Covid-19 em Teresina: população tem queda de anticorpos e barreira da doença diminui

Segundo infectologista, a ausência dessa positividade não necessariamente quer dizer que a pessoa está sujeita a uma nova infecção.

01/09/2020 09:37h

Compartilhar no

Desde o início da pandemia da Covid-19, a cidade de Teresina adotou medidas para evitar a disseminação da doença. A capital se tornou um dos destaques nacionais entre os municípios com menos casos confirmados e de óbitos pelo coronavírus. Segundo o Painel de Dados Covid-19, no último domingo (30), a Capital tinha 25.115 casos e 911 óbitos em decorrência da doença.


Leia também: Covid: testes rápidos não são 100% seguros para dar diagnóstico, diz especialista 


Os impactos dessas medidas têm sido sentidos ao longo das semanas, por meio da redução de casos confirmados, de pessoas infectadas e óbitos, que tem decrescido, contribuindo para a flexibilização e reabertura gradual das atividades econômicas.

Porém, um dado chama atenção: a redução do número de pessoas infectadas e que possuem anticorpos para a doença. Esse índice é medido pelo IgG, anticorpo produzido na fase tardia da infecção e, geralmente, é detectado a partir do 15º dia de sintomas, responsável por defender o organismo de uma reinfecção. 


População de Teresina tem queda de anticorpos e barreira da doença diminui - Foto: Assis Fernandes/O Dia

De acordo com o levantamento apresentado na 15ª Etapa (24 a 26 de julho) da Pesquisa Sorológica, 107.587 teresinenses foram infectados com o coronavírus que já estavam imunes ou em processo de imunização. Os números vieram caindo ao longo das semanas: 99.976 pessoas infectadas na 16ª Etapa (31/07 a 02/08); 90.290 pessoas infectadas na 17ª Etapa (07 a 09 de agosto) e 34.594 com infecção remota na 18ª Etapa (21 a 23 de agosto).

O infectologista da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Carlos Gilvan, explica o indivíduo pode adquirir imunidade tanto a partir de anticorpo como de células do organismo.

“Quando essa pesquisa mostra que a quantidade de pessoas com sorologia positiva diminuiu em Teresina, isso pode ter várias interpretações, onde a mais provável delas é que ausência dessa positividade para o anticorpo não necessariamente quer dizer que a pessoa está sujeita a uma nova infecção. Ela pode ter perdido o anticorpo, mas ainda pode estar mantendo a imunidade através de células. A interpretação é incerta”, comenta.


Foto: Assis Fernandes/O Dia

Carlos Gilvan enfatiza também que, como ainda não há estudos que mostrem quanto tempo essa imunidade permanecerá no corpo do indivíduo. Ou se há probabilidade de uma nova reinfecção, o recomendado é que as pessoas continuem seguindo as recomendações dadas pelos órgãos de saúde. 

“A recomendação é sempre manter os mesmos cuidados do início da pandemia, porque a gente ainda não tem certeza de que essa imunidade será para sempre; por quanto tempo ela vai durar, ou se temos a chance de se reinfectar com outro coronavírus. Em virtude dessas incertezas, manter o distanciamento social e todas as medidas já reforçadas durante a pandemia, é estritamente importante, vez que cada organismo reage de uma forma diferente”, lembra.


Leia também: Covid-19: Pacientes que se curaram podem apresentar sequelas graves 


Reabertura das atividades econômicas

Com relação à reabertura das atividades econômicas de Teresina, o infectologista Carlos Gilvan comenta que a quantidade de casos confirmados e óbitos tem diminuído, o que tem contribuído para dar continuidade ao retorno do comércio. Entretanto, ele enfatiza que é preciso ficar atento às novas pesquisas. 

“A reabertura do comércio pode ser tanto a causa de um novo surto como pode ser a consequência, caso esse surto não seja controlado. Estamos tendo a reabertura progressiva, mas com a diminuição do número de casos e mortes. A partir do momento que temos um novo aumento de casos, mortes e transmissibilidade, vamos ter que refazer essa avaliação de liberação do comércio e ela pode ter efeitos diretos importantes”, acrescenta.


Foto: Assis Fernandes/O Dia

Vale lembrar que a reabertura do comércio chegou a ser adiada após o descumprimento das medidas de isolamento social e dos decretos municiais por parte dos teresinenses nos primeiros dias de retomada das atividades comerciais. A primeira tentativa ocorreu no dia 06 de julho, mas a quantidade de pessoas circulando no Centro da cidade refletiu diretamente nesse retorno.

A reabertura da segunda fase, que estava prevista para acontecer no dia 13 de julho, foi adiada para o dia 20 de julho.

Compartilhar no
Por: Isabela Lopes

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário