Nova reunião entre lojistas e comerciários ocorre segunda; greve prossegue

Cerca de 25 mil trabalhadores iniciaram greve a partir de hoje.

03/07/2014 09:37h - Atualizado em 03/07/2014 20:37h

Compartilhar no

Última atualização às 20 horas

De acordo com Genivaldo Ferreira, secretário de Administração do Sindcom, uma nova mesa de negociação com os dirigentes do Sindlojas estava agenda para esta quinta-feira, mas acabou sendo adiada para a próxima segunda (7). Até lá, o sindicalista afirma que as lojas do Centro da cidade continuarão fechadas.

Além do reajuste salarial de 26%, a categoria também exige que os lojistas passem a fornecer ticket alimentação, auxílio transporte e plano de saúde. No momento, nenhuma dessas garantias está prevista no acordo coletivo dos comerciários.

Eles também denunciam que algumas empresas obrigam os funcionários a trabalhar além das 44 horas semanais. "Hoje, são comuns os casos de comerciários que trabalham muito mais que isso. E o pior é que as empresas não fornecem alimentação. Muitos trabalhadores precisam passar a noite preparando a boia fria para ter o que comer no dia seguinte", reclama o sindicalista.

Notícia original

Os comerciários que iniciaram a greve da categoria nesta quinta-feira (03) fazem manifestação pelo centro de Teresina. Eles saíram da Praça João Luís em passeata e aproveitaram para fechar lojas que encontraram abertas pelo caminho. Por onde passam, os manifestantes fazem muito barulho e soltam fogos.

Fotos: Marcela Pachêco/ODIA

No cruzamento das ruas Barroso com Coelho de Resende, os comerciários quebraram os portões e algumas prateleiras da loja de calçados Paralelas. A gerente ainda tentou intervir, mas não conseguiu impedir a manifestação dos trabalhadores. 

Alguns vendedores que estavam trabalhando e clientes se assutaram com a ação dos manifestantes. Uma vendedora do Magazine Luiza chorou e outras pessoas passaram mal.

Desde o início desta semana, o Sindicato dos Empregados no Comércio e Serviços de Teresina (Sindcom) vem mobilizando a categoria para aderir ao movimento. A expectativa é que cerca de 25 mil trabalhadores na capital cruzem os braços a partir de hoje.

A categoria reivindica piso salarial de R$ 1 mil. Atualmente, o valor do piso é de R$ 791,27. Segundo o secretário de Finanças do Sindicato dos Comerciários, José Pereira, o Dedé, a pauta será levada para a próxima mesa de negociação com a classe patronal. “Até agora, não tivemos nenhuma proposta apresentada, nem referente ao ticket de alimentação, nem a proposta de reajuste salarial e nem sobre o plano de saúde”, pontua o sindicalista.

Por outro lado, o Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado do Piauí (Sindilojas/PI) afirma, em nota, que não existem intransigências nas negociações coletivas por parte da categoria patronal. "Não houve avanço por que o sindicato laboral condicionou as negociações ao fornecimento de ticket alimentação. Como a categoria patronal entende que não há como conceder o benefício, o sindicato laboral suspendeu as negociações", diz a nota. 

O Segundo Secretário Geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviço (Contracs), Paulo Santos, explica que a reivindicação é também por melhorias de trabalho e denuncia que alguns empregados são forçados a comer em locais impróprios. "Nossa reivindicação também é uma questão de direitos humanos. Sem o ticket, o empregado tem que trazer a marmita de casa e, por vezes, comer no banheiro", desabafa.

 Paulo Santos comenta que não admite que a situação continue do jeito que está.

Às 14h está marcada uma audiência de negociação com o Ministério Público do Trabalho, o sindicato patronal e o sindicatos dos trabalhadores.

"Esperamos que o patronal se sensibilize e atenda a nossa justa reivindicação, caso contrário, continuaremos com a greve por tempo indeterminado", completa o presidente da Contracs, Alcir Matos.

Compartilhar no
Por: Beto marques (do local) e Nayara Felizardo (redação)

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!


Deixe seu comentário