Eleição da UFPI: Chapa indeferida entra com mandado de segurança

A chapa denuncia perseguição da Comissão Eleitoral após ser indeferida e ter recurso negado

26/07/2020 17:54h - Atualizado em 26/07/2020 18:52h

Compartilhar no

O chapa encabeçada pelo professor Marcus Sabry, que foi indeferida na  eleição para reitor da UFPI (Universidade Federal do Piauí), entrou com mandado de segurança na Justiça Federal para tentar garantir o direto de disputar o pleito. A chapa denuncia perseguição da Comissão Eleitoral  após ser indeferida e ter recurso negado.

Na justificativa, os membros da comissão afirmaram que o professor Antônio Airton Carneiro de Freitas, candidato a vice-reitor na chapa, não cumpria o requisito de integrar a carreira do magistério superior da UFPI. Contudo, a defesa da chapa alega à Justiça que Antônio Airton é professor titular da instituição há sete anos.

O advogado Thiago Ribeiro Evangelista explica que Antônio Airton é professor do curso de graduação de Engenharia Elétrica da UFPI, assim como professor do curso de especialização de Engenharia Elétrica da UFPI e, ainda, está na última classe da carreira, sendo dos poucos professores da UFPI na posição de “Professor Titular”. 

Thiago afirmou que o pedido requer seja concedida a liminar, determinando a imediata suspensão da decisão que indeferiu o registro de chapa e garantindo o direito de concorrer ao cargo de Vice-Reitor da UFPI juntamente com o candidato a reitor, professor Marcus Sabry , até julgamento definitivo do mérito

Entenda o caso

No total, cinco chapas foram inscritas para disputar a vaga de reitor da Universidade Federal do Piauí. Após a inscrição e deferimento das cinco chapas o edital foi alterado, e o prazo destinado para que a comissão eleitoral criada pela Ufpi para conduzir o pleito apreciasse as chapas foi prorrogado. Após finalizado o novo prazo uma das chapas foi indeferida. A justificativa é que o candidato a vice-reitor pela chapa UFPI Meritocracia, não cumpria o requisito de integrar a carreira do magistério superior da UFPI. A denúncia foi feita pelo professor Marcos Sabry em seu canal no Youtube. 


Segundo o cronograma estabelecido no edital 001/2020 que rege a eleição, as inscrições das chapas deveriam ocorrer até o dia 20 de julho. O seguinte, 21 de julho, seria destinado para a Comissão Eleitoral analisar os pedidos. Ao todo, cinco grupos registraram candidaturas e foram deferidos . Contudo, no dia 22 de julho, uma retificação do edital ampliou o prazo da análise para os dias 21 e 22 de julho, e logo depois a chapa UFPI Meritocracia, encabeçada por Marcus Sabry, apareceu como indeferida .Um recurso apresentado na Comissão também foi negado. 

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

Compartilhar no
Por: Otávio Neto

Deixe seu comentário