Internet impulsiona nova geração de humoristas piauienses

Levando histórias populares para divertir o público, os novos nomes do humor se consolidam aos poucos utilizando as redes sociais e o Youtube.

10/04/2019 06:56h - Atualizado em 10/04/2019 08:00h

Compartilhar no

É com um celular na mão e um bom repertório de contos e causos do cotidiano que alguns jovens hoje vêm conquistando uma legião de seguidores e formando a nova geração do humor piauiense. O start veio de forma amadora e com fórmulas próprias, naturais do estilo de cada um, através de vídeos publicados nas redes sociais. Hoje, com o sucesso e a viralização desse conteúdo, eles já têm circulado o Brasil, levando a essência nordestina por todo o país. 

Com mais de 200 mil seguidores no Instagram, Gee Sousa é um fenômeno na internet e um dos nomes da nova geração de humoristas do Brasil. O jovem despontou no humor piauiense no Youtube, quando ainda integrava, com alguns amigos, um grupo de humor. Depois disso, passou a usar seus próprios perfis na internet para compartilhar situações vivenciadas por ele e pela família. Logo conquistou um público que passou a se identificar.

Gee Sousa tem mais de 200 mil seguidores no Instagram - Foto: Divulgação

Gee se utiliza de uma fórmula que muitos dos humoristas atuais também usam. Eles levam ao público histórias populares. “Eu acho que o segredo é a questão da identificação, você saber qual o público e quem vai comprar o seu tipo de humor. Hoje tudo que acontece na atualidade temos que transformar em piada e as pessoas gostam porque a gente transforma o que acontece de ruim em piada. Quando a gente fala na nossa vida eles também se identificam”.

Não demorou muito para que Gee Sousa saísse das redes direito para os palcos. Depois de shows de stand-up comedy pelo Piauí, em 2018 ele teve sua primeira apresentação no Comedians Club, o mais importante teatro de humor do país, que pertence aos também humoristas Rafinha Bastos e Danilo Gentili. A conquista veio depois de uma votação no Instagram, onde disputou outros humoristas do Brasil.

Nos palcos Gee Sousa já se apresentou ao lado de Whindersson Nunes, Carlinhos Maia e Tirulipa. Para ele a internet é importante e viabiliza o contato com o público nos palcos. “Os palcos vêm lado a lado com as produções para a internet. Eu me sinto mais confortável em um show de humor porque consigo escutar as pessoas e interagir com elas. Na internet posso falar o que eu quero, mas não sei quem está assistindo, pessoalmente consigo ver a reação das pessoas”.

Cenário está se consolidando 

Bruno Lima é outro nome que desposta no humor piauiense na atualidade. Sua carreira iniciou em 2009 como ator na Cia. de Teatro da Tribo, fazendo espetáculos teatrais. Anos depois, em 2013, entrou pra comédia Stand Up e começou a levar humor para a internet. Para ele, a nova geração do humor no Piauí está se consolidando, por isso o cenário ainda é difícil para quem está começando.

“Se observarmos os grandes humoristas eles já têm uma carreira consolidada. Com história fora e dentro do Piauí. Pra eles o humor no Piauí é uma pessoa adulta. Mas pra gente, galera que começou o Stand Up comedy por volta de 2013 e não tem uma história grandiosa como a deles, o humor no Piauí ainda é uma criança de dois anos. Quando começamos em 2013, já sabíamos que tudo caminhava para a internet”, avalia.

Apesar de cases de sucesso como o de Whindersson, e das novas fórmulas de conquistar o público, Bruno considera que fazer humor no Piauí continua sendo uma tarefa árdua. “O Whindersson começou com a gente em 2013. Éramos do mesmo grupo e confesso que depois dele o humor aqui mudou pouca coisa em relação o número de pessoas na plateia em nossos shows. Ainda é muito difícil colocar 100 pessoas no teatro”.

Bruno Lima iniciou sua carreira como ator em 2009 - Foto: Divulgação

A internet vem para os humoristas, segundo Bruno, como um mecanismo para gerar visibilidade. Ter repercussão nas redes sociais leva ao reconhecimento do público e, consequentemente, a um trabalho nos palcos. “Mais difícil que um médico ou professor, que tem um certificado comprovando, eu preciso convencer que sou comediante. Preciso convencer que sei fazer o que faço. E esse processo é através das redes sociais”.

Por mais difícil que o cenário ainda possa parecer, Bruno Lima não pretende desistir. Ele segue positivo de que esse é um caminho.  “É o que eu mais amo fazer. E eu acredito que é por isso que serei reconhecido nacionalmente e depois aqui”, e acrescenta sobre o futuro do humor no Piauí, “O humor vai ser diferente para os comediantes daqui que tiverem destaque nacional como o Whindersson Nunes, que em 2013 fazia show para 50 pessoas no teatro Torquato Neto e hoje faz show pra 6 ou 7 mil pessoas no Theresina Hall”. 

Compartilhar no
Por: Yuri Ribeiro - Jornal O Dia

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário