Em sabatina, piauiense Kassio Nunes esclarece formação acadêmica

Em sua exposição inicial, depois de detalhar sua trajetória, desde a infância no Piauí até a atuação no Tribunal Regional Federal da 1ª região, ele explicou sua formação.

21/10/2020 11:45h - Atualizado em 21/10/2020 12:17h

Compartilhar no

De terno azul, com o símbolo alusivo ao Outubro Rosa na lapela e usando máscara, o desembargador Kassio Nunes Marques se apresentou, nesta quarta-feira (21), ao Senado para se submeter à sabatina pelos integrantes da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), indicado pelo presidente da República para ocupar uma vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Em sua exposição inicial, depois de detalhar sua trajetória, desde a infância no Piauí até a atuação no Tribunal Regional Federal da 1ª região, ele explicou sua formação, pois foi questionado sobre seu currículo acadêmico.


Leia também:

Bolsonaristas criticam escolha de desembargador piauiense ao STF 

Jair Bolsonaro oficializa indicação do piauiense Kassio Nunes para vaga no STF


 Kassio Marques afirmou que a confusão se deu por causa da nomenclatura do curso “Postgrado en Contratación Pública", um curso de extensão feito em 2014 na Universidade de La Coruña, na Espanha. Segundo ele, houve um equívoco na tradução.

— Não há menção, no meu currículo, sobre pós-graduação alguma na Espanha. Em algumas comunidades autônomas da Espanha, qualquer curso realizado após a graduação pode receber a denominação postgrado e não guardar nenhuma similitude com o que a expressão ‘pós-graduação’ significa no Brasil — esclareceu.

O indicado detalhou a obtenção de seus diplomas: em 2015, concluiu o mestrado em direito na Universidade Autónoma de Lisboa; em 2016, iniciou o doutorado em direito público na Universidade de Salamanca, na Espanha; e, em 2017, iniciou o pós-doutorado, que concluiu antes do doutorado, mas cujo certificado foi expedido apenas após a obtenção do título de doutor, o que ocorreu em 2020. A mesma situação se aplicou ao pós-doutorado pela Universidade de Messina.


Em sabatina, piauiense Kassio Nunes esclarece formação acadêmica. Foto: Marcos Oliveira/Agência Brasl

Atuação

Com muitas referências religiosas e citando a Bíblia, Kassio Marques considerou sua indicação uma espécie de chamado, e ressaltou que o bom trabalho a ser feito, inclusive na magistratura, é uma manifestação de Deus. Disse que, na tarefa de servir ao público, vai nortear seus atos pelos princípios de justiça, de temperança, de prudência e de dedicação; vai buscar garantir os direitos fundamentais constitucionais; vai zelar pela dignidade da pessoa, pela segurança jurídica, pelo desenvolvimento sustentável; vai prezar pela harmonia e independência entre os Poderes da República; e vai valorizar a vida, a família e os valores morais e cívicos brasileiros, pautado no cumprimento das leis e da Constituição do país.

— O bom juiz não se perfaz apenas em razão do seu conhecimento jurídico, é necessário que conheça a realidade do seu povo, tenha integridade, coragem, sensibilidade social e um elevado senso de justiça — afirmou.

Kassio Marques defendeu ainda a democracia, “pilar fundamental da Constituição federal”, o combate à corrupção, “a vida, a liberdade e a diversidade cultural e religiosa da população brasileira”, a liberdade de expressão e opinião e o “papel fundamental da imprensa no processo democrático”.

— A defesa da Constituição federal oferece a segurança jurídica ao país. Isso contribui para o investimento, o emprego, as garantias individuais e sociais, a defesa do trabalhador, o desenvolvimento econômico — afirmou.

O desembargador disse não ter hábito de julgar recursos de forma monocrática, sempre prestigiando o colegiado. Disse que o juiz deve ter a coragem como elemento essencial, para decidir de forma rápida e transparente mesmo em assuntos complexos, polêmicos e de grande repercussão e dimensão sociais. Ele defendeu ainda a segurança jurídica, “tema que preocupa toda a sociedade brasileira e internacional”.

— Não é razoável, a meu sentir, que o mesmo fato jurídico julgado em momentos distintos e entre pessoas também diversas receba solução diferente, a partir de nova concepção jurídica, sem que nenhuma circunstância inovadora tenha ocorrido. Essa situação muitas vezes se instala nos órgãos colegiados de tribunais em relação às turmas julgadoras, por exemplo, havendo entendimentos diversos sobre a mesma matéria em cada uma delas. Assim, dependendo da turma julgadora, o resultado do julgamento poderá ser diferente — opinou.

Kassio Marques manifestou que é preciso manter a simetria e coerência das decisões dos tribunais e se disse defensor e aplicador do sistema de precedentes e dos mecanismos de harmonização da jurisprudência. Ele lembrou que o papel do Superior Tribunal de Justiça (STJ), com os recursos repetitivos, e do STF, com os julgamentos de repercussão geral, são “balizas de direito que são aplicadas por um sem fim de operadores do direito e que repercutem diretamente no interesse das partes”.

A presidente da CCJ, senadora Simone Tebet (MDB-MS) elogiou a defesa que o indicado fez da Constituição, da democracia e dos direitos fundamentais do cidadão e da sociedade.

Relatório

O relatório da indicação de Kassio Marques (MSF 59/2020) foi lido em seguida pelo senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), já que o relator original, senador Eduardo Braga (MDB-AM), está afastado das atividades parlamentares, com covid-19.

Segundo o documento, Kassio Nunes Marques é brasileiro, casado, nascido em Teresina (PI) em 16 de maio de 1972. É bacharel em Direito pela Universidade Federal do Piauí. Seu currículo diz que é mestre em direito pela Universidad Autónoma de Lisboa (Portugal) e doutor em direito pela Universidade de Salamanca (Espanha).

Foi proprietário de um escritório de advocacia, aberto em 2001, e entre 2008 e 2011, indicado e reconduzido para a vaga destinada a advogado no Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI), para exercício do cargo de juiz eleitoral. Em 2011, foi escolhido pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para integrar a lista tríplice para preenchimento de vaga de juiz  do Tribunal Regional Federal da 1ª Região por meio do “quinto constitucional”. Assim, tornou-se desembargador, cargo que ocupa desde que foi escolhido pela ex-presidente Dilma Roussef.

Se tiver seu nome confirmado pelos senadores, Kassio Marques poderá atuar na mais alta instância jurídica brasileira por quase 27 anos, já que a aposentadoria compulsória do servidor público ocorre aos 75 anos (ele tem 48). Outros integrantes do STF já foram escolhidos pela regra do quinto, como Ricardo Lewandowski (entre os advogados), Ellen Gracie Northfleet e Marco Aurélio Mello (entre membros do Ministério Público).


Compartilhar no
Fonte: Agência Senado

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário