Doação de sangue pode gerar benefícios ao sistema cardiovascular

Comemorado hoje, dia 25, o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue atua como ferramenta de conscientização quanto à importância dessa prática.

25/11/2013 14:08h

Compartilhar no

O ato de doar sangue, além de solidário e social, faz bem ao sistema cardiovascular. Segundo o estudo da Clínica Universitária de Innsbruck, na Áustria à Sociedade dos Médicos de Viena, o metabolismo do elemento ferro no sangue explica a teoria de benefício cardiovascular. Comemorado hoje, dia 25, o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue atua como ferramenta de conscientização quanto à importância dessa prática.

O médico cardiologista Victor Lira (CRM-PI 4447), que atua na Clínica Cardiovida e possui Especialização em Cardiologia pela Beneficência Portuguesa, explica que as células vermelhas do sangue têm um ciclo de vida de 120 dias, sendo naturalmente repostas pelo organismo. “A composição das novas células faz uso do ferro. A doação de sangue faz com que o organismo produza mais células jovens para repor as células que foram doadas e com isso diminui as reservas de ferro e a oxidação dos lipídios, que faz parte da doença aterosclerótica e consequentemente reduz o risco de entupimento das artérias do coração e do cérebro”, pontua.

A pesquisa da Clínica Universitária de Innsbruck  foi realizada com mais de mil homens e mulheres entre 40 e 79 anos, e revelou a existência de uma relação entre as altas reservas de ferro no sangue e as primeiras etapas da arteriosclerose, já que este metal acelera a oxidação dos lipídeos (gorduras).  Os pesquisadores consideram a probabilidade de que o efeito negativo do ferro seja potencializado quando há altas concentrações de colesterol no sangue do homem. No caso das mulheres, este risco é reduzido naturalmente durante o período do ciclo menstrual, onde é eliminado o excedente de ferro acumulado no sangue.

A oportunidade de uma avaliação do risco cardiovascular de um indivíduo que doa sangue também é apontada em pesquisas como fator de importância na descoberta de doenças cardiovasculares. O sangue doado passa por vários testes antes de ser utilizado. Entre os testes realizados estão: SIDA (Síndrome da Imonudeficiciência Adquirida), Sífilis, Hepatite B, Hepatite C e Doença de Chagas. Outros testes também são efetuados para saber o tipo sanguíneo, e certas anormalidades dos glóbulos vermelhos e de algumas proteínas do sangue.

Compartilhar no
Fonte: AsCom

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário