Itaueira: criança morre em consultório odontológico e órgãos negam aplicação de sedação

De acordo com Roberta Leitão, Delegada de Itaueira, a família da criança informou que foi utilizado sedativo durante procedimento.

20/08/2021 12:40h

Compartilhar no

O Conselho Regional de Odontologia do Piauí (CRO-PI) e o Sindicato dos Odontologistas do Piauí (SOEPI) se manifestaram, nesta sexta-feira (20), a respeito do falecimento da criança Alexandre Reis de Carvalho, que ocorreu na última segunda (16), durante um procedimento médico no município de Itaueira, localizado na mesorregião do sudoeste piauiense. 

(Foto: Divulgação)

De acordo com Roberta Leitão, Delegada de Itaueira, a família registrou o B.O na delegacia por volta das 22:30 de segunda. A partir daí, a polícia da região passou a realizar a investigação a fim de descobrir a causa da morte. 

“A família nos informou que foi programado um tratamento odontológico com Alexandre e em razão dele ter autismo e ser pouco colaborativo na situação, os médicos iniciaram a sedação. Segundo os profissionais de saúde, esse procedimento já havia sido realizado em outras crianças e, infelizmente, com o Alexandre houve essa fatalidade”, conta a delegada.

Roberta Leitão afirma que foi instaurado um inquérito policial para averiguar toda a situação. A investigação deve correr em sigilo devido ao Estatuto da Criança e do Adolescente e também em respeito à privacidade da família. 

Em nota, os órgãos apontam que a situação está sendo acompanhada de perto e declara ainda que não houve administração de sedativo pelo médico que atendeu a criança. 

Confira o comunicado na íntegra:

O Conselho Regional de Odontologia do Piauí (CRO-PI) e o Sindicato dos Odontologistas do Piauí (SOEPI) vem a público externar profundo pesar e prestar solidariedade a todos os familiares da criança Alexandre Reis de Carvalho pelo seu falecimento no último dia 16 de agosto, no Posto de Saúde Zena Felipe do município de Itaueira. 

Na oportunidade, o CRO-PI e o SOEPI informam que estão acompanhando o caso de perto e que nenhuma administração de medicação ou sedativo foi realizada pelo (a) profissional de odontologia ou profissional de saúde bucal presente no momento.

Compartilhar no
Edição: Ithyara Borges

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário