Eleição para desembargador: Alessandro Lopes defende processo seletivo para assessor

Alessandro Lopes tem 20 anos de atuação na advocacia do Piauí e foi juiz do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PI)

04/10/2021 17:49h - Atualizado em 05/10/2021 09:35h

Compartilhar no

A imparcialidade de um desembargador deve começar pela escolha dos assessores de seu gabinete, defendeu o advogado Alessandro Lopes, candidato ao cargo de desembargador do Tribunal de Justiça do Piauí (TJPI) pelo Quinto Constitucional da Advocacia. Ele foi o convidado desta segunda-feira (04) na sabatina realizada pelo programa O Dia News, da O Dia Tv com os candidatos.


Leia também: CNJ determina que o TJPI finalize o concurso dos cartórios e solicita informações 


Alessandro Lopes tem 20 anos de atuação na advocacia do Piauí e foi juiz do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PI). Ele exerceu vários cargos na seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Piauí e chegou a integrar a Comissão Nacional de Direito Empresarial no Conselho Federal da OAB.

Foto: Jailson Soares / O Dia 

Para Alessandro, a realização de um processo seletivo para escolha de parte dos assessores dos gabinetes dos desembargadores é uma forma de tornar a justiça mais célere, apresentar a impassibilidade exigida na tomada de decisões e melhorar a qualidade das decisões.

“Quero levar proposições viáveis que são do interesse da advocacia e do próprio tribunal, são interesses comuns. Por exemplo, o desembargador tem que ser imparcial. Uma das minhas proposições é a de que dos quatro assessores de gabinete, dois deles seja escolhido por meio de processo seletivo para contratar assessores que estejam se capacitando”, disse.

O candidato comentou ainda que é preciso a humanização na atuação do judiciário para enaltecer o Quinto Constitucional e a experiência do contato direto com os constituintes que o advogado leva ao ascender ao Tribunal de Justiça. 

“Nós que trabalhamos na advocacia, por onde a gente passa, escultamos as agruras da advocacia e o que os advogados tem a nos dizer sobre o judiciário. E o Quinto Constitucional garante uma outra visão (dentro do TJPI) daquele que viveu da advocacia e que vai levar as suas experiências para o tribunal”, disse Alessandro Lopes. 

Ao final, Alessandro Lopes declarou que pretende conseguir a vaga através do cantado diretor com amizades que construiu ao longo da carreira. “Quem vive da advocacia durante 20 anos como eu vivo por onde passa vai fazendo amizades na própria advocacia. Quando a gente a amizade que vai pedir o voto, o voto parece que é transparente e orgânico. Todos os advogados conhecem quem é Alessandro Lopes”, concluiu. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no

Deixe seu comentário