• Banner Cultura Governo do PI
  • Obras no Litoral Cultura
  • Clínica Shirley Holanda
  • SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Especial 'Dia do Poeta': poesia de cordel - trovas e rimas populares

Paulo Henrique Pereira despertou para escrita de cordel quando tinha apenas 8 anos

18/10/2019 07:23h - Atualizado em 18/10/2019 19:05h

Mônica Gentil lembra que a poesia de cordel já existia há muitos anos. Antigamente, era possível vê-las em rimas populares, trovas e repentes. Hoje, ela está nas novelas, em programas de televisão, declamada pelo cearense Bráulio Bessa e nas redes sociais.

Paulo Henrique Pereira, de 24 anos, é natural de Picos (PI), mas mora na cidade de Jaicós (PI), a 364 km de Teresina. Ele utiliza o Instagram para divulgar seu trabalho de cordelista, atualmente tem mais de 10 mil seguidores. Mas o despertar para escrita de cordel surgiu quando ele tinha apenas 8 anos.


Leia também: Novos poetas disseminam sensibilidade nas redes sociais 


“Comecei a escrever depois que ganhei um folheto de cordel de presente da minha mãe, ‘As proezas de João Grilo’. E foi amor à primeira vista. Desde então, procuro escrever sobre conflitos da vida. Eu venho de família pobre, a gente passou por muita dificuldade, teve muitos casos de suicídio. Então meus cordéis são de superação, minha poesia fala sobre luta, sobre vencer os desafios”, diz Paulo Henrique Pereira.

Um dos seus cordéis que ganhou espaço e alcançou outros estados foi o texto “Dar um fim a própria vida nunca será a solução”, que o picoense escreveu logo após perder três pessoas da sua família, que se suicidaram.


Hoje Paulo Henrique Pereira, de 24 anos, tem mais de 10 mil seguidores no Instagram - Foto: Reprodução/Instagram

Alerta

Apesar do sucesso das poesias nas redes sociais, a professora Mônica Gentil diz que lhe preocupa a instantaneidade da internet, que faz com que tudo seja fugaz. “O tempo exigiu do poeta que se renovasse. Antes, os jovens procuravam livro, hoje procuram praticidade nas redes sociais. Você pode ler bons textos como de Fernando Pessoa na internet, mas não tem a magia de um livro. No livro você para, chora, ri. Já as redes sociais têm que ser rápidas. A minha preocupação é que a rede social não dá espaço para o jovem pensar, porque tem que ser rápido e tem outro texto para ser lido”, conclui Monica Gentil.


Dar um fim a própria vida nunca será a solução 

Perceba que a dor

Por mais que seja grande

Não cresce o bastante

Pra ser maior que o amor

Ele que é o curador

Quem devolve a satisfação

Põe fim na escuridão

Faz com que você resista

Dar o fim à própria vida

Nunca será a solução

Por isso, passe a se amar

Valorize sua existência

Tenha fé e paciência

Nunca pare de sonhar

Você tem tanto pra realizar

Acredite nisso, irmão

Segure firme na mão

De uma pessoa amiga

Pois dar o fim à própria vida

Nunca será é a solução.


Por: Sandy Swamy, do Jornal O Dia

Deixe seu comentário