• Banner OAB
  • Campanha da Santa Missa
  • Vencer 03
  • Vencer 02
  • Vencer 01
  • Prerrogativas da advogacia
  • Peregrinos da fé
  • Novo app Jornal O Dia

Em 2019, renda domiciliar per capita no Piauí foi de R$ 827,00

A renda do Piauí representa pouco mais da metade do valor apresentado pelo Brasil e 30,78% do rendimento do DF

28/02/2020 17:20h

A renda nos domicílios piauienses ficou em R$ 827,00 por pessoa no ano passado, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). As informações baseadas na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD Contínua são  utilizadas para o cálculo do rateio do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal – FPE. 

O rendimento do Piauí supera apenas o Pará (R$ 807,00), Alagoas (R$ 731,00) e o Maranhão (R$ 636,00). Na ponta de cima do ranking está o Distrito Federal, que apresentou a maior renda, R$ 2.686, e foi acompanhado de São Paulo (R$1.046) e Rio de Janeiro (R$ 1,882). Já a média nacional não passou dos R$ 1.439. A renda do Piauí representa pouco mais da metade do valor apresentado pelo Brasil e 30,78% do rendimento do DF.

Foto: Reprodução

No comparativo da série histórica do levantamento, o Piauí cresceu 13,6%. Em 2015, o rendimento era R$ 728,00, evoluiu para R$ 747,00 em 2016, R$ 750,00 em 2017, R$ 817,00 em 2018 e R$ 827,00 em 2019. Comparado com as outras unidades da federação, essa evolução é considerada a quarta menor, ficando à frente apenas de Amazonas (11,82%), Amapá (4,76%) e Roraima (3,57%). Por outro lado, os melhores desempenhos ficaram com Rio de Janeiro (46,57%), Mato Grosso do Sul (45,02%) e Ceará (38,33%).

“O rendimento domiciliar per capita foi calculado como a razão entre o total dos rendimentos domiciliares (em termos nominais) e o total dos moradores. Todos os moradores são considerados no cálculo, inclusive os moradores classificados como pensionistas, empregados domésticos e parentes dos empregados domésticos. Os valores foram obtidos a partir dos rendimentos brutos de trabalho e de outras fontes”, explicou o IBGE sobre a metodologia aplicada. 

Desigualdade entre regiões

De acordo com o levantamento, dos 23 estados, apenas oito tiveram renda familiar mensal per capita superior a um salário mínimo. A disposição dessas unidades federativas apontam uma desigualdade quanto ao rendimento das regiões. 

Os estados com os menores valores estão localizados nas regiões Norte e Nordeste, enquanto o Sul,  Centro-Oeste e Sudeste possuem os maiores rendimentos. Se comparado o Distrito Federal com Alagoas, a renda é quase quatro vezes maior para o DF. 

Por: Otávio Neto

Deixe seu comentário