Defesa Civil monitora 56 áreas de risco em Teresina; zona norte tem casas alagadas

No Conjunto Lindalva Soares, as famílias estão com ruas e casas alagadas, após as fortes chuvas em Teresina.

03/03/2021 10:49h - Atualizado em 03/03/2021 11:04h

Compartilhar no

 Período chuvoso é sempre época de maior preocupação com a infraestrutura urbana. Casas construídas em locais inapropriados, ocupações em lugares de risco pontos de alagamento na cidade recebem uma atenção especial do poder público no sentido de evitar desastres naturais e perdas materiais e humanas.

(Fortes chuvas em Teresina causa alagamentos. Foto:Reprodução/moradores)

A Defesa Civil Municipal de Teresina já possui catalogada pelo menos 56 áreas de risco em Teresina. São regiões historicamente castigadas pelos alagamentos e enxurradas e se situam de Norte a Sul da cidade, incluindo também algumas regiões no perímetro rural. Uma em especial tem recebido mais atenção nos últimos dias: a área das olarias no bairro São Joaquim, nas proximidades do Parque Lagoas do Norte.

Isto porque o nível da lagoa tem subido consideravelmente nos últimos dias, o que aumenta os riscos de transbordamento e alagamentos. Quem confirma a informação é Marcos Rolf, gerente de Defesa Civil Municipal de Teresina. 

(Rua do Conjunto Lindalva Soares, na Zona norte de Teresina. Foto: Reprodução/ moradores)

“Estamos visitando aquela área por causa da lagoa, e também outras onde aconteceram recentemente episódios de casas rachadas, paredes caindo e risco de deslizamentos. São 56 locais catalogados inicialmente, mas esse número sempre pode aumentar ou diminuir conforme a gente vai percorrendo a cidade”, diz.

A Defesa Civil disse que já registrou um aumento no número de chamados através do 153 para casos de desastres ambientais causados pela chuva em Teresina nos últimos dias, a maioria deles relacionados a casas em área de risco de deslizamento e queda de árvores. O órgão faz um apelo para aqueles que vivem nas regiões mais sensíveis para o período chuvoso: que saiam de suas casas e procurem abrigo na casa de parentes antes que alguma tragédia maior aconteça.

“Vai aumentar ainda em torno de 35% a 60% as precipitações então existe essa preocupação com as famílias em áreas de risco. Pedimos que essas pessoas se retirem dessas regiões e vão para um lugar seguro. Que retire tudo de dentro de casa antes que aconteça algo e ligue no 153 para que a gente vá até o local e faça uma vistoria completa. É muito melhor trabalharmos com a prevenção que com a gestão do problema depois”, finaliza Marcos Rolf.


Em casos de um desastre, as famílias atingidas são retiradas do local e encaminhadas para o programa Família Acolhedora, onde entram no cadastro da Prefeitura para recebimento de ajuda de custo enquanto esperam a disponibilização de um novo espaço para reconstrução de suas moradias.

Familias do Conjunto Lindalva Soares estão com casas alagadas 

Os moradores da ocupação Lindalva Soares, na zona norte de Teresina, entraram em contato com o PortalODia.com para relatar a situação de suas moradias onde: casas estão alagadas, móveis foram perdidos e fossas estão  transbordam, após fortes chuvas na capital.


"Da primeira a terceira rua estão cheias de lama, e da quarta rua a até a oitava se encontram de baixo d'água. As casas estão alagadas e nós estamos morando, porque estamos precisando, se tivéssemos para onde ir, já tínhamos saído", relata Jaqueline Sousa, moradora do conjunto, há um ano e seis meses.

(Moradora do Conjunto Lindalva Soares em Teresina. Foto: Reprodução)

As famílias pedem ajudam das autoridades e da população, que podem ocorrer  através de roupas, comidas, produtos limpeza e uma moradia, para que saiam dessa situação.

Compartilhar no

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário