Favelas: 37 mil pessoas vivem com R$ 169,50 por mês em Teresina

De acordo com o IBGE, Teresina possui 131 mil pessoas vivendo em favelas.

06/11/2013 12:14h - Atualizado em 06/11/2013 12:23h

Compartilhar no

Em Teresina existe, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a única aglomeração que pode ser considerada uma favela, ou aglomerado subnormal, em todo o Estado do Piauí. Nas condições de moradores de uma favela vivem 131 mil pessoas, que em grande parte vivem com apenas ¼ de salário mínimo por mês.

De acordo com o Instituto, aglomerado subnormal é “um conjunto constituído de, no mínimo, 51 unidades habitacionais (barracos, casas...) carentes, em sua maioria deserviços públicos essenciais, ocupando ou tendo ocupado, atéperíodo recente, terreno de propriedade alheia (pública ou particular) e estando dispostas, em geral, de forma desordenada e densa”.


Foto: Jailson Soares/O Dia.

Local que pode ser considerado um aglomerado subnormal na zona leste da capital piauiense.


A população moradora desses aglomerados corresponde a 16% de toda a população da capital, que é de pouco mais de 800 mil habitantes. Dentre essas 131.451, que habitam 35.177 residências, 37 mil vivem com menos de R$ 169,50 por mês, o que corresponde a ¼ de salário mínimo, atualmente de R$ 678,00.

O IBGE não cita a localização desses aglomerados, mas esclarece que todas essas pessoas vivem em um espaço de 1,3 mil hectares. As casas, embora em condições superiores à da maioria do nordeste, como espaçamento de tamanho médio entre uma e outra, não possuem ou possuem de forma insatisfatória os serviços de saneamento básico, coleta de lixo e  fornecimento de água e de luz.

Teresina possui 5ª maior quantidade de analfabetos em favelas

Nos aglomerados teresinenses, vive o quinto maior grupo de pessoas sem alfabetização do Brasil. Ao todo, 19 mil pessoas ocupam as residências das favelas e não sabem ler nem escrever. 

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário