Jovens heterossexuais são os que mais contraem HIV no Piauí

As informações são do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde

01/12/2021 08:56h

Compartilhar no

Hoje (01) é comemorado o Dia Mundial de Luta contra a AIDS e segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), de 2017 até o dia 26 de novembro de 2021, o Piauí notificou 3.898 pessoas com o vírus da AIDS. Os casos de HIV no Estado variam muito, por ano de diagnóstico: em 2017, foram notificados 801 casos; em 2018, 865 casos; em 2019, foram notificados 923 casos; em 2020, 713 casos e, em 2021, 596 casos notificados.


Leia também: No Piauí, 19 municípios com altas de casos Covid-19 recebem força-tarefa 

Foto: Agência Brasil

A faixa etária que compreende de 20 a 34 anos é que mais teve aumento crescente na contração do vírus, seguido pela faixa dos 35 a 49 anos de idade. Na frequência por categoria de exposição, o público heterossexual teve um maior número de contaminação em relação ao público homossexual e bissexual. 

As cidades do Piauí com maior número da população com Aids nos últimos cinco anos são Teresina com 2.384 casos; Floriano, 162 casos; Picos, 103 casos; Piripiri com 89 casos; Campo Maior, 69 casos; Altos, 62 e Demerval Lobão com 57 casos. Com objetivo de incentivar a prevenção e o diagnóstico precoce da população, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) tem a Coordenação de Doenças Transmissíveis; Programa Estadual de DST/AIDS e o Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA). 

A coordenadora de Doenças Transmissíveis do Estado, Karinna Amorim, reforça o papel da Sesapi em orientar os municípios para desenvolver ações estratégicas, com foco no diagnóstico precoce e no tratamento oportuno. “Nós facilitamos o acesso à testagem e ao tratamento para combater a cadeia de transmissão do HIV”, explica.

O dia 1º de dezembro foi definido em 1988, pela Organização Mundial de Saúde (OMS), como forma de conscientização e de estímulo ao aumento nas medidas de prevenção, tratamento e cuidados com os indivíduos que convivem com o vírus HIV. 

De acordo com o secretário Florentino Neto, são mais de 30 anos da doença com grandes avanços no combate. “ Os avanços no diagnóstico e no tratamento da doença, que ainda não tem cura, são fundamentais para melhorar a qualidade de vida das pessoas portadoras do vírus. Através da Coordenação de Doenças Transmissíveis, temos a missão de reduzir a vulnerabilidade da população do Piauí em adquirir DST´s e HIV/AIDS”, afirma o gestor.

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário