• Canta
  • SOS Unimed
  • Fagner
  • Trilha das emoções
  • Novo app Jornal O Dia

Frota de ônibus em Teresina é reduzida em 20%, afirma Sintreto

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários realizou levantamento e aponta que as áreas mais afetadas são zona sul e leste.

18/08/2019 09:52h - Atualizado em 19/08/2019 11:42h

Após a implantação da integração de ônibus em Teresina, mudanças estão sendo feitas no transporte e nas vias públicas. Com as últimas alterações, a população vem notando que a quantidade de ônibus nas ruas diminuiu. Essa informação foi confirmada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários (SINTRETO), que após um relatório e vistorias nas garagens notaram que frota foi reduzida em cerca de 20%.
 De acordo com o presidente do SINTRETO, Fernando Feijão, a diferença foi notada após denúncias e demissões de funcionário. Além disso, o relatório feito pela organização mostra que as áreas mais afetadas foram zona sul que passou de 140 veículos para 120 e a zona leste que a princípio eram 112 ônibus e agora são 98.
“A gente começou a perceber que cada vez inaugura um terminal de integração, começa a desintegrar tudo, começamos a ver um número grande de demissões no sindicato, fora as que são feitas na empresa. Então começamos a acender o alerta e fomos para rua para verificar e constatamos que está faltando muito ônibus para rodar cidade, dos que foi licitado”, conta Fernando Feijão. 

Frota de ônibus em Teresina é reduzida em 20%, afirma Sintreto. (Foto: Arquivo O Dia)

Outro ponto que o presidente alega, é que a fiscalização deve ser feita pela prefeitura, para que população tenha acesso de qualidade aos ônibus, “nós enviamos ofícios para a prefeitura denunciando essa situação, eles prometeram que irão fiscalizar. Já o empresário alega que está deficitário. E a população nessa situação como que fica? A prefeitura que tem que cobrar do Setut, para que a frota de ônibus seja a que foi licitada”, explica Fernando Feijão.
Todavia, as linhas alimentares e os terminais também fazem parte da reclamação do Sindicato. O pedido é para que asfaltem as ruas da cidade e regularizem os ônibus nos terminais, “as linhas alimentadoras estão se tornando um problema por que não há faixa exclusiva para os ônibus em alguns lugares, não tem nem asfalto, e a prefeitura promete asfaltar todas as ruas que passam os ônibus. Já nos terminais ficam muitos ônibus no horário de pico, e não tem onde estacionar, fora que os usuários não sabem os destinos por causa das modificações”, pontua o presidente da Sintreto Fernando Feijão.
Gerencia de planejamento da Strans
Em contrapartida, o gerente de planejamento da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) Denilson Guerra, explica que o contrato de concessão é valido por 15 anos e que a determinação é para circular aproximadamente 400 veículos em Teresina.
“Teve o edital de licitação em 2014, o contrato foi assinado em 2015 e o regulamento já existia e foi feito algumas alterações de fiscalizações. Para liberar a frota a gerencia de planejamento estuda a quantidade de pessoas transportadas em cada tipo de linha e oferta uma quantidade de vagas para transportar essa população. Algumas infrações são previstas no regulamento por exemplo, quando a operadora deixa de cumprir determinadas ações, reduz uma viagem, retira um veículo ou um carro quebra”, descreve Denilson Guerra.
Em relação a denuncia realizada Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários (SINTRETO), o gerente de planejamento Strans, afirma que não foi notificado sobre o relatório, “até o momento a gente não recebeu o resultado da fiscalização apontada pelo Sintreto, mas aonde tenho conhecimento a operação está conforme foi licitada e de acordo como o contrato precedi”, assegura.
Denilson Guerra fala ainda sobre as faixas exclusivas de ônibus nos bairros e a irregularidade em algumas paradas que dificulta o acesso aos cadeirantes ao transporte. Segundo o gerente algumas reclamações acontecem por causa dos motoristas. E quando atividade é função dA Strans a realização é feita de acordo com um planejamento prévio.
“A faixa exclusiva está sendo implantada aonde o molde do plano diretor apontou necessidade, nem toda via de bairro precisa ter uma faixa exclusiva. Já no centro de Teresina, é possível encontrar alguns locais em que possui desníveis nas paradas, pois ainda não entramos com processo de geometria para correção, mas alguns pontos já passam pelos processos de reajustes. O outro exemplo é a obra da Frei Serafim que já está dando seus primeiros passos, logo a população vai observar isso”, ressalta Denilson Guerra.
O gerente de planejamento ressalta que sobre a lotação nos terminais de integração caso seja notado irregularidade é aplicado multas administrativas para a empresa responsável, “ os locais de lotação do desembarque, a fiscalização também identifica que o operador dificulta a operação, o veículo não deve ficar abandonado,  pois o outro colega terá dificuldade de encostar. O correto é fazer o embarque e desembarque e decupar a plataforma”, conclui Denilson.

Edição: Adriana Magalhães
Por: Sandy Swamy

Deixe seu comentário