IBGE: homens do Piauí têm a menor expectativa de vida do Brasil

Os foram divulgados pelo IBGE no estudo Tábua Completa de Mortalidade 2019.

26/11/2020 10:50h - Atualizado em 26/11/2020 11:23h

Compartilhar no

expectativa de vida de um piauiense nascido em 2019 é em média de 71,6, o número é superior apenas ao verificado para o Maranhão, onde a expectativa de vida é de 71,4 anos.  No Brasil, uma pessoa nascida em 2019 tem esperança de viver por 76,6 anos, o que representa 5 anos a mais do que no Piauí. Estes dados são da Tábua Completa de Mortalidade 2019 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Leia também:

População de idosos cresce quase 15% na última década 

No Piauí, 11 idosos morreram por Covid-19 em 24 horas 

Em 26 anos, Piauí será um estado de idosos, afirma ONU 


No Piauí, a situação é pior entre os homens que têm a menor expectativa de vida do Brasil. Um piauiense do sexo masculino nascido em 2019 tem expectativa de viver 67,3 anos em média. No Brasil, a expectativa de vida de ao nascer para o sexo masculino é de 73,1 anos, o que representa 5,8 anos a mais do que os nascidos no Piauí. Em geral, as mulheres têm expectativa de vida ao nascer superior aos homens. Isso ocorre como reflexo dos altos níveis de mortalidade de jovens do sexo masculino por causas violentas.

Sendo assim, as pessoas do sexo feminino nascidas em 2019 têm esperança de viver por 76 anos, revelando uma diferença de 8,7 anos a mais de vida do que os homens do estado. Essa diferença é a terceira maior do país, inferior apenas à Bahia (9,2 anos) e à Alagoas (9,5 anos). Apesar de ser esperado que vivam mais do que os homens piauienses, as mulheres nascidas no Piauí têm a quarta menor expectativa de vida do Brasil.

 O indicador é superior apenas ao das pessoas do sexo feminino que nascem em Rondônia (75,5 anos), no Maranhão (75,3 anos) e em Roraima (75,1 anos). A expectativa média é que as pessoas do sexo feminino nascidas no Brasil, em 2019, vivam por 80,1 anos, o que significa 4,1 anos a mais do que as nascidas no Piauí. 

População do Piauí tem a 2° menor expectativa de vida após os 60 anos

Outro dado importante divulgado pelo IBGE é que a população piauiense que tinha 60 anos de idade em 2019 deve viver por mais 20 anos, em média, de acordo com as projeções do IBGE divulgadas no estudo Tábua Completa de Mortalidade 2019. Sendo esta a segunda menor perspectiva do país, melhor apenas do que em Rondônia, onde a expectativa de vida para uma pessoa que completou 60 anos de idade em 2019 é de mais 19,7 anos.

Entre os homens do Piauí que tinham 60 anos de idade em 2019, a perspectiva é ainda menor: 17,9 anos, a expectativa de vida mais baixa do país entre os idosos do sexo masculino. Entre as mulheres do Piauí, o esperado é que vivam por mais 21,8 anos. Apesar de estarem em situação melhor do que os homens do estado, as mulheres do Piauí que tinham 60 anos de idade em 2019 têm a terceira menor expectativa de vida, acima apenas de Rondônia (21,2 anos) e de Roraima (21,1 anos).

 No Brasil, o esperado é que as pessoas que completaram 60 anos de idade em 2019 vivam por mais 22,7 anos. Entre os homens do país, a média fica em mais 20,4 anos. Já entre as mulheres brasileiras, a perspectiva é de que vivam por mais 24,4 anos.


IBGE: homens do Piauí têm a menor expectativa de vida do Brasil. Foto: Arquivo O Dia

Dobra a chance de sobrevivência entre os 60 e os 80 anos de idade no Piauí

 Uma pessoa que completou 60 anos de idade em 2019 possui duas vezes mais chance de chegar aos 80 anos de vida do que alguém que tinha 60 anos de idade em 1980, no Piauí. Apesar da expectativa de vida da população idosa do Piauí ser a segunda menor do país, a taxa de sobrevivência em idades avançadas teve crescimento nas últimas décadas. Em 1980, apenas 231 em cada mil pessoas com 60 anos de idade chegaria a completar 80 anos de vida. Em 2019, a perspectiva é de que 514 em cada mil pessoas com 60 anos de idade devem chegar aos 80 anos de existência. O aumento foi de 123%.

O indicador reflete a diminuição da taxa de mortalidade entre a população idosa, o que fez com que a probabilidade de sobrevivência entre os 60 e os 80 anos de idade aumentasse em todo o país. O Piauí teve o quarto maior crescimento nesse índice, atrás apenas do Maranhão (131%), de Roraima (141%) e de Rondônia (211%).

  Apesar do crescimento, o Piauí tem a segunda menor probabilidade de sobrevivência entre os 60 e os 80 anos de idade (514 a cada mil). Apenas Rondônia tem índice inferior (496 a cada mil). No Brasil, cerca de 604 a cada mil pessoas que tinham 60 anos de idade em 2019 devem chegar aos 80 anos de vida.  


É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Sandy Swamy

Deixe seu comentário