• SOS Unimed
  • Novo app Jornal O Dia

Duas alunas piauienses estão entre os 53 com nota mil no Enem

Vitória Castro explica que, para conseguir atingir os 1.000 pontos, foi necessário muita leitura e prática ao longo do ano.

17/01/2020 12:26h - Atualizado em 23/01/2020 11:28h

Com o tema “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”, a prova de Redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em 2019, surpreendeu muitos candidatos no dia do exame. A expectativa era que, entre os possíveis temas, a redação abordasse conteúdos como a saúde mental, obesidade, evasão escolar e até mesmo mobilidade urbana.


A estudante Vitória Castro, de 19 anos, foi uma das estudantes que foi pega de surpresa com o tema. Apesar disso, a jovem conseguiu atingir a tão almejada nota máxima do exame, 1.000 pontos. Segundo o Ministério da Educação, apenas 53 candidatos alcançaram a pontuação máxima, enquanto outros 143 mil zeraram a redação.

Vitória Castro atingiu nota 1.000. Foto: Assis Fernandes

Considerado um dos fatores de peso no cálculo da nota de cada candidato, a redação é muitas vezes a porta de entrada para as universidades públicas do Estado. Vitória Castro explica que, para conseguir atingir os 1.000 pontos, foi necessário muita leitura e prática ao longo do ano. Para ela, apesar de ser uma rotina desgastante, o resultado vale a pena.

“Primeiramente, eu sempre prestei bastante atenção nas aulas de história do Brasil, história geral, filosofia, sociologia, artes e literatura, áreas que contribuem muito para enriquecer a sua redação. Em casa eu sempre pratiquei muito, fazia em média duas a três redações por semana. Eu sempre lia muito e anotava os repertórios, para depois conseguir escrever e absorver”, explica a estudante.

Assim como a maioria dos candidatos, a jovem não esperava que o tema da redação abordasse a democratização do acesso ao cinema no Brasil e não havia praticado textos sobre o tema. Apesar disso, ela relata que além da prática, é importante manter a calma e o foco na redação para conseguir escrever um bom texto.

“Como eu tinha treinado bastante redação, consegui ficar calma, anotei alguns repertórios ao lado da prova e voltei pra redação, quando terminei a introdução gostei muito. Depois de terminar o rascunho da redação verifiquei várias vezes se tinha algum erro ortográfico ou erro de concordância. Saí confiante de que tinha feito uma boa prova”, relata.

A jovem acrescenta ainda que hoje é um dos dias mais felizes da sua vida e isso deve ao bom desempenho na prova do Enem. “Quando vi a nota foi inexplicável, a sensação é muita felicidade de você conquistar uma coisa que você almejou tanto durante o ano. Meus pais sempre me apoiaram muito e eu sei o quanto eles estão felizes com isso”, completa emocionada.

O pai da estudante, Vitório Oliveira, revela que a filha é a terceira do casal a conseguir alcançar o feito. Assim como as irmãs, uma médica e outra acadêmica de Medicina, a estudante também quer ingressar no curso da área de Saúde e que é um dos mais concorridos do Enem.

“A primeira, Débora, hoje já é médica e tinha feito 1.000 pontos na época dela. A Isadora estuda o terceiro ano de medicina da UFPI e passou em 1º lugar na UEMA no Maranhão. E agora a Vitória alcançou novamente 1.000 pontos. Isso é muito reconfortante para nós pais”, diz.

Vitória e o pai. Foto: Assis Fernandes.

Segundo ele, a obstinação pelos estudos é natural das filhas. Apesar disso, o pai relata dar um “empurrãozinho” para incentivar as boas notas. “As três são meninas que raramente a gente pedia que estudassem. A gente sempre deu um apoio logístico considerável, dentro das nossas posses, e o resto era com elas. Eu sempre tinha o hábito de estimular, de jogar notas de umas contra as outras. Não sei se é legal, mas sempre que eu falava que uma estava melhor que a outra, no outro mês a que estava mais fraca conseguia recuperar a nota”, afirma.

A professora de redação de Vitória, Ana Cláudia Santos, explica que os professores da escola particular localizada na Zona Leste de Teresina se preocupam em preparar os alunos para qualquer tema, por meio do acompanhamento individualizado, o estudo das atualidades e o trabalho de técnicas de redação.

“Por mais que o tema tenha sido inesperado para o país inteiro, os nossos alunos estavam preparados. A primeira nota da Vitória foi 940, depois ela evoluiu para 980 e o 1.000 foi a cereja do bolo. Com muito trabalho, com muito empenho da nossa equipe, junto com os esforços dos alunos, nós conseguimos alcançar esse sucesso. Não é a toa que a escola, desde 2013, sempre colocou o Piauí no hall das notas 1.000, que foram ficando cada vez mais raras no país”, conclui.

Alunos que não alcançaram boas notas, não devem desistir

A estudante piauiense foi uma exceção entre as notas do Enem 2019. Segundo o MEC, a nota média das redações ficou em 592,9, o que pode ser considerada uma baixa pontuação para quem quer ingressar em cursos mais concorridos. Apesar disso, os candidatos que não conseguiram alcançar boas notas, não devem desistir.

É o que afirma a professora de redação, Ana Cláudia Santos. Segundo ela, além da aprovação na primeira chamada das universidades públicas, o Enem também proporciona outras possibilidades para os candidatos, como a lista de espera, o Fies e o Prouni.

“Se eles precisarem se preparar mais um ano, é só mais um ano. Se você precisa de apenas mais um ano para alcançar o seu sonho, um ano não é nada. Então pra quem não conseguiu este ano, se empenhe mais um pouco, porque com certeza o empenho da Vitória mostra que vai resultar em sucesso”, afirma a professora.

Por: Nathalia Amaral e Sandy Swamy

Deixe seu comentário