• Curta Doar
  • Teresina 167 anos
  • Casa dos salgados
  • Novo app Jornal O Dia

Floração dos ipês anuncia a chegada da primavera em Teresina

Nesta época do ano, as árvores deixam a cidade ainda mais bonita e leva à contemplação.

14/08/2019 07:13h

A floração dos ipês, no início do mês de agosto, chama atenção dos teresinenses. A árvore deixa a cidade mais bonita e leva à contemplação. Neste mesmo período também se percebe um cheiro diferente nas ruas, vindo das flores de cajueiros e mangueiras, como explica o professor doutor em Botânica, Francisco Soares. 

“Os ipês são plantas de uma beleza cênica muito grande, elas são belas e se destacam à distância por causa do padrão de coloração. E ao tempo em que os ipês dão os estímulos visuais, por outro lado, a gente consegue perceber um perfume diferente no ar, que não vem dos ipês, mas sim dos cajueiros e das mangueiras que também estão florescidas neste período”, detalha. 


Foto: Elias Fontinele/O Dia

Segundo Francisco Soares, apesar das cores mais comuns serem o amarelo, roxo, rosa e branco, a quantidade de espécies de ipês é bem maior. “A tipificação dos ipês popularmente se faz pelo número de cores diferentes das flores. Entretanto são muito mais espécies, por exemplo, o ipê amarelo existe de 6 a 8 espécies, então o critério que a gente usa é bom para separar popularmente, mas botanicamente não, pois existe mais de uma espécie de uma mesma cor”, explica. 

Pedro Mendes é proprietário de uma farmácia na Avenida Higino Cunha e, neste período do ano, um ipê que existe em frente ao seu estabelecimento fica todo florido. Porém, o seu desejo é que a floração estivesse em mais pontos da cidade. “Era bom se fossem mais, para embelezar mais a cidade, porque é muito lindo, principalmente após a avenida da Ponte Wall Ferraz”, diz. 

Menos de 3% das sementes germinam 

Além das cores chamativas, a floração dos ipês passa por um processo diferente das outras plantas. “Uma particula ridade dos ipês é que antes de florescer, ele sofre um fenômeno chamado de caducifólia que libera todas as folhas. Então a planta fica “pelada” e, quando floresce, são somente as flores, assim chama muita atenção, pois a planta, que era verde, primeiro fica seca e depois fica toda amarela, como exemplo o ipê amarelo”, descreve o biólogo Francisco Soares. 


Foto: Elias Fontinele/O Dia

Segundo o doutor em Botânica, outro ponto interessante é que a madeira do ipê é muito valiosa, por causa da sua resistência, e são conhecidas como ‘madeira de lei’. Além disso, a planta tem uma limitação de reprodução, mesmo com o alto volume de sementes que produz. 

“São plantas que produzem um volume muito grande de sementes, entretanto, a maior parte dessas sementes são abortivas, que não germinam, elas são disseminadas pelo vento. Acontece assim, o fruto dele é seco, quando se rompe libera as sementes que estão envolvidas por uma espécie de uma seda, que ajudam elas a serem levadas pelo vento. Só que o percentual de sementes que cai no solo e germina, e gera a planta adulta, é menos de 3%”, expõe Francisco Soares.

Por: Sandy Swamy - Jornal O Dia

Deixe seu comentário