Aniversários solidários ajudam a abastecer estoque de sangue do Hemopi

Nos Hemoaniversários, os doadores comemoram seus dias salvando vidas

16/09/2021 13:23h - Atualizado em 16/09/2021 13:42h

Compartilhar no

Que a doação de sangue é um ato de solidariedade e que salva vidas, todo mundo sabe. E porque não juntar essa linda ação com uma data tão especial como o aniversário? Há mais de uma década, o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí (Hemopi), realiza o Hemoaniversário, uma combinação que deu tão certo que está “virando moda” entre os piauienses.

Segundo Suzane Rocha, assistente social e especializada em Captação de Doadores do Hemopi, tudo começou  com a doadora Lanna Lorenna, há 14 anos, em Teresina. “Iniciamos esta campanha com a Lanna. Ela teve essa ideia e desde então sempre faz. No início ela vinha no anonimato, depois passou a comemorar o aniversário aqui e divulgar. Quando começamos a divulgar nas redes sociais, incentivamos mais pessoas a fazerem. Hoje, temos mais de 15 doadores que já comemoram seu aniversário todos os anos aqui. Tanto mulheres, quanto homens”, disse.

Lanna Lorenna foi a primeira doadora a realizar o hemoaniversário (Foto: Divulgação/Hemopi)

E se a solidariedade não tem limites, ela também não tem fronteiras. Este ano, o aniversário de Lanna Lorenna foi comemorado de maneira diferente, já que está morando em Portugal. Mesmo longe, a doadora e sua família se organizaram para realizar as doações de sangue em alusão ao seu dia.

“Sua família organizou tudo e vieram fazer as doações. O momento foi transmitido ao vivo para ela, que estava vendo tudo mesmo de longe. Eles imprimiram uma foto da Lanna em tamanho real, teve bolo, música e tudo”, conta Suzane Rocha.

A jornalista Vanessa também aderiu ao hemoaniversário. Ela conta que há cinco anos faz comemorações solidárias, atendendo entidades de Teresina que necessitam de divulgação. “A cada ano escolho uma entidade diferente. Tento buscar instituições que não são tão conhecidas, que não tem tanta visibilidade, para que ação, fazendo com que mais pessoas conheçam o trabalho delas. Já arrecadei fraldas de criança, fraldas geriátricas, cestas básicas e material para sopa solidária”, conta.

(Foto: Assis Fernandes/ODIA)

A doação do Hemopi era para ter ocorrido no ano passado, mas, devido a pandemia da Covid-19, precisou ser adiada. “Ano passado, meu cunhado sugeriu fazer no Hemopi, mas foi em maio, início da pandemia, ficava inviável e guardei a ideia. Este ano fiz junto com outra amiga, que aniversaria no dia anterior, a Ada Nery. Conseguimos mais de 30 doações, inclusive, o pessoal do Hemopi disse que isso era muito”, destacou. 

Picos abraça Hemoaniversário 

A ação do Hemoaniversário seguiu quilômetros adentro do Estado e ganhou novos adeptos, chegando ao município de Picos, na região Centro-Sul do Piauí. A professora Thays Santos (30), conta que comemora seu aniversário no Hemopi há seis anos. Segundo ela, esse é um desejo antigo, já que possui histórico familiar de parentes que já necessitaram de doação de sangue. 

“Doou e me sinto bem fazendo isso. Sempre quis incentivar os meus amigos a fazerem isso. Neste mês de setembro faz um ano que fiz uma cirurgia  um pouco arriscada e sempre tive no meu coração que eu iria agradecer de uma forma diferente. Sozinha salvo vidas, pois uma bolsa de sangue salva até quatro vidas, mas junto com meus amigos com certeza múltipla, salvamos ainda mais pessoas. No dia do meu aniversário, dia 10 de setembro, tiveram mais pessoas que fizeram doações além dos meus amigos e o pessoal gostou muito do tratamento e atendimento do Hemopi”, enfatiza.

A professora Thays Santos (30), conta que comemora seu aniversário no Hemopi há seis anos (Foto: Divulgação/redes sociais)

Para a professora, a resistência é o maior empecilho para quem ainda não é doador. Após conversar com seus amigos, Thays Santos conseguiu mais de 20 doações junto ao banco de sangue do Hemopi do Picos, que na época estava com estoque baixo, mas conseguiu se estabilizar após as doações. E ela adianta que o recrutamento de novos doadores não tem dia, hora ou local.

"Quando vou dar aula, sempre falo sobre a doação de sangue com os meus alunos. Estou constantemente falando para as pessoas sobre isso, porque realmente quando você ou alguém que você ama precisa, uma bolsa de sangue se torna muito importante. E eu vivo pelo mundo onde as pessoas possam enxergar isso. Não só a doação de sangue, mas o cadastro da medula óssea e também a  pessoa verbalizar para a família que quer doadora de órgãos, pois não sabemos o que pode acontecer e isso ainda tem uma resistência muito grande, poucas pessoas falam sobre isso”, acrescenta a professora.

Uma bolsa de sangue pode salvar até quatro vida

Talvez você não saiba, mas uma bolsa de sangue pode salvar até quatro pessoas. Suzane Rocha, especializada em Captação de Doadores do Hemopi, conta que em agosto deste ano, o hemocentro bateu recorde de aniversários.

“A quantidade de bolsas que recebemos nos aniversários são relativas. Cada doador doa uma bolsa e uma bolsa pode salvar até quatro vidas. Aí você múltipla, se tiver uma campanha com 20 pessoas, 80 pessoas podem ser salvas. É uma grande dimensão. O mês de agosto foi o que mais teve hemoaniversários. Tivemos seis comemorações. Neste mês, por enquanto tivemos um. Para outubro já tem dois marcados. Aos poucos vão sendo agendados. 

Para realizar o hemoaniversário é preciso entrar em contato com o Hemocentro de Teresina e fazer o agendamento da data. “O primeiro passo é eles fazerem um email, informando que querem comemorar o aniversário aqui, com objetivo de incentivar e sensibilizar as pessoas sobre  a importância da doação de sangue. E aí esse aniversariante divulga para os amigos e familiares, convidando-os para vir doar. O presente é a doação de sangue”, conta Suzane Rocha.

Antes da pandemia, o aniversário era realizado na cantina do Hemopi, mas, devido a pandemia, as comemorações estão acontecendo em uma tenda que fica em frente ao Hemocentro. E para celebrar vale tudo; bolo, docinhos, salgadinhos, balões e até banda de música. 

Suzane Rocha reforça a importância dos doadores manterem a constância e fidelidade. “As pessoas devem doar mais de uma vez para ter o banco de sangue do Hemopi sempre estável. Isso é muito importante. As mulheres podem doar até três vezes ao ano, já os homens podem doar até quatro vezes ao ano”, complementa.

O Hemopi funciona na Rua Primeiro de Maio, 235 - Centro (Sul), Teresina , de segunda a sexta, das 7h às 18h, e aos sábados de 7h às 17h. “É importante que as pessoas se tornem doadores fidelizados, que doem no mínimo duas vezes por ano. Mulheres podem doar até três vezes por ano e homens podem doar até quatro vezes por ano”, conclui.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário