• Curta Doar
  • Teresina 167 anos
  • Casa dos salgados
  • Novo app Jornal O Dia

Curso de hebraico está com vagas abertas em Teresina

Língua é falada pela comunidade judaica do mundo inteiro e tem sua importância turística.

09/08/2019 07:14h

A população que tiver interesse em aprender sobre a língua hebraica pode se inscrever no curso que será ministrado na Sinagoga Natzari. O curso é voltado para estudantes a partir de 15 anos e professores e acontecerá todas as quartas-feiras, às 19h. A sinagoga fica localizada na Rua Barroso, 778, Centro de Teresina. 

Elias Paz e Silva, escritor, rabino e um dos fundadores da comunidade judaica em Teresina, explica que será um curso com fundamentos básico, como gramática, pronome, verbo, substantivo, entre outros temas do idioma hebraico. 

“O hebraico é uma língua antiga e, ao mesmo, nova. O que ensinaremos é o fundamental para quem quer se mover dentro de Israel. O curso terá duração de três meses, podendo ser renovado pelo mesmo período. Esse é um tempo para a pessoa se alfabetizar e aprender o básico da língua. Se alguém quiser algo mais aprofundado e a nível superior, é importante que nos procure para agendamento”, afirma, disponibilizando o número (86) 98125-6905 para mais informações. 

Segundo Elias Paz, a língua hebraica tem 4.100 anos de existência e foi revitalizada pela restauração nacional do povo de Israel, em 1945. É uma língua falada pela comunidade judaica do mundo inteiro e tem sua importância turística. 

“Para quem deseja conhecer a terra e o povo judaico, saber hebraico é muito importante, além de ser uma língua geradora de cultura. Por ser uma língua sunítica, muitas outras línguas foram geradas, e é uma língua viva, que foi conservada durante muito tempo nas sinagogas, mas que agora é falada por toda a nação de Israel no mundo”, fala. 

No Piauí, existem algumas comunidades judaicas, que nasceram na década de 1990, implantadas por um rabino que veio de Recife. “Hoje estamos dando sequência a esses grupos, onde foram fundados os centros religiosos, que são as sinagogas”, finaliza.

Por: Isabela Lopes - Jornal O Dia

Deixe seu comentário