com 4.756 (8%).

Foto: Assis Fernandes. 

Apesar de aparecer na segunda colocação, os acidentes com motocicletas são os que mais preocupam, pois geralmente são de pacientes que chegam em estado grave à unidade e necessitam de atendimento com um número maior de especialistas. Por essa razão, o HUT conta com uma equipe de atendimento especializado no atendimento de pacientes vítimas de traumas que funciona 24 horas por dia.

“Temos equipes especializadas no trauma para atender essa demanda com mais segurança e qualidade. Esses profissionais são preparados para receber esse tipo de paciente e dar agilidade ao atendimento. O tempo nesse tipo de atendimento é crucial para o sucesso da assistência. Além dos profissionais, temos equipamentos que fazem toda a diferença na hora de fechar o diagnóstico”, esclarece Dr. Péricles.

Foto: Assis Fernandes. 

O corpo estranho no olho chamou atenção de especialista pela quantidade de atendimentos realizados em 2019. Segundo o oftalmologista Igor Marcelos, as principais demandas foram relacionadas a acidentes de trabalho e à laceração da córnea.

 “São pessoas que não utilizam equipamento de proteção adequada e apresentam corpo estranho no olho, geralmente metálico. Outras demandas que aparecem bastante são acidentes de moto, com pessoas que não usam capacete e sofrem traumas na região ocular”, explica.

Outros números

Segundo o HUT, foram contabilizados mais de 6 mil atendimentos com vítimas de quedas, resultando no aumento de 2,2% em relação a 2018. Por mês, a unidade de saúde uma média de 5 mil atendimentos e 1.200 cirurgias.

Por: Jorge Machado, do Jornal O Dia com informações do HUT

Deixe seu comentário